Basílica
 Dados Gerais do Carmo
 Basílica Tombada
 Significado Histórico
 Pobre Matriz Rica
 Basílica na História
 Outras Informações
 Livro da Basílica
 Pinturas
 Iconografia
 Órgão Tamburini
 Coral Vozes do Carmo
 Horários de Missas
 Horários de Confissões
Paróquia
 Histórico
 Párocos
 Pastorais
 Atividades
 Calendário Anual
 Horários
 Batizados
 Casamentos
 Escola Paroquial
 Capela N.Sra.Boa Morte
 Templo Votivo
 
N. Sra. do Carmo
 Festa: 16 de Julho
 Devoção e História
 Novena
 Cânticos
 Oração
 Reza do Terço

 

 

 

 

 

 Recomende este site

 

 

 
 

Como usar o Escapulário

 

 

1. O Escapulário deve ser bento por um sacerdote.


2. Trazê-lo dia e noite; estragado, trocá-lo por outro novo.


3. Rezar todos os dias a Oração à Nossa Senhora do Carmo.


4. Dizer sim a Deus, como Maria. Levar vida de oração e participação na Igreja.


5. Frequentar os sacramentos, dedicar diariamente um tempo para a oração e a leitura da Bíblia.


6. Dizer sim aos irmãos, como Maria. Estar atento às necessidades do próximo, pronto para socorrê-lo na caridade e na fraternidade.

 

 

 

O que fazer com o escapulário velho e estragado?

Ao trocar o seu escapulário por um novo, faça com o velho e estragado

o mesmo que você faria com imagens bentas quebradas. Mas o que fazer com as imagens bentas e quebradas?

 

Há pessoas muito respeitosas e outras inseguras na doutrina que não sabem como se desfazer de imagens bentas, estragadas, deterioradas. Será verdade que jogá-las no lixo pode fazer algum mal? Isto é superstição. Também é superstição o costume de livrar-se delas colocando-as junto a cruzeiros, cemitérios ou mesmo oratórios de estrada.

 

Objetos abençoados não têm em si algo de divino. Não valem por si, mas pelo que significam. Como símbolos religiosos merecem respeito e veneração. Símbolos são um recurso da comunicação humana em todas as culturas. A dimensão simbólica é uma propriedade entre o racional e o biológico ou a pura sensibilidade. Usamos esta linguagem no dia a dia e não só as palavras e gestos. Ora, todas as religiões se expressam através de objetos simbólicos, mesmo aquelas contrárias ao uso das imagens.

 

O culto cristão das imagens enquanto bíblico entra no universo simbólico religioso. Vem do mistério da pessoa humana. O livro do Gênesis é enfático ao afirmar que Deus fez homem e mulher à sua imagem e semelhança (Gn 1,26-27). Os dois não são iguais a Deus, mas têm algo de divino e de certa forma o retratam. São Paulo diz que Jesus é a "imagem do Deus invisível, é o primogênito de toda criatura" (Cl 1,15). Os cristãos refletem como num espelho a glória do Senhor e vão se transformando na sua imagem (2Cor 3,18).

 

Deus não pode ser objetivado, mas é a sua imagem que amamos nos outros. Ela nunca pode ser quebrada, deteriorada e jogada fora. Em nós e nos outros. Nenhuma sociedade, cultura ou legislação pode desprezar a pessoa humana, ofender a sua dignidade por meio de injustiças e corrupção moral.

 

No culto cristão a veneração a Maria e aos santos nos leva ao mistério pascal de Cristo. É a força redentora de sua graça que age nos santos. "A iconografia cristã transcreve pela imagem a mensagem evangélica que a Sagrada Escritura transmite pela Palavra. Imagem e Palavra iluminam-se mutuamente (CIC n.60). Mas, é culto idolátrico acreditar mais na imagem que imitar o santo ou santa. Da mesma forma atribuir bênção, poder espiritual ou valor religioso ao símbolo avariado desvirtua a veneração e não glorifica a Deus.

 

Imagens abençoadas são dignas de estima e conservação zelosa porque inspiram a fé e a confiança na Graça de Deus dada a nós por Jesus. Uma vez quebradas, estragadas, danificadas são indignas de honra e veneração. Não representam mais nem simbolizam nenhuma intermediação com o sagrado. Acabar de quebrá-las (ou destruir objetos sacros estragados) é a maneira respeitosa de se desfazer delas e deles. O próprio respeito ao uso espiritual, à sua linguagem simbólica, pede destruição total, se possível enterrando, queimando ou colocando no lixo em pedaços bem pequenos.

 

Portanto, imagens bentas, escapulários ou quaisquer outros objetos abençoados não precisam ser deixados em cemitérios, cruzeiros ou oratórios, quando quebrarem ou ficarem danificados. Venerar os santos não pode sequer parecer mais importante que a salvação em Cristo.

 

Pe. Antônio Clayton Sant'Anna, C.SS.R.

(in: Revista de Aparecida, junho/2010, p.10)

 

 

 

Escapulário pode também ser feito de ouro, prata ou qualquer outro material que não o tecido marrom?

Sim. Lembre-se de que objetos abençoados não têm em si algo de divino. Não valem por si, mas pelo que significam. Seja o seu escapulário de pano, plástico, metal ou qualquer outro tipo de material, o mais importante é você saber usá-lo.

         

     

 

 

 

Início

 

Saiba mais

Pároco Atual  

Liturgia Dominical  

  Liturgia Diária  

Horários da Basílica  

Carmelitas em Campinas  

Imagens e Idolatria  

Links  
  AVISOS  
Escapulário

Origem  

Espiritualidade

 

 

 

 

 

 

Google

 

 

 

 

 

 

 

 
© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil