Campanha da Fraternidade 2017

   

Basílica
 Dados Gerais do Carmo
 Basílica Tombada
 Significado Histórico
 Pobre Matriz Rica
 Basílica na História
 Outras Informações
 Pinturas
 Iconografia
 Órgão Tamburini
 Coral Vozes do Carmo
 Horários de Missas
 Horários de Confissões
Paróquia
 Histórico
 Párocos
 Pastorais
 Horários
 Batizados
 Casamentos
 Capela N.Sra.Boa Morte
 
N. Sra. do Carmo
 Festa: 16 de Julho
 Devoção e História
 Novena
 Oração
 Reza do Terço

 

 

 

 

 

 

 

02 de novembro

Comemoração dos Fiéis Defuntos

Neste dia de esperança, de comunhão com quem amamos e que já partiu, a Ressurreição de Jesus é uma luz para nossa fé na vida eterna. É esse o sentimento que hoje nos move a estar reunidos para fazer memória de nossos irmãos e irmãs, acreditando e esperando que estejam junto de Deus. Em Cristo está nossa certeza de que, vivendo e construindo seu Reino aqui, também o herdaremos na eternidade.

 

 

 

 

No Senhor está a vida para sempre!

Reunidos em torno do altar, celebramos a vida e a eternidade em Cristo. Ele que passou pela morte, nos ensina a morrer e ressuscitar com Ele. A morte é sempre um mistério, mas os que creem encontram no ensinamento de Jesus a revelação e a certeza da vida: "Eu sou a ressurreição e a vida, quem crê em mim não morrerá jamais". Sua palavra nos enche de esperança e de paz. Por isso, celebrando a certeza da vida com nossos entes queridos que já se foram, tomamos consciência do valor da vida, dom divino que o Pai nos deu em seu amor.   

 

 

 

Liturgia da Palavra

Deus nos fala

A Palavra de Deus é a rocha firme de nossa fé. Ela nos sustenta na esperança e nos faz compreender o sentido da vida, como dom divino.

 

 

 

Primeira Leitura - Is 25,6a.7-9

Leitura do Livro do Profeta Isaías:

Naquele dia, o Senhor dos exércitos dará neste monte, para todos os povos, um banquete de ricas iguarias. Ele removerá, neste monte, a ponta da cadeia que ligava todos os povos, a teia em que tinha envolvido todas as nações. O Senhor Deus eliminará para sempre a morte e enxugará as lágrimas de todas as faces e acabará com a desonra do seu povo em toda a terra; o Senhor o disse. Naquele dia, se dirá: "Este é o nosso Deus, esperamos nele, até que nos salvou; este é o Senhor, nele temos confiado: vamos alegrar-nos e exultar por nos ter salvo".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

 

Salmo Responsorial - Sl 26

O Senhor é minha luz e salvação.

 

O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu terei medo? O Senhor é a proteção da minha vida; perante quem eu tremerei?

 

Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, e é só isto que eu desejo: habitar no santuário do Senhor por toda a minha vida; saborear a suavidade do Senhor e contemplá-lo no seu templo.

 

Ó Senhor, ouvi a voz do meu apelo, atendei por compaixão! É vossa face que eu procuro. Não afasteis em vossa ira o vosso servo, sois vós o meu auxílio!

 

Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver na terra dos viventes. Espera no Senhor e tem coragem, espera no Senhor!

 

 

 

Segunda Leitura - 1Jo 3,1-2

Leitura da Primeira Carta de São João:

Caríssimos: Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: de sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos! Se o mundo não nos conhece, é porque não conheceu o Pai.

Caríssimos, desde já somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos! Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

 

Evangelho - Jo 6,37-40

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por João:

Naquele tempo, disse Jesus às multidões: "Todos os que o Pai me confia virão a mim, e quando vierem, não os afastarei. Pois eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. Pois esta é a vontade do meu Pai: que toda pessoa que vê o Filho e nele crê tenha a vida eterna. E eu o ressuscitarei no último dia".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

 

Celebrando hoje a memória de todos os fiéis defuntos, na liturgia temos a oportunidade de refletir de modo mais intenso sobre a vida em seu sentido mais profundo, incluindo a morte, não como destino último do ser humano, mas como etapa inevitável e necessária para a realização plena da vida. Diante disso, compreendemos que uma das palavras-chaves da liturgia de hoje é esperança.

Como cristãos, temos em Cristo a certeza da vida e da ressurreição. Ao contrário do que tanto se afirma, a pessoa humana não é um ser para a morte, mas para a vida. E a morte faz parte desse processo, não como fim, mas como passagem para o ser humano encontrar plenitude da vida. Muito antes da pregação cristã sobre a ressurreição e a vida eterna se consolidar, a esperança de um encontro pessoal com Deus no final da existência terrena estava presente na experiência de Jó.

O apóstolo Paulo consola os cristãos filipenses, vítimas de perseguição e sujeitos ao desânimo, encorajando-os a suportar tudo, tendo em vista o destino definitivo de quem deposita em Cristo a esperança: a cidade celeste. No Evangelho, Jesus eleva uma oração de louvor e ação de graças ao Pai por revelar seus mistérios aos pequenos, ao mesmo tempo em que convida todos os que estão cansados a aproximarem-se dele. Somente ele, manso e humilde de coração, com suas palavras de vida, pode comunicar vida e repouso para os aflitos. Essa é uma mensagem carregada de esperança.

Aproximamo-nos de Jesus quando adotamos para nós o seu estilo de vida, quando nos sentimos pequenos, limitados, e em seu amor e em sua misericórdia. Sua palavra hoje nos estimula a não  desanimar diante das dificuldades e insucessos desta existência. Como cristãos, caminhamos sempre com esperança de alcançarmos nossa realização plena: a conformação do nosso corpo humilhado ao corpo glorioso do Senhor Ressuscitado (Fl 3,21).

Ao recordar hoje nossos defuntos, alimentemos a certeza da esperança da ressurreição, buscando viver desde agora os valores do Reino proposto por Jesus, sendo mansos e humildes de coração. Vivendo assim, conheceremos o Pai como Jesus o conhece, e não seremos destruídos pela morte, mas apenas transformados por ela, como herdeiros dos dons da ressurreição de Cristo. 

Pe. Francisco Cornélio Freire Rodrigues - Diocese de Mossoró-RN  

Folheto litúrgico de 02/11/2020 - Deus Conosco - Ed. Santuário.

 

 

 

Preces da Comunidade

Elevemos confiantes nossas preces ao Senhor, Deus da vida, pois em seu amor infinito nos socorre e nos ilumina com sua bondade e misericórdia.

 

1. Inspirai vossa Igreja no anúncio do Evangelho, e assim a humanidade possa conhecer vossos desígnios divinos e caminhar na paz, na esperança e alcançar a vida e a salvação, nós vos pedimos, Senhor.

- Guardai-nos, Senhor, em vossa misericórdia!

 

2. Ajudai nossas Comunidades na vivência da fraternidade, da justiça e da prática do bem, e que elas sejam um sinal de vosso Reino no mundo, nós vos pedimos, Senhor.

- Guardai-nos, Senhor, em vossa misericórdia!

 

3. Olhai com bondade aos que vos procuram com sinceridade de coração, para que vos encontrem e se alegrem em vossa misericórdia, nós vos pedimos, Senhor.

- Guardai-nos, Senhor, em vossa misericórdia!

 

4. Dai aos nossos falecidos vossa paz e que eles possam contemplar eternamente vossa face de amor e de misericórdia, nós vos pedimos, Senhor.

- Guardai-nos, Senhor, em vossa misericórdia!

 

5. Outras intenções...

 

Acolhei-nos, Senhor Deus, e estabelecei vossa morada em nossa vida, para que experimentemos já na terra as alegrias do céu. Vós, que sois nosso Deus e viveis e reinais para sempre.

- Amém.

 

 

 

Esperança na Ressurreição

clique aqui

 

 

 

 

Saiba mais

Reitor  

Liturgia Dominical  

  Liturgia Diária  

Horários da Basílica  

Carmelitas em Campinas  

Imagens e Idolatria  

Links  
  AVISOS  
Escapulário

Origem  

Espiritualidade

 

 

 

 

 

 

Google

 

 

 

 

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil