24/09/2017

Ano Mariano Nacional - N. Sra. Aparecida - 300 anos de bênçãos

Dia Nacional da Bíblia

25º Domingo do Tempo Comum

"Invocar o Senhor e estar perto dele!"

 

 

"Dia da Bíblia", a palavra do Senhor nos conduz. O projeto de Deus para a humanidade é vida e liberdade, compromisso e realização. O Filho de Deus veio para nos salvar, e nos convida para trabalhar em sua Vinha. O caminho que nos leva para dentro do Reino é muito diferente de nossos caminhos. O de Deus conduz à justiça misericordiosa. Entre nós, porém, há jogo de interesses e, às vezes, não prevalece a justiça verdadeira. Quem é sábio escolhe a proposta divina, que reforça e conduz nossa ação humana.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

A Palavra nos mostra o projeto de Deus para nossa humanidade. Nele todos podem alcançar sua misericórdia, pois, em seu Filho, o Pai nos chama a qualquer momento para a pertença à sua Vinha.  

 

 

1ª Leitura - Is 55,6-9

Leitura do Livro do Profeta Isaías:

Buscai o Senhor, enquanto pode ser achado; invocai-o, enquanto ele está perto.

Abandone o ímpio seu caminho, e o homem injusto, suas maquinações; volte para o Senhor, que terá piedade dele, volte para nosso Deus, que é generoso no perdão.

Meus pensamentos não são como os vossos pensamentos, e vossos caminhos não são como os meus caminhos, diz o Senhor. Estão meus caminhos tão acima dos vossos caminhos e meus pensamentos acima dos vossos pensamentos, quanto está o céu acima da terra.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 144

O Senhor está perto da pessoa que o invoca!

 

Todos os dias haverei de bendizer-vos, hei de louvar o vosso nome para sempre. Grande é o Senhor e muito digno de louvores, e ninguém pode medir sua grandeza.

 

Misericórdia e piedade é o Senhor, ele é amor, é paciência, é compaixão. O Senhor é muito bom para com todos, sua ternura abraça toda criatura.

 

É justo o Senhor em seus caminhos, é santo em toda obra que ele faz. Ele está perto da pessoa que o invoca, de todo aquele que o invoca lealmente.

 

 

2ª Leitura - Fl 1,20c-24.27a

Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses:

Irmãos: Cristo vai ser glorificado no meu corpo, seja pela minha vida, seja pela minha morte. Pois, para mim, o viver é Cristo e o morrer é lucro.

Entretanto, se o viver na carne significa que meu trabalho será frutuoso, neste caso, não sei o que escolher.

Sinto-me atraído para os dois lados: tenho o desejo de partir, para estar com Cristo — o que para mim seria de longe o melhor — mas para vós é mais necessário que eu continue minha vida neste mundo. Só uma coisa importa: vivei à altura do Evangelho de Cristo.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mt 20,1-16a

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Mateus:

Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos:

"O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha.

Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, e lhes disse: 'Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo'. E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa.

Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: 'Por que estais aí o dia inteiro desocupados?' Eles responderam: 'Porque ninguém nos contratou'. O patrão lhes disse: 'Ide vós também para a minha vinha'.

Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: 'Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!'

Vieram os que tinha sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. Em seguida vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata.

Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 'Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro'. Então o patrão disse a um deles: 'Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?' Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Neste último domingo do mês de setembro celebramos o Dia da Bíblia. Através de sua Palavra, Deus quer nos revelar seu projeto de salvação. Conforme a leitura do profeta Isaías, o projeto de Deus é liberdade e vida para todos. Na Bíblia, Deus apresenta seus caminhos para a realização histórica desse seu projeto. Mas atenção! Os caminhos de Deus não são como os nossos caminhos e a justiça de Deus não é como a nossa justiça. Graças a Deus! A sabedoria humana está em saber acolher essa proposta divina.

É esse ensinamento que Jesus quer nos transmitir ao contar a parábola dos trabalhadores da vinha. É uma parábola que sempre nos enche de dúvidas a respeito da atitude do patrão. Afinal, quem trabalha o dia inteiro deve receber o mesmo de quem trabalhou apenas uma hora? Como entender esta proposta de justiça?

Nesta parábola, ao apresentar a figura do patrão como um pai de família, Jesus está pensando em Deus. E quando ele fala nos trabalhadores desta vinha, ele está pensando em nós. Este pai de família saiu bem cedo, às seis da manhã, para contratar operários para trabalhar na vinha. Combinou com eles o salário mínimo diário daquela época. Um denário por doze horas de trabalho. Ele saiu de novo às nove horas, às doze horas e às quinze horas e sempre contratando operários e prometendo pagar-lhes "o que for justo". No final, passou às dezessete horas e contratou operários sabendo que faltava apenas uma hora para encerrar o dia de trabalho. No final daquele dia, o patrão chamou o capataz e deu ordens para pagar um denário a todos os trabalhadores, começando por aqueles que trabalharam apenas uma hora. Diante dessa atitude do pai de família, os que trabalharam o dia inteiro pensaram que o patrão estava pagando um denário por hora! Fizeram as contas e acharam que receberiam doze denários. Essa é a justiça humana! Mas o pai de família manteve o contrato original e eles receberam apenas um denário.

A resposta do pai de família contém a chave para entendermos a mensagem da parábola. Muitos na Comunidade pensam que por estar mais tempo participando ou engajados em pastorais, trabalhando pelo Reino, valem ou merecem mais do que aqueles que estão entrando agora na vida comunitária. Mas na Comunidade todos têm o mesmo direito porque a bondade e a misericórdia de Deus atingem a todos por igual. Não é porque eu sou mais antigo na Comunidade que terei mais direitos ou regalias do que aqueles que chegaram depois. "Ou será que o teu olho é mau porque eu sou bom?"

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters  

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco - Ed. Santuário.

 

 

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil