23/09/2018

Ano do Laicato: "Sal da terra e Luz do mundo" (Mt 5,13-14)

25º Domingo do Tempo Comum

"Ser aquele que serve!"

 

 

Tendo à frente Cristo, como modelo de servidor, nos encontramos para receber, da Palavra e do Pão partilhados, a força necessária para estarmos no serviço aos irmãos. Que nosso encontro de hoje nos ajude a perceber que o discípulo de Jesus terá seu lugar se estiver junto aos últimos, na dedicação e no serviço aos pequenos, os prediletos do Senhor.  

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

O Senhor sustenta e vem em socorro do justo que, com sua vida, questiona a ação dos maldosos. Ao mesmo tempo somos conclamados ao serviço dos pequenos e fracos, encontrando no meio deles o nosso lugar. Assim estaremos promovendo a paz, semeando a justiça. 

 

 

1ª Leitura - Sb 2,12.17-20

Leitura do Livro da Sabedoria:

Os ímpios dizem: "Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina. Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz, e comprovemos o que vai acontecer com ele. Se, de fato, o justo é 'filho de Deus', Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos.

Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; vamos condená-lo à morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 53

É o Senhor quem sustenta  minha vida!

 

Por vosso nome, salvai-me, Senhor; e dai-me a vossa justiça! Ó meu Deus, atendei minha prece e escutai as palavras que eu digo!

 

Pois contra mim orgulhosos se insurgem, e violentos perseguem-me a vida; não há lugar para Deus aos seus olhos. Quem me protege e me ampara é meu Deus; é o Senhor quem sustenta minha vida! 

 

Quero ofertar-vos o meu sacrifício, de coração e com muita alegria; quero louvar, ó Senhor, vosso nome, quero cantar vosso nome que é bom!

 

 

2ª Leitura - Tg 3,16-4,3

Leitura da Carta de São Tiago:

Caríssimos: Onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más.

Por outra parte, a sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, depois pacífica, modesta, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem fingimento. O fruto da justiça é semeado na paz para aqueles que promovem a paz. De onde vêm as guerras? De onde vêm as brigas entre vós? Não vêm justamente das paixões que estão em conflito dentro de vós?

Cobiçais, mas não conseguis ter. Matais e cultivais inveja, mas não conseguis êxito. Brigais e fazeis guerra, mas não conseguis possuir. E a razão está em que não pedis. Pedis, sim, mas não recebeis, porque pedis mal. Pois só quereis esbanjar o pedido nos vossos prazeres.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mc 9,30-37

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Marcos:

Naquele tempo, Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: "O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará".

Os discípulos, porém, não compreendiam estas palavras e tinham medo de perguntar. Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: "O que discutíeis pelo caminho?"

Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior. Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: "Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!"

Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: "Quem acolher em meu nome uma destas crianças, é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher, está acolhendo não a mim, mas àquele que me enviou".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Viver em Comunidade é encontrar espaço para viver uma nova experiência de Deus. Toda nova experiência de Deus, quando verdadeira, traz mudanças profundas na convivência humana. Viver em Comunidade na proposta de Jesus é construir relações de fraternidade, de partilha e de reconciliação. Não é uma tarefa muito fácil nos dias de hoje. Vivemos numa sociedade violenta, egoísta e consumista. E esses valores mundanos entram na Comunidade e vão roendo as relações, como cupins roem as madeiras que sustentam a casa. Uma hora, tudo desaba! Esse é o alerta que Jesus nos faz hoje no Evangelho. Os valores do mundo trazem a competição, a disputa, a luta pelo poder. Tem gente que entra na Comunidade e busca poder, grandezas e posições. Querem se destacar, querem dominar. Querem poder e não serviço.

Jesus vem nos ensinar os valores que sustentam a vida comunitária. Entramos na Comunidade para viver a fraternidade, a igualdade e a partilha de bens e de serviços. Na Comunidade existem pessoas amigas e não empregados. Por isso, o exercício do poder se manifesta na disponibilidade e no serviço mútuo. A vida em Comunidade exige perdão e reconciliação. Jesus chama uma criança e a coloca como exemplo. Ele não nos pede que sejamos infantis. Mas devemos aprender com as crianças o espírito de companheirismo, a facilidade em perdoar e esquecer. As crianças rezam com amor e devoção. Mesmo o barulho feito pelas crianças é sinal de alegria e de vida. Se não nos tornarmos como criança, não entraremos no Reino de Deus.

Uma Comunidade cristã não pode fechar-se em si mesma. Jesus não quer que nossas comunidades sejam grupos isolados, vivendo para si mesmos. Todo fechamento contraria a proposta do Reino. Também não podemos querer monopolizar o Evangelho de Jesus. Temos que construir parcerias com outras Comunidades, igrejas ou grupos que buscam viver os valores transmitidos por Jesus.

Como lembra a Carta de Tiago, nossa opção por Jesus se traduz num comportamento humilde, pacífico, compreensivo, cheio de misericórdia e de bons frutos, sem discriminações nem hipocrisias. Temos que viver a proposta de Jesus dentro de um espírito ecumênico, aberto e tolerante. 

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

 

Oração da Comunidade

Confiantes e humildes, elevemos ao Pai nossas preces. Na força do Espírito peçamos os dons necessários para vivermos a proposta de Jesus. Ao Senhor, suplicamos, dizendo:

Senhor, em vosso amor, sustentai nossa vida!

 

1) Confirmai vossa Igreja, Comunidade dos discípulos de Jesus, em sua missão, para que seja no mundo um forte sinal contra o ódio, a inveja e a rivalidade, promovendo a paz e a união entre todos; rezemos:

Senhor, em vosso amor, sustentai nossa vida!

 

2) Inspirai os cristãos perseguidos para que não desanimem e encontrem em nossa solidariedade e preces a força necessária para sua missão com o testemunho e o serviço; rezemos:

Senhor, em vosso amor, sustentai nossa vida!

 

3) Fazei com que nossa Comunidade seja um espaço de serviço, de atenção e de acolhida a todos, de maneira particular aos pequeninos do Reino; rezemos:

Senhor, em vosso amor, sustentai nossa vida!

 

4) Estendei sobre nós vossas mãos para que não sejamos destruídos pela inveja, nem desanimados pelas rivalidades e conflitos, que possamos promover a justiça e assim recebamos o dom de vossa paz; rezemos:

Senhor, em vosso amor, sustentai nossa vida!

 

5) Outras intenções...

 

Ó Pai Santo, atendei nossas preces; com vosso amor sustentai nossa vida e socorrei-nos em nossas fraquezas. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém.

 

 

Oração do Laicato

Ó Trindade Santíssima, amor pleno e eterno, que estabelecestes a Igreja como vossa "imagem terrena": Nós vos agradecemos pelos dons e carismas, vocações, ministérios e serviços que todos os membros de vosso povo realizam como "Igreja em saída", para o bem comum, a missão evangelizadora e a transformação social, em vista de vosso Reino.

Nós vos louvamos pela presença e organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil, sujeitos eclesiais, testemunhas de fé, santidade e ação transformadora.

Nós vos pedimos que todos os batizados atuem como sal da terra e luz do mundo: na família e no trabalho, na política e na economia, nas ciências e nas artes, na educação, na cultura e nos meios de comunicação; na cidade, no campo e em todo o planeta, nossa "casa comum".

Nós vos rogamos que todos contribuam para que os cristãos leigos e leigas compreendam sua vocação e identidade, espiritualidade e missão, e atuem de forma organizada na Igreja e na sociedade, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres.

Isto vos suplicamos pela intercessão da Sagrada Família, Jesus, Maria e José, modelos para todos os cristãos. Amém.

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil