Basílica
 Dados Gerais do Carmo
 Basílica Tombada
 Significado Histórico
 Pobre Matriz Rica
 Basílica na História
 Outras Informações
 Livro da Basílica
 Pinturas
 Iconografia
 Órgão Tamburini
 Coral Vozes do Carmo
 Horários de Missas
 Horários de Confissões
Paróquia
 Histórico
 Párocos
 Pastorais
 Atividades
 Calendário Anual
 Horários
 Batizados
 Casamentos
 Escola Paroquial
 Capela N.Sra.Boa Morte
 Templo Votivo
 
N. Sra. do Carmo
 Festa: 16 de Julho
 Devoção e História
 Novena
 Cânticos
 Oração
 Reza do Terço

 

 

 

 

 

 Recomende este site

 

 

 
 

Entrevista sobre o Ano Sacerdotal

concedida pelo Côn. Pedro Carlos Cipolini

 

 

1) O que é o Ano Sacerdotal decretado pelo papa Bento XVI? Qual o objetivo?

O Ano Sacerdotal é um período que vai do dia 19/06/2009 a 19/06/2010. O papa Bento XVI quis, assim, comemorar os 150 anos da morte do padroeiro dos párocos, São João Batista Maria Vianney, conhecido como Cura D’Ars, que viveu na França entre 1786 e 1859. Foi pároco exemplar destacando-se por seu zelo pastoral e santidade de vida. O objetivo do Ano Sacerdotal, em relação aos padres é fomentar o empenho de renovação interior de todos os sacerdotes, para um testemunho evangélico vigoroso. Em relação aos demais fiéis, é provocar reflexão sobre o papel e a importância da missão do sacerdote na Igreja e no mundo contemporâneo.

 

2) Qual a importância do sacerdote na Igreja e na Sociedade?

A importância do sacerdote na Igreja é considerável. É uma função eclesial relacionada à paternidade, por isso a palavra padre=pai, para designar o sacerdote. É homem da Palavra e da Oração, da Eucaristia: homem de Deus. Na Igreja o sacerdote, colaborador do Bispo, exerce a função do pastor, aquele que cuida, nutre e serve, a exemplo de Jesus Cristo que “amou a Igreja e se entregou por ela” (Ef 5, 25). Na nossa sociedade o padre tem, por vários fatores, inclusive históricos, um papel relevante. Aqui mesmo em Campinas quantas iniciativas construtivas para a vida do povo não foram tomadas e levadas avante por sacerdotes? Basta pensar na Santa Casa fundada pelo Pe. Vieira, a PUC por Mons. Salim e Dom Barreto. Nossa cidade tem inúmeros logradouros e estabelecimentos públicos que sinalizam com nome de sacerdotes a importância que tiveram na sociedade.

 

3) Como os fiéis devem se posicionar?

Acolhendo os sacerdotes e procurando aceitá-los na fé, apesar dos seus limites, pois não são super-homens. O sacerdote é de uma grandiosidade ímpar: “É expressão do amor do coração de Jesus”, no dizer do Cura D’Ars. Mas é humano! Por isso a postura dos fiéis deve ser de colaborar com os padres. Mesmo quando esta colaboração deva ser na forma de correção fraterna. Alguns padres têm falhas que chamam atenção, geram desaprovação, mas são exceções. Uma árvore ou outra que tomba na floresta faz muito barulho, mas a maioria absoluta das outras árvores, continuam em silêncio, crescendo e purificando o ar com seu trabalho. É o que acontece com os sacerdotes.

 

4) Escolher um padre para rezar pela sua santificação?

É uma pratica salutar, muitos fiéis já a adotam. O sacerdote reza pela comunidade e para a comunidade e a comunidade deve rezar por seus sacerdotes. O pároco é a vocação sacerdotal confiada à comunidade para que ela a cultive e alimente sempre, com suas preces, acolhida e seu amor. Devemos rezar, sobretudo, para que os padres permaneçam fiéis  à própria vocação até o fim, com paciência e coragem, não buscando tanto resultados, mas  sendo testemunhas do amor misericordioso de Deus.

 

5) Como se dá o chamado de Deus para o jovem ser sacerdote?

Está aí um mistério. Lendo os relatos bíblicos das vocações dos profetas e outros escolhidos por Deus, percebemos que a escolha é de Deus, Ele é quem toma a iniciativa. Jesus deixa claro, “fui eu que vos escolhi” (Jo 15,16). Por que Ele escolhe um e não outro? São segredos que pertencem à misericórdia de Deus. Agora, ao chamado corresponde a resposta, e aí entra a generosidade de cada um. Aquele que responder sim deverá assumir seu sim com alegria, fidelidade, paciência. A resposta positiva de um jovem ao chamado de Deus também é um mistério que pertence à ação da graça. Graça que anima o jovem a assumir a vida apostólica pública, na qual ele ao mesmo tempo que é tirado do meio dos outros, pela escolha de Deus, é “atirado” no meio dos irmãos para  amar e servir como pastor até o fim de sua vida.

 

6) Sente-se feliz como sacerdote?

Sim, penso que Deus confirmou minha vocação (já são trinta anos de sacerdócio), fazendo-me cada dia mais feliz e sereno no cumprimento de minhas obrigações como sacerdote. Sinto que não me enganei, sei em quem acreditei. Apesar de minhas limitações, cada dia renovo meu sim ao chamado e recomeço com os olhos postos em Deus e no seu povo a quem devo servir. Tudo que a Igreja me solicitou e solicita, procuro realizar da melhor maneira possível, entendendo que ser padre é um ministério eclesial. Peço a cada dia as luzes do Espírito Santo para poder discernir sempre qual a vontade de Deus para mim e, assim, poder realizar-me sempre mais em minha vocação ao cumpri-la. Tudo que fiz e faço como padre não o faço em meu nome, procuro fazer em nome de Jesus, porque Ele pede e manda.

 

 

 

Início

 

Saiba mais

Pároco Atual  

Liturgia Dominical  

  Liturgia Diária  

Horários da Basílica  

Carmelitas em Campinas  

Imagens e Idolatria  

Links  
  AVISOS  
Escapulário

Origem  

Espiritualidade

 

 

 

 

 

 

Google

 

 

 

 

 

 

 

 
© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil