11/11/2018

Ano do Laicato: "Sal da terra e Luz do mundo" (Mt 5,13-14)

32º Domingo do Tempo Comum

"Ele faz justiça aos pobres!"

 

 

Deus vê o coração das pessoas. Usar disfarces de santidade não adianta. Querer enganar a Deus é enganar-se a si mesmo. Os pobres e humildes serão sempre seus preferidos, aos quais Ele dedica muito amor e proteção. Ainda que, aparentemente, o poder e prestígios humanos sejam vencedores, serão redimidos em Cristo os que trouxerem dentro de si o desejo de realização do Reino de Deus. Que nossa celebração nos inspire na transparência diante do Senhor.  

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

A pobreza da viúva de Sarepta comove o coração de Jesus, que a elogia em sua oferta. Deus age assim, na contramão do mundo, e escolhe defender os que são oprimidos. Em Jesus fica claro o projeto de Deus em favor dos mais humilhados.  

 

 

1ª Leitura - 1RS 17,10-16

Leitura do Primeiro Livro dos Reis:

Naqueles dias, Elias pôs-se a caminho e foi para Sarepta. Ao chegar à porta da cidade, viu uma viúva apanhando lenha. Ele chamou-a e disse: "Por favor, traze-me um pouco de água numa vasilha para eu beber".

Quando ela ia buscar água, Elias gritou-lhe: "Por favor, traze-me também um pedaço de pão em tua mão". Ela respondeu: "Pela vida do Senhor, teu Deus, não tenho pão. Só tenho um punhado de farinha numa vasilha e um pouco de azeite na jarra. Eu estava apanhando dois pedaços de lenha, a fim de preparar esse resto para mim e meu filho, para comermos e depois esperar a morte".

Elias replicou-lhe: "Não te preocupes! Vai e faze como disseste. Mas, primeiro, prepara-me com isso um pãozinho e traze-o. Depois farás o mesmo para ti e teu filho. Porque assim fala o Senhor, Deus de Israel: 'A vasilha de farinha não acabará e a jarra de azeite não diminuirá, até o dia em que o Senhor enviar a chuva sobre a face da terra'". A mulher foi e fez como Elias lhe tinha dito. E comeram, ele e ela e sua casa, durante muito tempo. A farinha da vasilha não acabou nem diminuiu o óleo da jarra, conforme o que o Senhor tinha dito por intermédio de Elias.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 145

Bendize, minh'alma, bendize ao Senhor!

 

O Senhor é fiel para sempre, faz justiça aos que são oprimidos; ele dá alimento aos famintos, é o Senhor quem liberta os cativos.

 

O Senhor abre os olhos aos cegos, o Senhor faz erguer-se o caído; o Senhor ama aquele que é justo. É o Senhor quem protege o estrangeiro.

 

Quem ampara a viúva e o órfão, mas confunde os caminhos dos maus. O Senhor reinará para sempre! Ó Sião, o teu Deus reinará para sempre e por todos os séculos!

 

 

2ª Leitura - Hb 9,24-28

Leitura da Carta aos Hebreus:

Cristo não entrou num santuário feito por mão humana, imagem do verdadeiro, mas no próprio céu, a fim de comparecer, agora, na presença de Deus, em nosso favor.

E não foi para se oferecer a si muitas vezes, como o sumo sacerdote que, cada ano, entra no Santuário com sangue alheio. Porque, se assim fosse, deveria ter sofrido muitas vezes, desde a fundação do mundo. Mas foi agora, na plenitude dos tempos, que, uma vez por todas, ele se manifestou para destruir o pecado pelo sacrifício de si mesmo.

O destino de todo homem é morrer uma só vez e, depois, vem o julgamento. Do mesmo modo, também Cristo, oferecido uma vez por todas, para tirar os pecados da multidão, aparecerá uma segunda vez, fora do pecado, para salvar aqueles que o esperam. 

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mc 12,38-44

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Marcos:

Naquele tempo, Jesus dizia, no seu ensinamento a uma grande multidão: "Tomai cuidado com os doutores da Lei! Eles gostam de andar com roupas vistosas, de ser cumprimentados nas praças públicas; gostam das primeiras cadeiras nas sinagogas e dos melhores lugares nos banquetes. Eles devoram as casas das viúvas, fingindo fazer longas orações. Por isso eles receberão a pior condenação".

Jesus estava sentado no Templo, diante do cofre das esmolas, e observava como a multidão depositava suas moedas no cofre. Muitos ricos depositavam grandes quantias.

Então chegou uma pobre viúva que deu duas pequenas moedas, que não valiam quase nada. Jesus chamou os discípulos e disse: "Em verdade vos digo, esta pobre viúva deu mais do que todos os outros que ofereceram esmolas. Todos deram do que tinham de sobra, enquanto ela, na sua pobreza, ofereceu tudo aquilo que possuía para viver".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

O fio condutor das leituras de hoje é duplo: a partilha e o exercício do poder. No Evangelho, Jesus critica a liderança dos doutores da lei e exalta a partilha feita pela viúva. A mesma partilha é feita pela viúva pobre a pedido do profeta Elias. A Carta aos Hebreus destaca como Jesus exerceu sua autoridade entregando-se a si mesmo por nós.

No Evangelho, Jesus faz um discurso bem forte contra os doutores da lei, que usam seu saber para dominar e explorar o povo. É muito perigoso quando as lideranças religiosas, ao invés de ensinarem o povo a partilhar, usam de seu poder para acumular riquezas. Jesus acusa os teólogos de sua época porque transformam seu saber em poder opressor, manipulando a imagem de Deus. Transformam o Deus defensor dos pobres num Deus que defende os ricos e sua riqueza acumulada.

Jesus condena violentamente as falsas lideranças religiosas que exploram a fé do povo simples. São falsos pastores, mais preocupados em tosquiar suas ovelhas do que em transmitir os ensinamentos de Deus. Jesus é para nós a única e verdadeira liderança religiosa.

A Carta aos Hebreus quer renovar nossa esperança em Jesus. Tudo o que a antiga Aliança buscava obter através de rituais e sacrifícios, torna-se para nós plena realidade no mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus. Através de Jesus temos agora acesso direto ao nosso Deus. Em Jesus temos a plena reconciliação da humanidade com a vontade de Deus. Prova de amor maior não há do que partilhar a sua vida com seus irmãos e irmãs.

Na Primeira Leitura, o profeta Elias mostra como atua uma liderança que se inspira na Palavra de Deus. Elias foi enviado a uma viúva, numa cidade fora de Israel. Ele foi pedir abrigo a uma pessoa que não era de seu povo, nem da sua religião. Temos aqui um quadro simbólico do encontro entre Deus e os pobres.

O nosso Deus se coloca ao lado da viúva, do órfão, do estrangeiro. Deus defende e dá a vida aos pobres. Mas os pobres devem aprender a partilhar. É o que Elias diz para a viúva: partilha comigo o pouco que você tem, e nada faltará. Quando os pobres partilham, a vida triunfa. A verdadeira liderança revela o rosto de Deus no meio dos pobres. 

O Salmo de Meditação mostra como o próprio Deus exerce sua autoridade a serviço dos pobres. O Salmo enumera as pessoas pobres atendidas por Deus: os oprimidos, os famintos, os prisioneiros, os cegos, os encurvados, os estrangeiros, os órfãos e as viúvas. Em resumo, Deus ama os justos e transtorma o caminho dos injustos.

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

 

Oração da Comunidade

Celebrando em Comunidade nossa fé no Deus da vida, e confiando em sua presença junto dos mais oprimidos, façamos nossas preces, dizendo:

- Senhor, Deus dos pobres, fazei reinar vossa justiça!

 

1. Ajudai vossa Igreja, para que continue proclamando vossa justiça e vossa bondade, e defenda sempre os mais pobres  e abandonados, rezemos ao Senhor.

- Senhor, Deus dos pobres, fazei reinar vossa justiça!

 

2. Iluminai nosso Brasil e nossos governantes, para que tenham mais zelo pelos que necessitam de apoio social para desenvolver suas potencialidades, rezemos ao Senhor.

- Senhor, Deus dos pobres, fazei reinar vossa justiça!

 

3. Guardai em vosso coração divino os abandonados pelo sistema social, pobres, viúvas, órfãos, idosos, indígenas e tantos outros rostos que sofrem discriminação, e inspirai homens e mulheres que os apoiem e os defendam, rezemos ao Senhor.

- Senhor, Deus dos pobres, fazei reinar vossa justiça!

 

4. Abri nosso coração para acolher as pessoas, e assim superemos o egoísmo e a avareza, e que ele seja transformado por vosso Espírito, rezemos ao Senhor.

- Senhor, Deus dos pobres, fazei reinar vossa justiça!

 

5. Outras intenções...

 

Ó Deus, confirmai-nos como vosso povo, ajudai-nos a corresponder com vosso amor e alcançar a salvação em vosso Filho Jesus, que convosco vive e reina para sempre.

- Amém.

 

 

Oração do Laicato

Ó Trindade Santíssima, amor pleno e eterno, que estabelecestes a Igreja como vossa "imagem terrena": Nós vos agradecemos pelos dons e carismas, vocações, ministérios e serviços que todos os membros de vosso povo realizam como "Igreja em saída", para o bem comum, a missão evangelizadora e a transformação social, em vista de vosso Reino.

Nós vos louvamos pela presença e organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil, sujeitos eclesiais, testemunhas de fé, santidade e ação transformadora.

Nós vos pedimos que todos os batizados atuem como sal da terra e luz do mundo: na família e no trabalho, na política e na economia, nas ciências e nas artes, na educação, na cultura e nos meios de comunicação; na cidade, no campo e em todo o planeta, nossa "casa comum".

Nós vos rogamos que todos contribuam para que os cristãos leigos e leigas compreendam sua vocação e identidade, espiritualidade e missão, e atuem de forma organizada na Igreja e na sociedade, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres.

Isto vos suplicamos pela intercessão da Sagrada Família, Jesus, Maria e José, modelos para todos os cristãos. Amém.

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil