01/10/2017

Ano Mariano Nacional - N. Sra. Aparecida - 300 anos de bênçãos

26º Domingo do Tempo Comum

"Chamados a trabalhar na vinha!"

 

 

Deus nos convida, nos chama e nos convoca. Depende de cada um de nós dar a resposta para seus planos. E nem sempre unimos palavras e ações. A aparência de santidade não garante a sinceridade de coração. Deus espera de nós uma adesão interior, uma vida que expresse em gestos concretos os mesmos sentimentos de Jesus Cristo. Celebremos a fé com palavras e atitudes verdadeiras de amor a Deus e ao próximo.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

Seguir pelos caminhos do Senhor. Assim o profeta Ezequiel ensina-nos a buscar a salvação. São Paulo, movido pelo mesmo amor, deixa claro que é preciso ter em nós os mesmos sentimentos de Jesus Cristo, que abriu mão de sua realeza para viver a simplicidade da vida. Quem confia no Senhor une palavras e ações, e encontra sua realização em Deus.  

 

 

1ª Leitura - Ez 18,25-28

Leitura da Profecia de Ezequiel:

Assim diz o Senhor: "Vós andais dizendo: 'A conduta do Senhor não é correta'. Ouvi, vós da casa de Israel: É a minha conduta que não é correta, ou antes é a vossa conduta que não é correta?

Quando um justo se desvia da justiça, pratica o mal e morre, é por causa do mal praticado que ele morre.

Quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou e observa o direito e a justiça, conserva a própria vida. Arrependendo-se de todos os seus pecados, com certeza viverá, não morrerá".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 24

Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e compaixão.

 

Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, e fazei-me conhecer a vossa estrada! Vossa verdade me oriente e me conduza, porque sois o Deus da minha salvação; em vós espero, ó Senhor, todos os dias!

 

Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão que são eternas! Não recordeis os meus pecados quando jovem, nem vos lembreis de minhas faltas e delitos! De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!

 

O Senhor é piedade e retidão, e reconduz ao bom caminho os pecadores. Ele dirige os humildes na justiça, e aos pobres ele ensina o seu caminho. 

 

 

2ª Leitura - Fl 2,1-11

Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses:

Irmãos: Se existe consolação na vida em Cristo, se existe alento no mútuo amor, se existe comunhão no Espírito, se existe ternura e compaixão, tornai então completa a minha alegria: aspirai à mesma coisa, unidos no mesmo amor; vivei em harmonia, procurando a unidade.

Nada façais por competição ou vanglória, mas, com humildade, cada um julgue que o outro é mais importante, e não cuide somente do que é seu, mas também do que é do outro.

Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus. Jesus Cristo, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação, mas esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens. Encontrado com aspecto humano, humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até à morte, e morte de cruz.

Por isso, Deus o exaltou acima de tudo e lhe deu o Nome que está acima de todo nome.

Assim, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra, e toda língua proclame: "Jesus Cristo é o Senhor!" — para a glória de Deus Pai.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mt 21,28-32

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Mateus:

Naquele tempo, Jesus disse aos sacerdotes e anciãos do povo: "Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, ele disse: 'Filho, vai trabalhar hoje na vinha!' O filho respondeu: 'Não quero'. Mas depois mudou de opinião e foi.

O pai dirigiu-se ao outro filho e disse a mesma coisa. Este respondeu: 'Sim, senhor, eu vou'. Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai?"

Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: "O primeiro".

Então Jesus lhes disse: "Em verdade vos digo que os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus. Porque João veio até vós, num caminho de justiça, e vós não acreditastes nele. Ao contrário, os cobradores de impostos e as prostitutas creram nele. Vós, porém, mesmo vendo isso, não vos arrependestes para crer nele".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

A mensagem central deste domingo está no salmo 24 (25) que todo mundo conhece: "Senhor, quem entrará no Santuário pra te louvar? Quem tem as mãos limpas e o coração puro..." O que significa isso? A resposta nos é dada nas três leituras, onde Deus nos convida para um encontro com  Ele. Esse convite está na parábola do evangelho, na qual o pai convida seus dois filhos para trabalhar na vinha. Todos nós somos convidados para trabalhar na vinha de Deus. O primeiro filho diz "não vou!" Mas depois se arrepende e vai. O segundo filho acata a ordem do pai. Mas depois desiste e não vai. Jesus então pergunta: quem fez a vontade do pai? Claro que foi o primeiro filho, aquele que se arrependeu e acabou obedecendo à palavra do pai. Este primeiro filho são os pecadores, desprezados e marginalizados, que se convertem. O segundo filho são as autoridades religiosas, os escribas e fariseus, que sempre estão dizendo "sim" a Deus, considerando-se justos e puros. Mas na verdade não fazem a vontade de Deus. Por terem um coração endurecido como o do faraó, serão condenados. Eles é que poderiam questionar esta maneira divina de agir com os pecadores. É o profeta Ezequiel que traz o questionamento de Deus feito a estes que se consideram piedosos e justos: por acaso esta minha maneira de agir é injusta? Será que não haverá justiça num processo onde cada um será julgado por sua maneira de agir? Como entender esse agir de Deus?

A maneira de agir de Deus transparece no hino que Paulo transcreveu na sua carta para a Comunidade de Filipos. A maneira de agir de Deus se manifesta nos sentimentos que havia em Jesus Cristo: sentimentos de alegria, conforto, comunhão, ternura, compaixão. Por sua fidelidade a esses sentimentos e por sua solidariedade conosco, Jesus não se apegou à sua condição divina, mas desceu ao nosso encontro. Descida total! Jesus desceu até o porão da humanidade. Por solidariedade aos excluídos, ele assumiu a humilhante morte de cruz. O caminho que Jesus assim nos aponta é o da obediência à Palavra do Pai. Mesmo que essa obediência nos leve a enfrentar e a assumir a nossa cruz. O hino que Paulo enviou aos filipenses revela a solidariedade de Jesus aos crucificados pelo sistema religioso de sua época. Suas palavras podem nos parecer duras e escandalosas. Jesus deixa bem claro: as pessoas marginalizadas, como as prostitutas e os cobradores de impostos, nos precederão no Reino de Deus. No fim, fica a pergunta que a parábola de Jesus deixou em nós: "Quem sou eu? O primeiro ou o segundo filho?"

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters  

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco - Ed. Santuário.

 

 

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil