Campanha da Fraternidade 2017

   

Basílica
 Dados Gerais do Carmo
 Basílica Tombada
 Significado Histórico
 Pobre Matriz Rica
 Basílica na História
 Outras Informações
 Pinturas
 Iconografia
 Órgão Tamburini
 Coral Vozes do Carmo
 Horários de Missas
 Horários de Confissões
Paróquia
 Histórico
 Párocos
 Pastorais
 Horários
 Batizados
 Casamentos
 Capela N.Sra.Boa Morte
 
N. Sra. do Carmo
 Festa: 16 de Julho
 Devoção e História
 Novena
 Oração
 Reza do Terço

 

 

 

 

 

 

 

25 de dezembro

Natal de Nosso Senhor

Jesus Cristo

Missa do Dia

 

 

Deus sempre nos surpreende com suas atitudes amorosas e misericordiosas, e nos faz contemplar a eternidade já aqui na Terra. A Palavra se fez Homem e tornou-se um de nós. Assumiu nossa condição humana: fragilidade, fadiga, derrota, dor e morte, menos o pecado. Jesus nos deixou transparente o rosto de Deus, carregado de amor, de misericórdia, de perdão e de paz por todos os desfavorecidos. É Natal, é vida, é compaixão.  

 

 

 

Liturgia da Palavra

 

Deus nos fala

Em Belém e depois em Nazaré, encontramos a fonte de inspiração para vivermos em família e do jeito que Deus espera. Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida. 

 

 

Primeira Leitura - Is 52,7-10

Leitura do Livro do Profeta Isaías:

Como são belos, andando sobre os montes, os pés de quem anuncia e prega a paz, de quem anuncia o bem e prega a salvação, e diz a Sião: "Reina teu Deus!" Ouve-se a voz de teus vigias, eles levantam a voz, estão exultantes de alegria, sabem que verão com os próprios olhos o Senhor voltar a Sião. Alegrai-vos e exultai ao mesmo tempo, ó ruínas de Jerusalém, o Senhor consolou seu povo e resgatou Jerusalém.

O Senhor desnudou seu santo braço aos olhos de todas as nações; todos os confins da terra hão de ver a salvação que vem do nosso Deus.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

 

Salmo Responsorial - Sl 97

Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus.

 

Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios! Sua mão e seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória.

 

O Senhor fez conhecer a salvação, e às nações, sua justiça; recordou o seu amor sempre fiel pela casa de Israel.

 

Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai!

 

Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa e da cítara suave! Aclamai, com os clarins e as trombetas, ao Senhor, o nosso Rei!

 

 

 

Segunda Leitura - Hb 1,1-6

Leitura da Carta aos Hebreus:

Muitas vezes e de muitos modos falou Deus outrora aos nossos pais, pelos profetas; nestes dias, que são os últimos, ele nos falou por meio do Filho, a quem ele constituiu herdeiro de todas as coisas e pelo qual também ele criou o universo.

Este é o esplendor da glória do Pai, a expressão do seu ser. Ele sustenta o universo com o poder de sua palavra. Tendo feito a purificação dos pecados, ele sentou-se à direita da majestade divina, nas alturas. Ele foi colocado tanto acima dos anjos quanto o nome que ele herdou supera o nome deles.

De fato, a qual dos anjos Deus disse alguma vez: "Tu és o meu Filho, eu hoje te gerei?" Ou ainda: "Eu serei para ele um Pai e ele será para mim um Filho?"

Mas, quando faz entrar o Primogênito no mundo, Deus diz: "Todos os anjos devem adorá-lo!"

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

 

Evangelho - Jo 1,1-18

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por João:

No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. No princípio estava ela com Deus. Tudo foi feito por ela, e sem ela nada se fez de tudo que foi feito. Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la.

Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz: daquele que era a luz de verdade, que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano.

A Palavra estava no mundo — e o mundo foi feito por meio dela — mas o mundo não quis conhecê-la. Veio para o que era seu, e os seus não a acolheram. Mas, a todos que a receberam, deu-lhes capacidade de se tornarem filhos de Deus, isto é, aos que acreditam em seu nome, pois estes não nasceram do sangue nem da vontade da carne nem da vontade do varão, mas de Deus mesmo.

E a Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho unigênito, cheio de graça e de verdade. Dele João dá testemunho, clamando: "Este é aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim passou à minha frente, porque ele existia antes de mim".

De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. Pois por meio de Moisés foi dada a Lei, mas a graça e a verdade nos chegaram através de Jesus Cristo. A Deus, ninguém jamais viu. Mas o Unigênito de Deus, que está na intimidade do Pai, ele no-lo deu a conhecer.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

 

Reflexão

"O povo que andava nas trevas viu uma grande luz!" "E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la" (Is 9,2; Jo 1,5).

Assim ouvimos na liturgia destes dias. Temos uma dupla alegria, não estamos nas trevas e vimos a grande luz. Como não se alegrar por já termos sidos salvos e ainda podermos celebrar com todo o coração tamanha festa proporcionada por Deus Pai ao nos dar seu filho Redentor? Portanto, hoje é dia de felicidade para a Comunidade cristã, que celebra não um Deus distante, nas alturas, mas que se esvazia de si, assume a condição humana para nos ensinar a salvar a humanidade, a partir de sua própria condição.

O Natal nos lembra que Deus salva a humanidade não de fora de sua condição, mas a partir da própria carne e sangue. Talvez esteja aí a dificuldade em obter sucesso em nossa busca cotidiana de sermos homens e mulheres renovados, porque tendemos a trabalhar elementos externos, pois são visíveis; ao contrário, as transformações internas são muito mais dolorosas, pois exigem confronto com nossa humanidade e nem sempre estamos dispostos a isso. Entretanto, desse laborioso exercício de escuta de si que é possível acontecerem mudanças qualitativas. É necessário encarnarmos em nós mesmos para celebrar em nosso novo nascimento o Natal do Senhor. 

A celebração do Natal coloca para cada um de nós uma interrogação profunda: o que realmente estou celebrando? Em que aspectos este mistério que celebro toca, compromete e qualifica a minha vida cristã? Será que para mim é apenas uma tradição ou um evento social? Ou é algo divino que me leva a uma busca de novos horizontes de esperança e a me comprometer, dentro do tempo e do espaço que me foram concedidos, realizar minha obra de salvação?

Jesus nasceu num tempo e numa história e neles realizou o projeto do Pai. Portanto, o mistério da Encarnação é algo muito concreto e palpável ao ser contingente à história e, ao mesmo tempo, transcendental ao ser realidade teândrica, que se constitui num perene memorial da redenção em nosso meio.

Que este Natal seja diferente dos demais que celebramos, à medida que nos faz descer ao fundo de nossos porões e ali fazer brilhar a grande luz do Menino de Belém. Façamos de nossos corações hospedarias e manjedouras acolhedoras do amor de Deus, que nos visita, e traz a luz do dia sem fim.

Experimentando a luz do Verbo Encarnado, seremos testemunhas de sua luz neste mundo. E esta luz ninguém poderá apagar em nós e, através dela, poderemos andar sobre os montes, pregar a paz e anunciar a salvação a todos os povos (Is 51,7). Feliz Natal!

 

Pe. Rogério Gomes, C.Ss.R. 

Folheto litúrgico Deus Conosco -  Ed. Santuário (25/12/2020)

 

 

 

 

Preces da Comunidade

Com os mesmos olhos com que vemos a humanidade necessitada de salvação, olhemos para o Senhor, cujo amor foi semeado, feito carne, entre nós, e digamos confiantes:

- Senhor, fazei-nos acolhedores de vosso Reino!

 

1. Fazei de vossa Igreja e de vossos Ministros, testemunhas vivas da verdade de vosso Reino, nós vos pedimos, Senhor.

- Senhor, fazei-nos acolhedores de vosso Reino!

 

2. Abri nossos olhos e nosso coração à vossa presença entre nós e em nossos irmãos e irmãs mais necessitados, nós vos pedimos,
Senhor.

- Senhor, fazei-nos acolhedores de vosso Reino!

 

3. Ajudai-nos a superar os obstáculos que nos impedem de vivermos na fraternidade e reconciliados uns com os outros, nós vos pedimos, Senhor.

- Senhor, fazei-nos acolhedores de vosso Reino!

 

4. Despertai nossa consciência para os valores insubstituíveis da vida e para os sinais de vosso Reino em nosso tempo e em nossa história, nós vos pedimos, Senhor.

- Senhor, fazei-nos acolhedores de vosso Reino!

 

5. Outras intenções...

 

Senhor Deus, dai-nos a graça de descobrir vossa presença e de vosso Filho em nossos irmãos e irmãs, e vivermos em vossa paz. Por Cristo, vosso Filho e nosso Redentor.

- Amém.

 

 

 

Hoje é dia de Natal! Nasceu o Salvador. Não se trata de mera recordação, mas de acontecimento que se repete sempre que alguém promove o bem. Levar a vida a quem já perdeu a vontade de viver, levar o amor a quem não acredita mais em nada, levar a paz a quem está atormentado, tudo isto é repetir o nascimento de Jesus, que veio ao mundo para que todos tenham vida, e a tenham em abundância. Que todos vivam e celebrem o verdadeiro sentido do Natal. E que o Natal se repita no coração e vida de todos nós em cada dia do Ano Novo.

 

 

 

Liturgia da Palavra - Missa da Noite de Natal

 clique aqui

 

 

 

Saiba mais

Reitor  

Liturgia Dominical  

  Liturgia Diária  

Horários da Basílica  

Carmelitas em Campinas  

Imagens e Idolatria  

Links  
  AVISOS  
Escapulário

Origem  

Espiritualidade

 

 

 

 

 

 

Google

 

 

 

 

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil