Basílica
 Dados Gerais do Carmo
 Basílica Tombada
 Significado Histórico
 Pobre Matriz Rica
 Basílica na História
 Outras Informações
 Livro da Basílica
 Pinturas
 Iconografia
 Órgão Tamburini
 Coral Vozes do Carmo
 Horários de Missas
 Horários de Confissões
Paróquia
 Histórico
 Párocos
 Pastorais
 Atividades
 Calendário Anual
 Horários
 Batizados
 Casamentos
 Escola Paroquial
 Capela N.Sra.Boa Morte
 Templo Votivo
 
N. Sra. do Carmo
 Festa: 16 de Julho
 Devoção e História
 Novena
 Cânticos
 Oração
 Reza do Terço

 

 

 

 

 

 

 Recomende este site

 

 

 

 
 

25 de dezembro

Natal de Nosso Senhor

Jesus Cristo

Missa do Dia

 

 

"A Palavra habitou entre nós!"

O Senhor armou sua tenda entre nós para que tivéssemos acesso à vida e à salvação, e alcançássemos a dignidade filial. Em Cristo realizaram-se todas as promessas feitas pelo Pai. Contemplando o Cristo, contemplamos o Pai, pois nele resplandece a glória divina. Ele se fez humano para que nós nos tornássemos divinos. Deixemos, pois, que o Senhor habite em nossa existência, dissipe as trevas de nosso coração e nos ajude a viver como Ele viveu. 

 

 

 

Liturgia da Palavra

 

Deus nos fala

O amor não se amedronta e rompe as barreiras. Sua luz dissipa as trevas e nos traz a liberdade e a paz. O Senhor nos envolveu em seu amor, veio viver nossa existência, para que nossa existência seja vivida no Senhor. Feliz quem escuta sua Palavra e segue sua verdade. Eis o ensinamento de sua Palavra.

 

 

Primeira Leitura - Is 52,7-10

Leitura do Livro do Profeta Isaías:

Como são belos, andando sobre os montes, os pés de quem anuncia e prega a paz, de quem anuncia o bem e prega a salvação, e diz a Sião: "Reina teu Deus!" Ouve-se a voz de teus vigias, eles levantam a voz, estão exultantes de alegria, sabem que verão com os próprios olhos o Senhor voltar a Sião. Alegrai-vos e exultai ao mesmo tempo, ó ruínas de Jerusalém, o Senhor consolou seu povo e resgatou Jerusalém.

O Senhor desnudou seu santo braço aos olhos de todas as nações; todos os confins da terra hão de ver a salvação que vem do nosso Deus.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

 

Salmo Responsorial - Sl 97

Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus.

 

Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios! Sua mão e seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória.

 

O Senhor fez conhecer a salvação, e às nações, sua justiça; recordou o seu amor sempre fiel pela casa de Israel.

 

Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai!

 

Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa e da cítara suave! Aclamai, com os clarins e as trombetas, ao Senhor, o nosso Rei!

 

 

 

Segunda Leitura - Hb 1,1-6

Leitura da Carta aos Hebreus:

Muitas vezes e de muitos modos falou Deus outrora aos nossos pais, pelos profetas; nestes dias, que são os últimos, ele nos falou por meio do Filho, a quem ele constituiu herdeiro de todas as coisas e pelo qual também ele criou o universo.

Este é o esplendor da glória do Pai, a expressão do seu ser. Ele sustenta o universo com o poder de sua palavra. Tendo feito a purificação dos pecados, ele sentou-se à direita da majestade divina, nas alturas. Ele foi colocado tanto acima dos anjos quanto o nome que ele herdou supera o nome deles.

De fato, a qual dos anjos Deus disse alguma vez: "Tu és o meu Filho, eu hoje te gerei?" Ou ainda: "Eu serei para ele um Pai e ele será para mim um Filho?"

Mas, quando faz entrar o Primogênito no mundo, Deus diz: "Todos os anjos devem adorá-lo!"

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

 

Evangelho - Jo 1,1-18

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por João:

No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. No princípio estava ela com Deus. Tudo foi feito por ela, e sem ela nada se fez de tudo que foi feito.

Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la.

Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz: daquele que era a luz de verdade, que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano.

A Palavra estava no mundo — e o mundo foi feito por meio dela — mas o mundo não quis conhecê-la. Veio para o que era seu, e os seus não a acolheram. Mas, a todos que a receberam, deu-lhes capacidade de se tornarem filhos de Deus, isto é, aos que acreditam em seu nome, pois estes não nasceram do sangue nem da vontade da carne nem da vontade do varão, mas de Deus mesmo.

E a Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho unigênito, cheio de graça e de verdade. Dele João dá testemunho, clamando: "Este é aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim passou à minha frente, porque ele existia antes de mim". De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. Pois por meio de Moisés foi dada a Lei, mas a graça e a verdade nos chegaram através de Jesus Cristo.

A Deus, ninguém jamais viu. Mas o Unigênito de Deus, que está na intimidade do Pai, ele no-lo deu a conhecer.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

 

Reflexão

Emanuel, Deus conosco

As leituras desta Missa do Dia parecem querer responder em profundidade a pergunta: Quem é afinal o Salvador que nos foi dado? É o Filho, pelo qual Deus criou o universo, e ao qual todos os anjos adoram, diz a 2ª leitura. E São João, no prólogo do seu Evangelho, nos transporta ao seio da Trindade, ensinando-nos que Ele é o Verbo que desde toda a eternidade estava junto de Deus, era Deus, luz que ilumina toda criatura.

São Paulo comenta: "Sendo de natureza divina, aniquilou-se a si mesmo tomando a forma de servo, tornando-se igual aos homens" (Fl 2,6s). O Emanuel, Deus Conosco, vem a nós na história e se revela para comunicar-se, para que os homens tenham acesso ao Pai e se tornem participantes da natureza divina (DV 2).

Somos filhos no Filho

Veio morar entre nós e aos que creem no seu nome deu o poder de se tornarem filhos de Deus, isto é, de renascer para uma vida nova. Não foi somente a sua Palavra que Deus nos deu; Ele nos deu também sua vida, pois nos fez seus filhos. Nele também nós fomos escolhidos para sermos filhos adotivos (Rm 8,15).

As palavras "Tu és meu Filho, hoje te gerei", Deus as dirige a seu Filho Unigênito, Jesus, o qual, porém, não está sozinho, mas é o primogênito entre muitos irmãos (Rm 8,29). Portanto, é também a cada um de nós que o Pai dirige essas palavras. Por isso, São João exclama admirado: "Que grande amor nos deu o Pai, para sermos chamados filhos de Deus e o somos realmente!" (1Jo 3,1).

Rosto humano de Deus, rosto divino do homem

É esta a graça que devemos pedir neste tempo de Natal: conhecer mais profundamente o mistério de Cristo para conhecer melhor a identidade profunda do homem. São Paulo nos diz: "O Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai glorioso, vos dê um saber e uma revelação interior com profundo conhecimento dele. Possa ele iluminar os olhos de vossas mentes, para que compreendais a qual esperança sois chamados, qual tesouro é a gloriosa herança destinada a seus santos" (Ef 1,17s).

Viver um tal projeto de vida significa realizar nossa mais autêntica humanidade, pois "quem segue a Cristo, homem perfeito, torna-se também mais homem" (GS 41).

Quem procura sinceramente a Deus, não precisa inventar nem especular nada: está ali naquele rosto de hebreu, que é Jesus de Nazaré. Mas olhando aquele rosto divino descobrimos também os traços divinos que existem em cada um de nós.

Se buscamos o rosto verdadeiro do homem, não se acha senão nele, homem-Deus plenamente realizado, e, portanto, verdade plena do homem. Na realidade, somente no mistério do Verbo encarnado encontra verdadeira luz o mistério do homem (GS 22). Natal, como se vê, é, de fato, a festa do homem quando é vivido como festa de Deus.

 

Pe. José Raimundo Vidigal, C.Ss.R. 

Folheto litúrgico Deus Conosco -  Ed. Santuário (25/12/2018)

 

 

 

 

Oração da Comunidade

O céu aproximou-se da terra com o nascimento de Cristo. Elevemos, pois, ao Pai de amor nossos louvores, pois Ele se verga sobre nós com sua misericórdia, rezando confiantes:

- Nós vos louvamos, ó Deus da Vida!

 

1. Por toda a Igreja, sacramento do Reino, que anuncia a verdade de Cristo e se põe em defesa da vida e da dignidade de toda criatura humana, nós dizemos ao Pai:

- Nós vos louvamos, ó Deus da Vida!

 

2. Por todas as Comunidades cristãs que se empenham na escuta do Evangelho e se preocupam com a prática da caridade, do bem e da justiça, nós dizemos ao Pai:

- Nós vos louvamos, ó Deus da Vida!

 

3. Por todos os Ministros da Igreja, que se dedicam generosamente em favor do povo do Senhor, sendo humildes e sinais de esperança, misericordiosos e ardorosos na missão, nós dizemos ao Pai:

- Nós vos louvamos, ó Deus da Vida!

 

4. Por todos que adentram os palácios do mundo, e neles proclamam o direito à vida e à justiça, à solidariedade e à paz, nós dizemos ao Pai:

- Nós vos louvamos, ó Deus da Vida!

 

5. Outras intenções...

 

Senhor, nosso Deus, nossa gratidão sem cessar a vós que nos destes vosso único Filho, e concedei-nos a graça de vos servir nos pobres e nos sofredores. Por Cristo, nosso Senhor.

- Amém.

 

 

 

Hoje é dia de Natal! Nasceu o Salvador. Não se trata de mera recordação, mas de acontecimento que se repete sempre que alguém promove o bem. Levar a vida a quem já perdeu a vontade de viver, levar o amor a quem não acredita mais em nada, levar a paz a quem está atormentado, tudo isto é repetir o nascimento de Jesus, que veio ao mundo para que todos tenham vida, e a tenham em abundância. Que todos vivam e celebrem o verdadeiro sentido do Natal. E que o Natal se repita no coração e vida de todos nós em cada dia do Ano Novo.

 

 

 

Liturgia da Palavra - Missa da Noite de Natal

 clique aqui

 

 

 

Saiba mais

Pároco Atual  

Liturgia Dominical  

  Liturgia Diária  

Horários da Basílica  

Carmelitas em Campinas  

Imagens e Idolatria  

Links  
  AVISOS  
Escapulário

Origem  

Espiritualidade

 

 

 

 

 

 

Google

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil