Basílica
 Dados Gerais do Carmo
 Basílica Tombada
 Significado Histórico
 Pobre Matriz Rica
 Basílica na História
 Outras Informações
 Livro da Basílica
 Pinturas
 Iconografia
 Órgão Tamburini
 Coral Vozes do Carmo
 Horários de Missas
 Horários de Confissões
Paróquia
 Histórico
 Párocos
 Pastorais
 Atividades
 Calendário Anual
 Horários
 Batizados
 Casamentos
 Escola Paroquial
 Capela N.Sra.Boa Morte
 Templo Votivo
 
N. Sra. do Carmo
 Festa: 16 de Julho
 Devoção e História
 Novena
 Cânticos
 Oração
 Reza do Terço

 

 

 

 

 

 

 Recomende este site

 

 

 

 
 

Coral Vozes do Carmo

Preconizam os documentos pontificais que um templo, para receber o título de Basílica, deve possuir um coro titular e que este possa manter a tradição musical católica. Assim, através de uma iniciativa do Cônego Pedro Cipolini, em 2009 foi organizado o Coral Vozes do Carmo em torno da sonoridade do órgão Tamburini. Este grupo tem como função solenizar as liturgias da Basílica, porém sem substituir o canto comunitário. As atividades do coro iniciaram-se em setembro de 2009. Sua regência está a cargo do organista Júlio Amstalden. O Coral Vozes do Carmo atua duas vezes por mês nas missas dominicais da Basílica, bem como nas solenidades ao longo do ano litúrgico. Seu coordenador é o senhor Sebastião Ximenes.

O canto coral é uma modalidade de música que tem suas origens na Igreja Católica na Idade Média. Neste período, a música praticada nos templos era o cantochão (ou gregoriano, como hoje é popularmente conhecido). Músicos das grandes catedrais costumavam sobrepor melodias independentes sobre um determinado trecho de um cantochão, obtendo estruturas musicais mais volumosas e impactantes do que as simples melodias cantadas em uníssono. Esta forma musical reunia muitos cantores e era conhecida como organa. A Catedral de Notre Dame de Paris foi um grande centro cultor e divulgador dessa modalidade, que caiu no gosto dos fiéis.

Tal prática em muito influenciou e determinou o avanço da organização da teoria musical. Com o correr dos séculos, o organa se desenvolveu e se refinou até chegar a formas mais ordenadas de estruturação, de modo a proporcionar o surgimento do moderno canto coral.

Pelo motivo de ter sido o seu berço, a Igreja Católica sempre utilizou o canto coral. No Brasil, essa tradição chegou com os colonizadores portugueses, de modo que até o início da década de 1960 toda paróquia possuía seu coro a quatro vozes e muitos brasileiros tomavam contato com a Música através dos coros paroquiais. A situação mudou após o Concílio Ecumênico Vaticano II (1962-1965), quando praticamente todos os coros litúrgicos foram equivocadamente abolidos no Brasil. O Concílio pedia uma adaptação dos coros à liturgia renovada, orientada pela participação ativa das assembléias no rito, mas no Brasil tal orientação foi erroneamente interpretada como extinção dos coros para favorecer o canto dos fiéis.

Os coros estiveram ausentes da Igreja Católica no Brasil por quase 50 anos. Aos poucos temos assistido um reinteresse nessa prática, com o retorno gradual dos coros nos cenários litúrgicos do país, devidamente orientados pelas diretrizes conciliares É dentro deste contexto que o Coral Vozes do Carmo foi criado e tem atuado.

O coral ensaia aos sábados, das 09h00 às 11h30, na própria Basílica. Também possui um site na Internet:

www.coralvozesdocarmo.blogspot.com

Interessados em participar do coral podem procurar a secretaria da Basílica ou acessar o Sr. Sebastião Ximenes pelo telefone 3206-0685.

 

 

 

 

 

 

Início

Saiba mais

Pároco Atual  

Liturgia Dominical  

  Liturgia Diária  

Horários da Basílica  

Carmelitas em Campinas  

Imagens e Idolatria  

Links  
  AVISOS  
Escapulário

Origem  

Espiritualidade

 

 

 

 

 

 

Google

 

 

 

 

*

 

 

 

 

 

 

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil