09/09/2018

Ano do Laicato: "Sal da terra e Luz do mundo" (Mt 5,13-14)

23º Domingo do Tempo Comum

"Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar!"

 

 

Os pobres e os humildes são os preferidos do Reino. Caminhando em direção a Jerusalém, passando por Tiro e Sidônia, Jesus se encontra no meio dos pagãos. No meio desse povo incrédulo, ele cura um surdo e manifesta-se como o Messias. Quem se propõe no seguimento de Jesus deverá, com sabedoria, distinguir os valores que favorecem sua caminhada. O Senhor espera que sejamos imagens de sua sabedoria e instrumentos de seu amor. Que a Palavra do Senhor ilumine nosso viver.  

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

Dispostos às exigências do Reino, caminhamos com Jesus, que nos abre os ouvidos e o coração para acolher e viver seu Evangelho. Sua justiça recupera a dignidade dos pequenos e humildes e rompe as cadeias da opressão e exclusão. 

 

 

1ª Leitura - Is 35,4-7a

Leitura do Livro do Profeta Isaías:

Dizei às pessoas deprimidas: "Criai ânimo, não tenhais medo! Vede, é vosso Deus, é a vingança que vem, é a recompensa de Deus; é ele que vem para vos salvar".

Então se abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos. O coxo saltará como um cervo e se desatará a língua dos mudos, assim como brotarão águas no deserto e jorrarão torrentes no ermo.

A terra árida se transformará em lago, e a região sedenta, em fontes d'água.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 145

Bendize, ó minha alma, ao Senhor. Bendirei ao Senhor toda a vida!

 

O Senhor é fiel para sempre, faz justiça aos que são oprimidos; ele dá alimento aos famintos, é o Senhor quem liberta os cativos.

 

O Senhor abre os olhos aos cegos, o Senhor faz erguer-se o caído; o Senhor ama aquele que é justo. É o Senhor quem protege o estrangeiro. 

 

Ele ampara a viúva e o órfão, mas confunde os caminhos dos maus. O Senhor reinará para sempre! Ó Sião, o teu Deus reinará para sempre e por todos os séculos!

 

 

2ª Leitura - Tg 2,1-5

Leitura da Carta de São Tiago:

Meus irmãos: a fé que tendes em nosso Senhor Jesus Cristo glorificado não deve admitir acepção de pessoas.

Pois bem, imaginai que na vossa reunião entre uma pessoa com anel de ouro no dedo e bem vestida, e também um pobre, com sua roupa surrada, e vós dedicais atenção ao que está bem vestido, dizendo-lhe: "Vem sentar-te aqui, à vontade", enquanto dizeis ao pobre: "Fica aí, de pé", ou então: "Senta-te aqui no chão, aos meus pés", não fizestes, então, discriminação entre vós? E não vos tornastes juízes com critérios injustos?

Meus queridos irmãos, escutai: não escolheu Deus os pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam?

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mc 7,31-37

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Marcos:

Naquele tempo, Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole.

Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a língua dele. Olhando para o céu, suspirou e disse: "Efatá!", que quer dizer: "Abre-te!"

Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade.

Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. Muito impressionados, diziam: "Ele tem feito bem todas as coisas: aos surdos faz ouvir e aos mudos falar".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

O fio condutor das leituras da celebração de hoje é acolher a opção de Deus pelos mais pobres. Na Primeira Leitura, o profeta Isaías anuncia a vinda de Deus para salvar o povo de suas angústias e da opressão. A ação de Deus é uma ação libertadora e transformadora. Tudo se renovará. Por isso, não podemos nos deixar abater pelo desânimo, pelo cansaço e pelo medo. O que o povo pode esperar da parte de Deus é que irrompam a verdade, a alegria e a paz. O Reino vai chegar!

Da mesma forma, a Segunda Leitura, da Carta de Tiago, diz que esse Reino tem como destinatários os pobres. Tiago afirma que Deus escolheu os que são pobres aos olhos deste mundo para torná-los ricos na fé e herdeiros do Reino prometido. Por serem herdeiros do Reino, os pobres devem ser respeitados em sua dignidade. A Comunidade cristã não pode excluir e marginalizar os pobres, favorecendo os mais ricos. Seria ir na contramão das propostas de Jesus. Ele veio reafirmar o que tinha sido dito pelo profeta Isaías: "Não tenham medo! Sejam fortes! Deus está chegando!" O olhar da fé nos ajuda a saber acolher essa presença de Deus e a perceber os sinais transformadores feitos por Ele na vida.

Viver no Espírito de Jesus é deixar-se transformar pela ação libertadora de Deus. No Evangelho, Jesus acolhe um homem excluído devido a suas deficiências: surdo e quase mudo. A missão de Jesus é levar a Criação de Deus à sua plenitude. Por isso, ele mistura sua saliva com a terra, com o pó. É uma volta à argila original, conforme o livro do Gênesis: "você é pó e ao pó voltará" (Gn 3,19). Jesus está começando uma nova criação. A saliva, a água que sai da boca de Jesus, é o Evangelho. Mas também simboliza o nosso batismo.

A ação criadora de Jesus restaura os ouvidos e a voz do homem deficiente. Ele se torna capaz de ouvir e de falar. A nova criação trazida por Jesus restaura a vida das pessoas. Jesus veio superar nossas deficiências e nos torna capazes de ouvir bem a Palavra para que possamos proclamar seu Evangelho.

Toda a mensagem deste domingo se concentra no Salmo de Meditação, que canta a vitória do Reinado de Deus a favor dos pobres. O projeto de Deus quer restaurar a vida dos pobres: e é mais forte do que qualquer projeto humano. O Salmo canta a ação criadora de Deus manifestada na justiça divina em favor dos pobres: oprimidos, famintos, prisioneiros, cegos, encurvados, estrangeiros, órfãos e viúvas. Esse é também o cerne do Evangelho de Jesus. 

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

 

Oração da Comunidade

Senhor, nosso Deus, vinde ao nosso encontro com vossa ternura e misericórdia, e acolhei vosso povo que vos clama:

Em vossa misericórdia, ouvi-nos, Senhor!

 

1. Conduzi-nos, Senhor, no caminho do Evangelho de vosso Filho, e fazei-nos fiéis à verdade de vosso Reino, nós vos rogamos:

Em vossa misericórdia, ouvi-nos, Senhor!

 

2. Dissipai de nossas Comunidades o medo e a insegurança do compromisso com vosso Reino, para que vivamos corajosamente nossa fé, nós vos rogamos:

Em vossa misericórdia, ouvi-nos, Senhor!

 

3. Fortalecei, Senhor, as lideranças de nossas Comunidades eclesiais, a fim de que sejam acolhedoras, misericordiosas e sempre dadas à caridade, nós vos rogamos:

Em vossa misericórdia, ouvi-nos, Senhor!

 

4. Inspirai os Ministros de vossa Igreja e todos os que têm compromissos maiores com vosso Reino, para que sejam humildes e servidores e não se sintam seduzidos pelo poder e distinção, nós vos rogamos:

Em vossa misericórdia, ouvi-nos, Senhor!

 

5. Outras intenções...

 

Atendei, Senhor, nosso Deus, os pedidos que vos manifestamos e os que estão em nosso coração, se estiverem de acordo com vossa vontade. Vós, que viveis e reinais para sempre.

Amém.

 

 

Oração do Laicato

Ó Trindade Santíssima, amor pleno e eterno, que estabelecestes a Igreja como vossa "imagem terrena": Nós vos agradecemos pelos dons e carismas, vocações, ministérios e serviços que todos os membros de vosso povo realizam como "Igreja em saída", para o bem comum, a missão evangelizadora e a transformação social, em vista de vosso Reino.

Nós vos louvamos pela presença e organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil, sujeitos eclesiais, testemunhas de fé, santidade e ação transformadora.

Nós vos pedimos que todos os batizados atuem como sal da terra e luz do mundo: na família e no trabalho, na política e na economia, nas ciências e nas artes, na educação, na cultura e nos meios de comunicação; na cidade, no campo e em todo o planeta, nossa "casa comum".

Nós vos rogamos que todos contribuam para que os cristãos leigos e leigas compreendam sua vocação e identidade, espiritualidade e missão, e atuem de forma organizada na Igreja e na sociedade, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres.

Isto vos suplicamos pela intercessão da Sagrada Família, Jesus, Maria e José, modelos para todos os cristãos. Amém.

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil