15/11/2020

33º Domingo do Tempo Comum

 

 

    

 

 

Deus distribui em abundância seus dons. Recebê-los é graça, mas colocá-los a serviço do Reino é dever de quem ama. Quem escuta a Palavra do Senhor deve sentir o apelo que Ele nos faz, que é servi-lo com alegria. Aquele que virá na plenitude da majestade divina dará a recompensa a cada um de nós. Como nos comportamos diante das coisas de Deus e de seu Reino?

  

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

Deus nos deu seus dons para que neles progredíssemos e alcançássemos a santidade, servindo aos outros.

 

 

1ª Leitura - Pr 31,10-13.19-20.30-31

Leitura do Livro dos Provérbios:

Uma mulher forte, quem a encontrará? Ela vale muito mais do que as joias. Seu marido confia nela plenamente, e não terá falta de recursos. Ela lhe dá só alegria e nenhum desgosto, todos os dias de sua vida. Procura lã e linho, e com habilidade trabalham as suas mãos.

Estende a mão para a roca, e seus dedos seguram o fuso. Abre suas mãos ao necessitado e estende suas mãos ao pobre.

O encanto é enganador e a beleza é passageira; a mulher que teme ao Senhor, essa sim, merece louvor. Proclamem o êxito de suas mãos, e na praça louvem-na as suas obras!

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 127

Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

 

Feliz és tu, se temes o Senhor e trilhas seus caminhos! Do trabalho de tuas mãos hás de viver, serás feliz, tudo irá bem!

 

A tua esposa é uma videira bem fecunda no coração da tua casa; os teus filhos são rebentos de oliveira ao redor de tua mesa.

 

Será assim abençoado todo homem que teme o Senhor. O Senhor te abençoe de Sião, cada dia de tua vida.  

 

 

2ª Leitura - 1Ts 5,1-6

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses:

Quanto ao tempo e à hora, meus irmãos, não há por que vos escrever. Vós mesmos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá como ladrão, de noite. Quando as pessoas disserem: "Paz e segurança!", então de repente sobrevirá a destruição, como as dores de parto sobre a mulher grávida. E não poderão escapar.

Mas vós, meus irmãos, não estais nas trevas, de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão. Todos vós sois filhos da luz e filhos do dia. Não somos da noite, nem das trevas. Portanto, não durmamos, como os outros, mas sejamos vigilantes e sóbrios. 

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mt 25,14-30

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Mateus:

Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos: "Um homem ia viajar para o estrangeiro. Chamou seus empregados e lhes entregou seus bens. A um deu cinco talentos, a outro deu dois e ao terceiro, um; a cada qual de acordo com a sua capacidade. Em seguida viajou.

O empregado que havia recebido cinco talentos saiu logo, trabalhou com eles e lucrou outros cinco. Do mesmo modo, o que havia recebido dois lucrou outros dois. Mas aquele que havia recebido um só, saiu, cavou um buraco na terra e escondeu o dinheiro do seu patrão.

Depois de muito tempo, o patrão voltou e foi acertar contas com os empregados. O empregado que havia recebido cinco talentos entregou-lhe mais cinco, dizendo: 'Senhor, tu me entregaste cinco talentos. Aqui estão mais cinco que lucrei'. O patrão lhe disse: 'Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!'

Chegou também o que havia recebido dois talentos, e disse: 'Senhor, tu me entregaste dois talentos. Aqui estão mais dois que lucrei'. O patrão lhe disse: 'Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!'

Por fim, chegou aquele que havia recebido um talento , e disse: 'Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantaste e ceifas onde não semeaste. Por isso, fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence'.

O patrão lhe respondeu: 'Servo mau e preguiçoso! Tu sabias que eu colho onde não plantei e ceifo onde não semeei? Então, devias ter depositado meu dinheiro no banco, para que, ao voltar, eu recebesse com juros o que me pertence'. Em seguida, o patrão ordenou: 'Tirai dele o talento e dai-o àquele que tem dez! Porque a todo aquele que tem será dado mais, e terá em abundância, mas daquele que não tem, até o que tem lhe será tirado. Quanto a este servo inútil, jogai-o lá fora, na escuridão. Aí haverá choro e ranger de dentes!'"

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Hoje, a liturgia continua a enfatizar a importância e a necessidade da vigilância na vida dos cristãos e cristãs, tendo em vista a edificação do Reino de Deus e a salvação para a qual cada um de nós é destinado. A novidade que a liturgia da Palavra nos traz é que a forma mais autêntica de vigilância é o serviço em favor da Comunidade. Somos todos chamados e chamadas a nos colocar em atitude de serviço em benefício do próximo, para que os dons recebidos do Senhor se multipliquem, gerando frutos de amor e justiça.

Na imagem da mulher forte e ágil, da Primeira Leitura, retirada da literatura sapiencial, encontramos um exemplo para a vida cristã: abrir as mãos ao necessitado e estendê-las ao pobre. Certamente, essa é a maneira mais eficaz de manter uma vida sóbria e vigilante, como exorta o apóstolo Paulo na Segunda Leitura. Diante da incerteza em relação ao dia do retorno do Senhor, resta-nos, como cristãos e cristãs, sentir já sua presença e deixar-nos conduzir por sua Palavra.

Com a parábola dos talentos no Evangelho, Jesus nos chama a atenção para permanecermos unidos a Ele, produzindo frutos, ou seja, fazendo frutificar os talentos recebidos. Esses talentos, obviamente, são os dons e carismas que Ele confia aos cristãos e cristãs para a edificação do Reino de Deus. Conforme a parábola, ninguém é desprovido de dons; cada um recebe de acordo com as capacidades e as necessidades da Comunidade. Esse detalhe é muito importante: se todos recebem, consequentemente, todos têm algo a partilhar, a plantar e fazer frutificar. A quantidade diferenciada de talentos distribuídos a cada um reflete a diversidade de carismas e ministérios na vida da Igreja. Mais importante que a quantidade é o uso que cada um faz desses dons.

Embora livre, o ser humano tem a responsabilidade de fazer os dons recebidos se multiplicarem, colocando-os a serviço da Comunidade e, certamente, será cobrado por isso. Aqui está o verdadeiro sentido da vigilância presente na parábola: vigiar é ter atitude de serviço em prol do Reino, jamais é espera passiva. Isso exige coragem, desprendimento, disponibilidade e amor. Reter os dons recebidos para si ou simplesmente conservá-los é trair a confiança do Senhor e aprisionar seu Evangelho.

A construção do Reino de Deus, um mundo de justiça, paz e amor, exige decisão, criatividade e responsabilidade no uso dos dons recebidos para gerar frutos e transformar a realidade. Somos capazes de fazer isso somente permanecendo unidos a Ele.   

Pe. Francisco Cornélio Freire Rodrigues - Diocese de Mossoró- RN

Folheto litúrgico Deus Conosco - Ed.Santuário (15/11/2020)

 

 

Preces da Comunidade

Roguemos a Deus Pai todo-poderoso, que nos dá seus dons e nos ampara com sua misericórdia, apresentando com humildade nossos pedidos.

 

1. Enriquecei de dons e inspirai nosso Papa e todos os comprometidos com vosso Reino, para que sejam sinais vivos e transparentes de vossa verdade, nós vos pedimos, Senhor.

- Senhor, fazei-nos servidores de vosso Reino!

 

2. Concedei-nos vossa paz e fazei-nos fiéis à vossa verdade, e superando nossas dificuldades possamos trabalhar sem cessar a favor de vosso Reino, nós vos pedimos, Senhor.

- Senhor, fazei-nos servidores de vosso Reino!

 

3. Livrai-nos do desejo incontido de posse e de dominação, e fazei-nos fiéis às coisas pequenas e humildes, nós vos pedimos, Senhor.

- Senhor, fazei-nos servidores de vosso Reino!

 

4. Despertai-nos para a partilha e a solidariedade, e assim todos possam viver com alegria, nós vos pedimos, Senhor.

- Senhor, fazei-nos servidores de vosso Reino! 

 

5. Outras intenções...

 

Ó Pai, obrigado por ouvirdes vosso povo e concedei ao nosso tempo e ao nosso coração, vossa paz. Vós, que sois nosso Deus e viveis e reinais para sempre.

- Amém.

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil