Basílica
 Dados Gerais do Carmo
 Basílica Tombada
 Significado Histórico
 Pobre Matriz Rica
 Basílica na História
 Outras Informações
 Livro da Basílica
 Pinturas
 Iconografia
 Órgão Tamburini
 Coral Vozes do Carmo
 Horários de Missas
 Horários de Confissões
Paróquia
 Histórico
 Párocos
 Pastorais
 Atividades
 Calendário Anual
 Horários
 Batizados
 Casamentos
 Escola Paroquial
 Capela N.Sra.Boa Morte
 Templo Votivo
 
N. Sra. do Carmo
 Festa: 16 de Julho
 Devoção e História
 Novena
 Cânticos
 Oração
 Reza do Terço

 

 

 

 

 

 

 Recomende este site

 

 

 

 
 

Missa

parte por parte

 

Como ação de Cristo e do Povo de Deus, a celebração da Missa é o centro de toda vida cristã tanto para a Igreja universal como local, e também para cada um dos fiéis (Instrução Geral sobre o Missal Romano). A palavra "missa" vem do latim e significa "despedida". No tempo em que a missa era rezada em latim, o padre, ao encerrar a celebração, voltava-se para a assembléia e, abrindo os braços, dizia: "Ite, missa est", que era entendido como: "Ide, a missa está terminada", significando também que, a partir daquele momento, o cristão deveria viver sua missão no mundo, ou seja, em casa, no trabalho e na sociedade.

 

 

 

 

1ª parte - Ritos iniciais

Ritos são ações e procedimentos observados como regras na realização de uma cerimônia religiosa. Na celebração da Missa, os ritos iniciais são: a chegada dos fiéis à igreja, a procissão de entrada, o beijo no altar, o canto de entrada, a acolhida, o ato penitencial, o hino de louvor, a oração (coleta).

 

Comunidade Eclesial - Assembléia

Tudo começa com a chegada das pessoas. Na medida em que elas se encontram e se acolhem mutuamente, vão constituindo a "assembléia". Toda reunião de cristãos traz uma forte identidade: a presença de Cristo, "pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou no meio deles", disse Jesus (Mt 18,20).

 

Procissão de Entrada

Constituída a assembléia, inicia-se a Procissão de Entrada, feita geralmente aos Domingos e dias festivos. Dela participam o sacerdote que presidirá a Eucaristia, os ministros, os leitores, os acólitos e, conforme a circunstância, outras pessoas. Essa procissão, que se dirige ao "altar", simboliza a caminhada do povo peregrino em busca de Deus.

 

Beijo no Altar

A tradição cristã respeita o altar como símbolo do próprio Cristo. Por isso o altar é beijado com muito carinho e respeito pelo presidente da celebração.

 

Canto de Entrada

Durante a procissão a comunidade canta, pois cantar é rezar, louvar, testemunhar. O canto anima e conduz à oração. A missa, com raras exceções, deve ter cantos. O canto, quando bem escolhido e executado, tem a capacidade de nos introduzir no clima da celebração.

 

Acolhida

As pessoas que se reúnem para a missa podem ser conhecidas ou não. Na fé sabemos que somos todos filhos e filhas do mesmo Pai. Deus acolhe a todos, não rejeita ninguém. Também nós devemos ter essa disposição, e isso deve ser sempre lembrado pelo comentarista ou pelo sacerdote que preside a celebração. É muito importante instaurar esse clima de fraternidade já desde o início da missa, pois é a expressão visível da graça presente na assembléia: "Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo".

 

Ato Penitencial

O sentimento de ser acolhido por Deus Pai e pelos irmãos nos faz entender que tudo é graça. Não estamos na igreja para fazer um favor, nem mesmo para dar conta de um compromisso, cumprir uma obrigação. Somos criaturas pobres e humildes diante do mistério e da santidade de Deus. O ato penitencial quer ser o reconhecimento sincero dessa nossa situação, no sentido apresentado pelo Evangelho na parábola sobre o fariseu e o publicano (Lc 18,9-14). Sempre necessitamos de conversão, mas de modo especial quando nos apresentamos diante da grandeza de Deus.

 

Hino de Louvor

Justificados, isto é, banhados pela misericórdia de Deus que nos aceita e nos eleva, rezamos (cantamos) o Glória. Trata-se de um hino muito antigo através do qual manifestamos louvor, adoração e súplicas a Cristo e, por ele e nele, ao Pai e ao Espírito Santo.

 

Oração (Coleta)

Para concluir essa primeira parte da missa, é rezada uma oração. O sacerdote que preside a celebração convida todos ao recolhimento, dizendo: "Oremos". Nesse momento, cada um deve fazer a sua oração em silêncio, colocando suas intenções particulares. Depois de um breve instante, o Padre conclui rezando em voz alta a "coleta". A oração tem esse nome porque realmente recolhe todas as intenções particulares feitas em silêncio, como que fazendo uma conclusão.

 

 

 

 

2ª parte - Liturgia da Palavra

A missa é um encontro da Igreja com seu Deus e Pai, por Cristo no Espírito Santo. Em consequência disso, a Palavra de Deus sempre terá lugar de destaque como parte integrante e indispensável na assembléia litúrgica.


Na missa a leitura da Bíblia se reveste de solenidade, pois acreditamos verdadeiramente que Deus nos fala. De nossa parte, devemos procurar acolher essa palavra como comunicação de vida. As Escrituras Sagradas não são simplesmente lidas, mas proclamadas. Tudo devemos fazer para que essas sementes caiam na terra boa do nosso coração e produzam os frutos esperados.

 

As leituras tiradas da Bíblia para serem feitas durante a missa obedecem a um esquema previamente planejado. Aos domingos são lidos três textos, com um salmo de resposta após a leitura e uma aclamação antes do Evangelho.

 

Percebe-se certa ligação temática entre a primeira leitura e o Evangelho. Já a segunda leitura reforça aspectos práticos da vida do cristão e da comunidade.

 

Nos dias de semana são feitas apenas duas leituras, sem preocupação com temas, pelo menos no tempo chamado comum. Os textos são lidos numa ordem sequencial e a Igreja tem a intenção de que os principais livros da Bíblia e os Evangelhos sejam apresentados aos fiéis no decorrer de todo o ano litúrgico.

 

Primeira Leitura

Na maioria das vezes, a primeira leitura é tirada dos livros do Antigo Testamento. Em alguns tempos litúrgicos e festas especiais, são utilizados trechos do Novo Testamento, como por exemplo os Atos dos Apóstolos.

 

A primeira leitura é escolhida em função do Evangelho do dia. Entre ambos os textos há um notório relacionamento para reforçar uma mesma idéia, um mesmo ensinamento.

 

O salmo de resposta, enquanto possível, faz ressonância à primeira leitura.

 

Segunda Leitura

Na segunda leitura aparecem com muita frequência trechos das cartas do Novo Testamento. As de São Paulo são as mais utilizadas e geralmente relatam experiências das comunidades cristãs. Após o trabalho missionário de pregação e conversão, os apóstolos se preocuparam em transmitir novas orientações, exortações, doutrinas, alertas, testemunhos, elogios, com a constante preocupação de perseverança no "caminho". Entram também nesse elenco os Atos dos Apóstolos e o Apocalipse.

 

Evangelho

Das três leituras, não há dúvida de que o Evangelho é a principal, pois trata-se da palavra do próprio Jesus, o cumprimento das promessas e profecias do Antigo Testamento.

 

Homilia

Deus nos fala através das leituras e nos fala também através do ministro que preside a celebração, no serviço da pregação, da homilia. Mesmo que cada um possa entender a seu modo as mensagens proclamadas através das leituras, o ministro da Palavra pode e deve ajudar a assembléia a perceber o sentido dos termos e a vontade de Deus naquele momento e naquela circunstância: "Quem vos ouve, a mim ouve" (Lc 10,16).

 

A homilia deve ser uma verdadeira "conversa familiar" que, conforme o ambiente, pode até mesmo ser participada. Seu objetivo é trazer a palavra de Deus para a vida, para a história de hoje, para que ela seja apelo atual e resposta aos desafios dos cristãos e da comunidade, já que estão situados no mundo, de onde não podem e não dever ser tirados: "Eu não rogo que os tires do mundo" (Jo 17,15).

 

Profissão de Fé

A palavra de Deus, ouvida, entendida e aceita, pede de nós uma resposta, que será dada na vida, com a conversão para Deus e para os irmãos. Entretanto, na celebração dominical e nas solenidades, fazemos a profissão de fé confirmando a crença naquilo que há de mais substancial e que nos foi revelado. A profissão de fé é assim uma verdadeira renovação dos compromissos com Deus.

 

Oração dos fiéis

Como conclusão da Liturgia da Palavra, a assembléia eleva a Deus as suas preces comunitárias. Nesse momento é recomendado que ninguém reze somente por si e pelos seus, mas que a comunidade coloque em comum as grandes intenções.

 

Conforme instrução geral do Missal Romano, é preciso respeitar certa ordem nas preces, a saber: pelas necessidades da Igreja; pelos governantes e pessoas investidas de autoridade; por todas as pessoas que sofrem dificuldades; pelas necessidades da comunidade local. O ideal é que, depois de anunciadas algumas dessas intenções gerais, os fiéis possam formular espontaneamente suas preces, desde que não sejam súplicas meramente pessoais e nem muito numerosas.

 

 

 

 

3ª parte - Liturgia Eucarística

A parte seguinte da Missa concentra-se no que é realizado sobre a mesa da grande ceia, no altar.

 

Ofertório

A Liturgia Eucarística começa com o ofertório. Na Missa nós ofertamos o que recebemos de Deus: a vida, aquilo que a natureza nos concede para a subsistência, o fruto do nosso trabalho, nossas alegrias e tristezas, nossas preocupações. Na procissão do ofertório, algumas pessoas representando a assembléia trazem para o altar as hóstias, ou seja, o pão e o vinho. Em alguns lugares permanece o costume bastante antigo e significativo, de se oferecer também o dízimo nesse momento.

 

O dízimo é o fruto do nosso trabalho. Pode ser ofertado através de mantimentos (campanha do quilo) ou de dinheiro (coleta). Devemos notar bem que essas oferendas, quer sejam mantimentos quer sejam em dinheiro, não são esmolas, mas símbolos da vida e do trabalho. Reconhecemos que tudo recebemos por graça de Deus e por isso fazemos a oferta, com gratidão e espírito de partilha.

 

Oração Eucarística

A Oração Eucarística é uma grande prece proclamada pelo presidente da assembléia, que é sempre um sacerdote ordenado, em nome de todo o povo. Essa oração engloba elementos de ação de graças, invocações ao Espírito Santo, narrativas, súplicas de intercessão pela Igreja, papa, bispos, ministros e fiéis vivos e falecidos, e de louvor.

 

Não existe uma oração única. Existem vários modelos para serem utilizados conforme a circunstância.

 

Mesmo sendo proclamada pelo presidente, exige a participação consciente dos fiéis, pois é oração da Igreja. Por isso, são muito apropriadas as respostas e aclamações da assembléia.

 

A Oração Eucarística tem início com o Prefácio, que é como que uma introdução ao que vai ser rezado. É um anúncio, uma proclamação das maravilhas de Deus. O Prefácio geralmente está ligado ao tema da celebração. Assim temos prefácios da Páscoa, do Natal, de Nossa Senhora, dos Mártires etc. Sua conclusão se faz como uma aclamação grandiosa, participando anjos, santos e toda a terra com suas criaturas: "Santo... Santo... Santo... Hosana... Bendito o que vem em nome do Senhor".

 

Ritos da Comunhão

A ceia não é ceia se não se come a comida e não se bebe a bebida. Terminada a grande Oração Eucarística, começa a preparação para a comunhão.

 

Quem vai comungar deve estar preparado e consciente. A comunhão é o sacramento da união, através de Cristo, com Deus e com os irmãos. Portanto, deve ser um ato coerente de alguém convencido do que significa seguir os passos de Jesus. Por isso reza-se o Pai Nosso, oração que é um verdadeiro programa de vida.

 

 

 

4ª parte - Ritos Finais

A finalização da celebração, simples e objetiva, é momento de consciência apostólica e missionária. Algo de muito profundo foi realizado na celebração e nossa vida continua. Não devemos permitir ruptura e separação da fé com a vida de cada dia. Recebendo a Bênção, saímos fortalecidos e encorajados para levar adiante a nossa missão: evangelizar a todos os que encontrarmos pelo caminho. Deus nos dê sua paz e nos acompanhe. Amém.

 

 

 

Conheça mais para celebrar melhor

Cores litúrgicas e seus significados: clique aqui

Ano litúrgico (A, B, C): clique aqui

 

 

 

 

 

Liturgia da Palavra

 

 

 

 

 

 

 

 

Saiba mais

Pároco Atual  

Liturgia Dominical  

  Liturgia Diária  

Horários da Basílica  

Carmelitas em Campinas  

Imagens e Idolatria  

Links  
  AVISOS  
Escapulário

Origem  

Espiritualidade

 

 

 

 

 

 

Google

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil