Basílica
 Dados Gerais do Carmo
 Basílica Tombada
 Significado Histórico
 Pobre Matriz Rica
 Basílica na História
 Outras Informações
 Livro da Basílica
 Pinturas
 Iconografia
 Órgão Tamburini
 Coral Vozes do Carmo
 Horários de Missas
 Horários de Confissões
Paróquia
 Histórico
 Párocos
 Pastorais
 Atividades
 Calendário Anual
 Horários
 Batizados
 Casamentos
 Escola Paroquial
 Capela N.Sra.Boa Morte
 Templo Votivo
 
N. Sra. do Carmo
 Festa: 16 de Julho
 Devoção e História
 Novena
 Cânticos
 Oração
 Reza do Terço

 

 

 

 

 

 Recomende este site

 

 

 
 

Escapulário do Carmo:

a força do fraco

 

 

Sinal de um estilo de vida

De agora em diante, todos me chamarão bem-aventurada (Lc 1,48)

 

O escapulário do Carmo é uma das muitas devoções com que o povo cristão demonstra carinho para com Nossa Senhora, a Mãe de Jesus.  Você conhece muitas dessas devoções: o rosário ou o terço, a medalha milagrosa, Nossa Senhora das Dores, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Nossa Senhora Aparecida. E quem vai poder contar todos os nomes e santuários com que o povo louva a Virgem Maria?

 

Acho estas devoções importantes para despertar sentimentos de piedade, de presença de Maria, de amor para com as coisas de Deus. Você pendura na parede o quadro de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Você traz o terço na bolsa ou o deixa na cabeceira da cama. Você vai ao santuário de Nossa Senhora Aparecida.

 

Mas a devoção a Nossa Senhora pelo escapulário do Carmo tem algo mais:

você está vestido com ele;

você o traz sempre consigo;

ele faz parte de você.

É como a roupa, que modifica a aparência e mostra um pouco o que a pessoa é. Pela roupa você percebe se alguém é asseado, cuidadoso, educado.

 

Pois bem, vestido com o escapulário, você assume a aparência de pessoa ligada a Nossa Senhora. Você já não é qualquer um, não pode fazer o que der na telha. Tem de mostrar que acredita na Virgem Maria e no seu poder junto de Deus. Deve portar-se com a dignidade e o decoro de filho de Nossa Senhora, de irmão de Jesus.

 

O escapulário é devoção comprometedora. Compromete a gente a seguir os passos de Maria de Nazaré, em atitude de serviço a Cristo e de busca da confraternização entre as pessoas. Era com esse espírito que os primeiros devotos de Nossa Senhora do Carmo usavam o escapulário. A Ordem dos Irmãos da bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo viu no escapulário o sinal do estilo de vida que se propunha "viver a serviço de Jesus Cristo, a exemplo da Virgem Maria".

 

Há quem chame o escapulário de "bentinho". É a mesma coisa. Em geral, na parte da frente é estampada a imagem de Nossa Senhora do Carmo.

 

 

Uma devoção que não envelhece

- Senhor, seguir-te-ei, mas permite-me, primeiro, que eu me despeça dos que estão em casa.

Respondeu Jesus:

- Aquele que põe a mão no arado e olha para trás, não é apto para o Reino de Deus (Lc 9,62).

 

Você talvez pergunte:

  • Por que renovar uma devoção tão antiga, quando todo mundo está voltada para as novidades?

  • Quem vai interessar-se por uma devoção da Idade Média, no momento em que a Igreja está preocupada com a transformação do mundo de hoje?

São perguntas importantes. Ajudam a refletir sobre o verdadeiro sentido do escapulário, sobre sua contribuição para a conversão pessoal e criação de um mundo mais conforme os planos de Deus.

 

Será verdade que uma devoção, por ser antiga, perde a atualidade e o interesse? Será verdade que o escapulário não compromete o devoto com a transformação do mundo de hoje, na linha do Evangelho?

 

Respondo: Não é verdade! E explico por quê. O Escapulário, nas suas diferentes formas e tamanhos, é um sinal. Você sabe que a importância do sinal está naquilo que ele representa. Pois bem, o escapulário do Carmo representa um relacionamento todo especial do devoto com Nossa Senhora, a Mãe de Jesus.

 

Quem se consagra a Maria pelo escapulário assume um compromisso: viver do jeito que ela viveu. Deve estar sempre pronto a escutar toda palavra que sai da boca de Deus. Deve estar sempre disposto a dizer como ela: "Faça-se em mim segundo a tua Palavra".

 

Se você é cristão consciente de sua vocação, já percebeu a importância da devoção do escapulário ontem, hoje e sempre. Estou falando do significado que ele tem. O sinal, pedacinho de pano pendurado ao pescoço, não tem valor em si mesmo. Mas Nossa Senhora acolhe com a maior ternura essas coisinhas insignificantes da vida, quando descobre atrás delas sincero amor filial.

 

Guarde bem estas palavras: o escapulário do Carmo compromete o devoto a viver do jeito de Maria. Desde já, tenhamos como certo que não é inútil renovar essa devoção tão cara ao povo de Deus. Ela nos ajudará a ser mais sensatos diante do espírito de novidades, que tem levado tanta gente a uma vida superficial. E, tomada no seu verdadeiro sentido, não nos deixará amarrados ao passado. Não permitirá que repitamos a atitude daqueles que põem a mão no arado e olham para trás. Na sua simplicidade humilde, será apoio imenso na tarefa de construir o Reino de Deus.

 

 

À procura de milagres

Esta geração é uma geração perversa. Pede um sinal. Mas não lhe será dado nenhum sinal a não ser o sinal de Jonas. Como Jonas foi um sinal para os habitantes de Nínive, assim o Filho do Homem será um sinal para esta geração (Lc 11,29-30).

 

A renovação da devoção do escapulário convida a examinar com atenção uma realidade. Há livrinhos por aí, contando de milagres supostamente acontecidos a devotos.

 

Você já não ouviu falar de alguém que escapou do perigo da morte só por ter o escapulário pendurado ao pescoço? De quem recebeu tiro de revólver à queima-roupa, mas a bala ficou grudada no escapulário? Do enfermo grave que pulou da cama logo que o padre colocou o escapulário no seu pescoço?

 

Daria para escrever livros e mais livros com casos de milagres do escapulário. Acredito na boa intenção daqueles que divulgam estas histórias e procuram aumentar o número dos devotos de Nossa Senhora do Carmo. Mas não é esta a devoção que quero anunciar aqui. Vou colocar as coisas no devido lugar.

 

Não nego a existência de milagres como sinais da intervenção extraordinária de Deus no desenrolar dos acontecimentos. Deus é o dono de tudo e para Ele não existe lei.

 

Creio no poder imenso da intercessão de Nossa Senhora, a ponto de levar o Filho a alterar planos. Não se pode, porém, ignorar alguns problemas:

  • O que é, realmente, milagroso?

  • Como indicar a intervenção extraordinária de Deus?

Perguntas difíceis de responder! É por isso que a Igreja põe o pé atrás quando ouve falar de aparições e curas milagrosas. Só depois de muita oração e muito estudo é que ela se pronuncia, e sempre com extrema cautela.

 

Quanta coisa a gente não sabia explicar nem fazer e exclamava: Milagre! Hoje, com o progresso da ciência e da técnica, tem-se a explicação. Além do mais, você já imaginou como estamos sujeitos a cair na ilusão? Pensamos ser milagre e, depois, descobrimos que é um engano. Você vai ficar espantado com o que vou dizer agora. Mas é a minha convicção.

 

O que é realmente milagroso, o que é prodigioso na vida, a gente nem percebe nem dá importância. Sabe o que é? É aquilo que desperta o sentir Deus em nós e nos outros, e o gostar dele.

 

Quão maravilhoso é dominar o próprio egoísmo e colocar-se generosamente a serviço dos outros! Quão extraordinário é manter esperança e coragem na peleja da vida, apesar das nossas fraquezas e dos problemas gigantescos! Quão fantástico é acreditar e lutar pelo triunfo da justiça e da fraternidade numa sociedade com forças e poderes organizados para impedir o que é justo!

 

É tudo milagre: não pode acontecer sem a intervenção de Deus Pai, que revela poder na nossa fraqueza. Nesse sentido, acredito eu, o escapulário do Carmo - lembrança da Virgem Maria, do que ela viveu, do que ela fez por nós - é milagroso. Quem o veste consciente e piedosamente, faz acontecer o milagre da fé, da conversão interior, da simplicidade humilde em face de Deus, da atitude de acolhimento diante dos irmãos.

 

O escapulário, na medida em que é apreciado como consagração a Nossa Senhora, vai nos amarrando, cada vez mais, a Deus e à sua vontade. Realiza, assim, o maior de todos os milagres: manter a gente em união com Deus durante a vida, na hora da morte, para todo o sempre.

 

 

O que mudou na devoção

Todo homem sensato, que se torna cidadão do Reino do Céu, é como um pai de família que tira do seu depósito coisas novas e coisas velhas (Mt 13,52).

 

Quando você e eu olhamos a maneira como tem sido divulgada a devoção do escapulário até bem recentemente, não podemos evitar certo assombro. O fato é notório: tem sido apresentada como espécie de "contrato de seguro".

 

Nossa Senhora se obriga a garantir proteção nos perigos da vida, na hora da morte e no destino eterno, se o devoto cumprir certas formalidades: trazer sempre o escapulário; fazer algumas práticas religiosas (como a recitação de sete pai-nossos, sete ave-marias e sete glórias-ao-pai); abster-se de carne nas quartas-feiras e sábados; guardar a castidade segundo o estado de vida. E pronto! O devoto pode ir em frente "seguro" da assistência infalível de Nossa Senhora, mesmo sem levar a sério a conversão de vida...

 

Este tipo de devoção tem sido incentivado com numerosas narrativas de prodígios que sensibilizam as consciências simples. Por isso, muitas pessoas, em vez de viver do jeito de Nossa Senhora, são levadas a buscar uma proteção extraordinária.

 

Não podemos ficar satisfeitos com uma devoção assim. A sede de autenticidade não se sacia com formalidades nem com ritos meramente exteriores.

 

Cremos num Deus que não se deixa seduzir por longas e repetidas orações nem por gestos mecânicos. Ele não se amarra a nossos ritos nem ao nosso jeito de fazer as coisas. SEu olhar penetra bem fundo no coração. Ele procura nossa fé confiante, nossa disponibilidade, nossa vontade de mudar de vida para conquistarmos sua amizade e ficarmos parecidos com ele.

 

Que mudanças, então, aconteceram na devoção do escapulário do Carmo?

Aconteceram mudanças simples, mas profundas:

  • Mudou a maneira de valorizar as formalidades e os ritos: importa mais o espírito com que são feitos.

  • Mudou a nossa consciência: reprovamos  toda exterioridade que não demonstra uma conversão interior.

  • Mudou nossa atitude: já não nos contentamos com uma devoção que resolva, apenas, o nosso caso pessoal com Deus. Sentimo-nos comprometidos com tudo que acontece a nossos irmãos.

Na devoção do escapulário, o que permanece através de todas as mudanças é o seguinte: um sinal da presença salvadora de Deus. Nosso Pai toma em mãos o que é frágil e desprezível a nossos olhos, para mostrar a grandeza de seu poder que liberta e une a Ele.

 

Ao proclamar esta devoção a Nossa Senhora, deixemos de lado a preocupação com prodígios e com a meticulosa observância de rituais exteriores. Nossa confiança está na bondade de Deus que mostra o rosto de Pai nas coisas pequeninas ao nosso alcance.

 

 

Um símbolo de serviço

Os que se dizem governadores mandam no povo, e são os líderes que dominam. Mas entre vocês não será assim. Ao contrário, quem quiser ser importante sirva aos outros. E quem quiser ser o primeiro, seja escravo de todos. Porque até o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para a salvação de muitos (Mc 10,42-45).

 

Quando, hoje, se observa o pequenino escapulário, que some por debaixo da indumentária, nem se imagina que é miniatura de uma peça de roupa, muito semelhante a um avental ou a uma bata.

 

Você vê uma dona-de-casa, uma enfermeira, um médico, uma professora ou um mecânico usando um avental ou uma bata. Logo vem à mente: "É gente que está trabalhando, fazendo algum serviço".

 

O mesmo acontecia com o escapulário antigamente: os que o usavam, estavam de serviço no campo, na horta, nos afazeres de casa. Como a bata, envolvia a roupa na frente e atrás. Ajudava a conservá-la limpa. Era muito usado pelos frades.

 

Com o tempo, o escapulário passou a fazer parte da roupa e a servir de distintivo de algumas ordens religiosas. NO tempo em que os religiosos usavam hábito, você facilmente identificava um carmelita, um dominicano ou um beneditino. Bastava olhar para a cor do hábito e, sobretudo, para ao Escapulário por cima.

 

O que interessa, agora, é saber que o escapulário é o sinal de alguém que está trabalhando, que está a serviço. E que quer manter-se limpo.

 

Você talvez ainda argumente: Faz sentido relembrar estas coisas nos dias de hoje? Ninguém pensa em estar a serviço. Busca-se é estar atento para não ser dominado e explorado pela ambição dos mais fortes. É certo que se ouve falar muito de serviços. Mas se trata de serviços que se vendem por um salário, como se fossem mercadoria. Serviço gratuito mesmo, quem ousa fazer?

 

É exatamente aqui que está a importância do escapulário de Nossa Senhora do Carmo. Ele relembra uma coisa esquecida de muitos: a atitude de serviço fraterno recomendada por Jesus de Nazaré.

 

Os carmelitas, de modo diferente de outras ordens religiosas, viram no escapulário um desígnio especial da Providência divina: convite para estar a serviço do Reino de Deus, sem esperar recompensa. Com este comportamento é que você fica parecido  com o divino Mestre, Jesus de Nazaré, que veio para servir e não para ser servido.

 

É neste sentido que a devoção do escapulário tem um valor profundamente humano e cristão. É nisso que revela atualidade. Quem traz o escapulário, está assumindo o empenho de estar sempre a serviço fraterno e gratuito, a exemplo de Jesus e de sua Mãe, a Virgem Maria.

 

Todo mundo sabe que, na nossa civilização, não dá para viver só de trabalho gratuito. É pelo trabalho remunerado que a maioria ganha o pão de cada dia. O escapulário do Carmo relembra que este tipo de serviço remunerado não basta para humanizar o mundo: a beleza da vida humana está na multiplicação dos gestos de serviço gratuito.

 

 

Frei José Fragoso Filho, O. Carm.

 

 

 

 

Início

 

Saiba mais

Pároco Atual  

Liturgia Dominical  

  Liturgia Diária  

Horários da Basílica  

Carmelitas em Campinas  

Imagens e Idolatria  

Links  
  AVISOS  
Escapulário

Origem  

Espiritualidade

 

 

 

 

 

 

Google

 

 

 

 

 

 

 

 
© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil