27/09/2020

26º Domingo do Tempo Comum

 

 

Deus nos convida, nos chama, convoca. É preciso unir a Palavra com nossos gestos e atitudes. Deus quer contar conosco para construirmos uma sociedade renovada pela justiça, pela fraternidade e pela paz. Diante desse projeto de vida, podemos assumir duas atitudes: dizer "sim" ou "não" à vontade de Deus. E ao celebrarmos o Dia Nacional da Bíblia, que a Palavra libertadora do Senhor alcance nosso coração.  

  

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

Nós devemos ter os mesmos sentimentos e atitudes de Cristo para segui-lo fielmente. Ele dispensou sua realeza para viver a simplicidade da vida.  

 

 

1ª Leitura - Ez 18,25-28

Leitura da Profecia de Ezequiel:

Assim diz o Senhor: "Vós andais dizendo: 'A conduta do Senhor não é correta'. Ouvi, vós da casa de Israel: É a minha conduta que não é correta, ou antes é a vossa conduta que não é correta?

Quando um justo se desvia da justiça, pratica o mal e morre, é por causa do mal praticado que ele morre. Quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou e observa o direito e a justiça, conserva a própria vida. Arrependendo-se de todos os seus pecados, com certeza viverá, não morrerá".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 24

Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e compaixão.

 

Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, e fazei-me conhecer a vossa estrada! Vossa verdade me oriente e me conduza, porque sois o Deus da minha salvação; em vós espero, ó Senhor, todos os dias!

 

Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão que são eternas! Não recordeis os meus pecados quando jovem, nem vos lembreis de minhas faltas e delitos! De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!

 

O Senhor é piedade e retidão, reconduz ao bom caminho os pecadores. Ele dirige os humildes na justiça, e aos pobres ele ensina o seu caminho.   

 

 

2ª Leitura - Fl 2,1-11

Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses:

Irmãos: Se existe consolação na vida em Cristo, se existe alento no mútuo amor, se existe comunhão no Espírito, se existe ternura e compaixão, tornai então completa a minha alegria: aspirai à mesma coisa, unidos no mesmo amor; vivei em harmonia, procurando a unidade. Nada façais por competição ou vanglória, mas, com humildade, cada um julgue que o outro é mais importante, e não cuide somente do que é seu, mas também do que é do outro.

Tende vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus. Jesus Cristo, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação, mas esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens. Encontrado com aspecto humano, humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso, Deus o exaltou acima de tudo e lhe deu o Nome que está acima de todo nome.

Assim, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra, e toda língua proclame: "Jesus Cristo é o Senhor!" — para a glória de Deus Pai.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mt 21,28-32

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Mateus:

Naquele tempo, Jesus disse aos sacerdotes e anciãos do povo: "Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, ele disse: 'Filho, vai trabalhar hoje na vinha!' O filho respondeu: 'Não quero'. Mas depois mudou de opinião e foi. O pai dirigiu-se ao outro filho e disse a mesma coisa. Este respondeu: 'Sim, senhor, eu vou'. Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai?"

Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: "o primeiro".

Então Jesus lhes disse: "Em verdade vos digo que os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus. Porque João veio até vós, num caminho de justiça, e vós não acreditastes nele. Ao contrário, os cobradores de impostos e as prostitutas creram nele. Vós, porém, mesmo vendo isso, não vos arrependestes para crer nele".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Responder com nossa vida

Em diversas ocasiões nos evangelhos encontramos Jesus falando sobre a importância de uma vida coerente, isto é, uma vida onde as palavras e as ações não se contradizem, mas estão profundamente interligadas. Jesus aponta com frequência para o que deve caracterizar seus discípulos: saber colocar em prática a vontade do Pai, demonstrando por suas obras o quanto amam a Deus.

É assim que compreendemos suas palavras: "Nem todo aquele que me diz: 'Senhor, Senhor', entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus" (Mt 7,21). Tal como no tempo de Jesus, hoje também é possível encontrar alguém que, com sua capacidade de orar e comunicar-se, com seus conhecimentos sobre Bíblia ou religião, arranque lágrimas das outras pessoas. Por vezes, não passam de palavras vazias, infecundas.

Não basta dizer "sim"

Na parábola dos dois filhos que mudaram de atitude vemos um típico exemplo de que as palavras, assim como as ideologias, podem muitas vezes nos enganar. Só conhecemos verdadeiramente o coração do ser humano por suas obras: "Nisto conhecerão todos que sois os meus discípulos: se vos amardes uns aos outros" (Jo 13,35).

O "sim" que os discípulos de Jesus são chamados a dizer deve ser respondido com consciência e maturidade, para que seja verdadeiro "sim", e não fruto de um mero momento de euforia. Nossa tarefa de cada dia consiste em renovar o nosso "sim", fazendo-o todas as vezes com mais profundidade, reafirmando-o sobretudo com nossas práticas.

Quem está de pé pode cair

Ao dizer que os cobradores de impostos e as prostitutas serão os primeiros a alcançar o Reino de Deus, Jesus aponta para a fragilidade daqueles que se acham perfeitos e melhores que os outros. Mostra-nos também que devemos nos colocar em permanente atitude de conversão, pois sempre estamos sujeitos a cair. Os que se acham "santos" são muito facilmente propensos ao erro, pois acabam perdendo-se na sua soberba e se fecham à graça divina.

Ao contrário, os pecadores são mais abertos para acolher a graça, pois têm consciência de sua precariedade e confiam apenas na misericórdia de Deus. Precisamos responder ao chamado de Deus nos atos cotidianos, nas relações interpessoais, nas próprias escolhas. Fazendo assim, caminha-se na justiça e no testemunho fidedigno do Reino de Deus.    

Pe. Fábio Evaristo R. Silva, C.Ss.R.

Folheto litúrgico Deus Conosco - Ed.Santuário (27/09/2020)

 

 

Preces da Comunidade

Ao Pai misericordioso que nos anima com sua Palavra e nos fortalece com sua presença consoladora, elevamos nossas súplicas, dizendo:

- Deus, fonte da paz, escutai-nos!

 

1. Iluminai vossa Igreja para que, inspirada nos mesmos sentimentos de Jesus Cristo, ajude os fiéis a percorrerem o caminho da misericórdia, nós vos suplicamos, Senhor.

- Deus, fonte da paz, escutai-nos!

 

2. Inspirai aqueles que têm responsabilidades em nossas Comunidades eclesiais, para que sejam servos humildes fiéis da vossa Palavra, nós vos suplicamos, Senhor.

- Deus, fonte da paz, escutai-nos!

 

3. Guiai nossa vida conforme vossos desígnios a fim de que possamos responder "sim" ao projeto de vosso Reino, nós vos suplicamos, Senhor.

- Deus, fonte da paz, escutai-nos!

 

4. Ajudai-nos a compreender vossa Palavra e assim tenhamos um coração aberto para testemunhar a fé em vosso Filho, na realidade de nossos dias, nós vos suplicamos, Senhor.

- Deus, fonte da paz, escutai-nos!

 

5. Outras intenções...

 

Senhor, Deus de misericórdia, ensinai-nos a praticar vossa Palavra, assumindo os mesmos sentimentos de Jesus Cristo a fim de que nossa conversão possa ser contínua. Por Cristo, nosso Senhor

- Amém.

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil