16/09/2018

Ano do Laicato: "Sal da terra e Luz do mundo" (Mt 5,13-14)

24º Domingo do Tempo Comum

"Tu és o Messias!"

 

 

Celebrar é proclamar nossa fé em Jesus. E hoje Ele mesmo nos interroga amorosamente: "Quem sou eu para você?" A profundidade da pergunta exige de nós serenidade para a resposta. Podemos dizer muitas coisas sobre Jesus, mas entendê-lo significa segui-lo, assumir com Ele a cruz, unir fé e vida e não temer os dissabores da caminhada. Com Ele nenhuma angústia será capaz de nos abalar. Confiantes em Cristo Jesus, proclamemos e celebremos nossa fé com alegria.  

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

O Servo Sofredor é a figura do Cristo Jesus. Mesmo humilhado, Ele jamais perdeu a confiança no Pai. Segui-lo é assumir com Ele a cruz de cada dia, mostrando com as obras que temos a certeza da fé, sem esperar por recompensas. Como discípulos devemos responder: "Quem é Ele para mim?"

 

 

1ª Leitura - Is 50,5-9a

Leitura do Livro do Profeta Isaías:

O Senhor abriu-me os ouvidos; não lhe resisti nem voltei atrás. Ofereci as costas para me baterem e as faces para me arrancarem a barba; não desviei o rosto de bofetões e cusparadas.

Mas o Senhor Deus é meu Auxiliador, por isso não me deixei abater o ânimo, conservei o rosto impassível como pedra, porque sei que não sairei humilhado. A meu lado está quem me justifica; alguém me fará objeções? Vejamos. Quem é meu adversário? Aproxime-se. Sim, o Senhor Deus é meu Auxiliador; quem é que me vai condenar?

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 114

Andarei na presença de Deus, junto a ele, na terra dos vivos.

 

Eu amo o Senhor, porque ouve o grito da minha oração. Inclinou para mim seu ouvido, no dia em que eu o invoquei.

 

Prendiam-me as cordas da morte, apertavam-me os laços do abismo; invadiam-me angústia e tristeza; eu então invoquei o Senhor: "Salvai, ó Senhor, minha vida!"

 

O Senhor é justiça e bondade, nosso Deus é amor-compaixão. É o Senhor quem defende os humildes; eu estava oprimido e salvou-me.

 

Libertou minha vida da morte, enxugou de meus olhos o pranto e livrou os meus pés do tropeço. Andarei na presença de Deus, junto a ele na terra dos vivos.

 

 

2ª Leitura - Tg 2,14-18

Leitura da Carta de São Tiago:

Meus irmãos: que adianta alguém dizer que tem fé, quando não a põe em prática? A fé seria então capaz de salvá-lo? Imaginai que um irmão ou uma irmã não têm o que vestir e que lhes falta a comida de cada dia; se então alguém de vós lhes disser: "Ide em paz, aquecei-vos", e: "Comei à vontade", sem lhes dar o necessário para o corpo, que adiantará isso?

Assim também a fé: se não se traduz em obras, por si só está morta.

Em compensação, alguém poderá dizer: "Tu tens a fé e eu tenho a prática!" Tu, mostra-me a tua fé sem as obras, que eu te mostrarei a minha fé pelas obras!

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mc 8,27-35

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Marcos:

Naquele tempo, Jesus partiu com seus discípulos para os povoados de Cesareia de Filipe. No caminho perguntou aos discípulos: "Quem dizem os homens que eu sou?" Eles responderam: "Alguns dizem que tu és João Batista; outros que és Elias; outros, ainda, que és um dos profetas". Então ele perguntou: "E vós, quem dizeis que eu sou?" Pedro respondeu: "Tu és o Messias".

Jesus proibiu-lhes severamente de falar a alguém a seu respeito. Em seguida, começou a ensiná-los, dizendo que o Filho do Homem devia sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei; devia ser morto, e ressuscitar depois de três dias. Ele dizia isso abertamente. Então Pedro tomou Jesus à parte e começou a repreendê-lo.

Jesus voltou-se, olhou para os discípulos e repreendeu a Pedro, dizendo: "Vai para longe de mim, Satanás! Tu não pensas como Deus, e sim como os homens".

Então chamou a multidão com seus discípulos e disse: "Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. Pois, quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; mas, quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho, vai salvá-la".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Quem é Jesus para nós, hoje? Atualmente, muita gente fala nele. Vários programas de televisão falam de Jesus. Ele é uma presença constante em nosso dia a dia. O nome de Jesus surge quando a gente menos espera, seja nos meios de comunicação, seja nas conversas na rua ou dentro de casa. Nunca se falou tanto em Jesus. Por isso, nada mais atual do que a pergunta que Ele fez aos discípulos: "Quem dizem os homens que eu sou?"

Provavelmente, hoje muitos diriam: Jesus é um grande milagreiro; ele resolve os problemas financeiros de todo mundo; ele é o médico divino que cura todas as nossas doenças. Ele faz também para nós a outra pergunta: "E para vocês, quem eu sou?" Será que, diante das nossas respostas, Jesus dirá o mesmo que falou a Pedro? "Afasta-te de mim, Satanás. Tu pensas a partir das coisas humanas e não das coisas de Deus". O grande desafio para nós, hoje, é revelarmos o verdadeiro rosto de Jesus, tanto por nossas palavras como por nossas atitudes.

As leituras de hoje querem nos ajudar a descobrir e revelar esse verdadeiro rosto de Jesus. A Primeira Leitura, tirada do livro de Isaías, é um dos cânticos do Servo de Deus. O texto nos apresenta o servo como o verdadeiro discípulo. O servo se coloca a serviço de Deus encorajando os fracos e abatidos. Não tem medo dos que lhe agridem nem recua diante das dificuldades. As atitudes do servo revelam sua vocação e missão.

Jesus, através de seus gestos, revela-se como sendo esse Servo de Deus, o verdadeiro discípulo do Pai. Anunciou a Boa Nova aos pobres, trouxe uma palavra de conforto aos sofredores e desanimados, combatendo os males que estragam a vida das pessoas. Soube fazer a vontade do Pai, num processo de identificação total a ponto de poder dizer: "Quem me vê, vê o Pai". Para poder chegar a esta unidade com o Pai, Jesus venceu todos os conflitos trazidos pelos adversários, instrumentos de Satanás, o grande adversário.

O rosto de Jesus é, para nós, o rosto do Deus vivo e verdadeiro. Esse rosto é a raiz e o centro da Boa Nova da libertação, a ser anunciada aos pobres. Jesus é o Messias, a presença de Deus no meio dos pobres, que traz a proposta da partilha, do amor e da misericórdia. Temos que revelar hoje o verdadeiro rosto de Jesus. Nós não seguimos qualquer Jesus, mas seguimos o Servo de Deus que se coloca a serviço dos pobres. 

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

 

Oração da Comunidade

A fé sem obras é morta. Conscientes de que é preciso unir Fé e Vida, clamemos confiantes a presença de Deus em nossa caminhada:

Fazei-me, Senhor, testemunha de vosso amor!

 

1) Olhai, Senhor, para vossa Igreja, e que vossos Ministros ordenados sejam fonte de vida e caridade para com os sofredores, e junto aos pobres conforto humano e espiritual, nós vos pedimos:

Fazei-me, Senhor, testemunha de vosso amor!

 

2) Fortalecei os agentes de Pastoral de nossa Comunidade, para que exercendo com dedicação suas responsabilidades, levem a todos a alegria de servir o Cristo com palavras e gestos concretos de amor, nós vos pedimos:

Fazei-me, Senhor, testemunha de vosso amor!

 

3) Confirmai os homens e as mulheres que professam a fé, para que praticando o bem e a caridade, sejam reconhecidos no mundo como autênticos seguidores de vosso Filho Jesus, nós vos pedimos:

Fazei-me, Senhor, testemunha de vosso amor!

 

4) Dai, Senhor, a todos os batizados, sabedoria e discernimento para conhecer, amar e anunciar Jesus Cristo como Redentor e Santificador de toda a humanidade, nós vos pedimos:

Fazei-me, Senhor, testemunha de vosso amor!

 

5) Outras intenções...

 

Acolhei, Pai de bondade, nossas súplicas; por vossa infinita misericórdia, socorrei-nos sem cessar e dai-nos vossa paz. Isso vos pedimos, por Cristo, Senhor nosso.

Amém.

 

 

Oração do Laicato

Ó Trindade Santíssima, amor pleno e eterno, que estabelecestes a Igreja como vossa "imagem terrena": Nós vos agradecemos pelos dons e carismas, vocações, ministérios e serviços que todos os membros de vosso povo realizam como "Igreja em saída", para o bem comum, a missão evangelizadora e a transformação social, em vista de vosso Reino.

Nós vos louvamos pela presença e organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil, sujeitos eclesiais, testemunhas de fé, santidade e ação transformadora.

Nós vos pedimos que todos os batizados atuem como sal da terra e luz do mundo: na família e no trabalho, na política e na economia, nas ciências e nas artes, na educação, na cultura e nos meios de comunicação; na cidade, no campo e em todo o planeta, nossa "casa comum".

Nós vos rogamos que todos contribuam para que os cristãos leigos e leigas compreendam sua vocação e identidade, espiritualidade e missão, e atuem de forma organizada na Igreja e na sociedade, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres.

Isto vos suplicamos pela intercessão da Sagrada Família, Jesus, Maria e José, modelos para todos os cristãos. Amém.

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil