01/09/2019

22º Domingo do Tempo Comum

"Participar na mesa do Reino!"

 

 

Deus nos reúne para partilharmos de sua mesa. Na celebração eucarística descobrimos que é nossa missão promover a comunhão e a fraternidade. A Igreja não pode ser um grupo de pessoas fechadas e que se acham superioras às outras. Os cristãos devem aprender com o Mestre a respeitar cada pessoa, acolhendo, sobretudo, os que nada possuem. Nisso consiste a verdadeira felicidade: amar e servir na gratuidade.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

Grande virtude é a humildade. Apenas os corações humildes alcançam reconhecer plenamente a ação de Deus em sua vida. Em Jesus, verdadeiro exemplo de gratuidade e de mansidão, encontramos a inspiração para a acolher e repartir com nossos semelhantes os nossos dons.  

 

 

1ª Leitura - Eclo 3,19-21.30-31

Leitura do Livro do Eclesiástico:

Filho, realiza teus trabalhos com mansidão e serás amado mais do que um homem generoso. Na medida em que fores grande, deverás praticar a humildade, e assim encontrarás graça diante do Senhor. Muitos são altaneiros e ilustres, mas é aos humildes que ele revela seus mistérios. Pois grande é o poder do Senhor, mas ele é glorificado pelos humildes.

Para o mal do orgulhoso não existe remédio, pois uma planta de pecado está enraizada nele, e ele não compreende. O homem inteligente reflete sobre as palavras dos sábios, e com ouvido atento deseja a sabedoria.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 67

Com carinho preparastes uma mesa para o pobre.

 

Os justos se alegram na presença do Senhor, rejubilam satisfeitos e exultam de alegria! Cantai a Deus, a Deus louvai, cantai um salmo a seu nome! O seu nome é Senhor: exultai diante dele!

 

Dos órfãos ele é pai, e das viúvas protetor: é assim o nosso Deus em sua santa habitação. É o Senhor quem dá abrigo, dá um lar aos deserdados, quem liberta os prisioneiros e os sacia com fartura.

 

Derramastes lá do alto uma chuva generosa, e vossa terra, vossa herança, já cansada, renovastes; e ali vosso rebanho encontrou sua morada; com carinho preparastes essa terra para o pobre. 

 

 

2ª Leitura - Hb 12,18-19.22-24a

Leitura da Carta aos Hebreus:

Irmãos: Vós não vos aproximastes de uma realidade palpável: "fogo ardente e escuridão, trevas e tempestade, som da trombeta e voz poderosa", que os ouvintes suplicaram não continuasse.

Mas vós vos aproximastes do monte Sião e da cidade do Deus vivo, a Jerusalém celeste; da reunião festiva de milhões de anjos; da assembleia dos primogênitos, cujos nomes estão escritos nos céus; de Deus, o Juiz de todos; dos espíritos dos justos, que chegaram à perfeição; de Jesus, mediador da nova aliança. 

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Lc 14,1.7-14

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Lucas:

Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam. Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então contou-lhes uma parábola:

"Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: 'Dá o lugar a ele'. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar. Mas, quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: 'Amigo, vem mais para cima'. E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. Porque quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado".

E disse também a quem o tinha convidado: "Quando tu deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa. Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos. Então tu serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Nossa sociedade valoriza as posições sociais, a riqueza ostensiva, o consumo desenfreado. Muitos, através de sua riqueza, manifestam força e poder. Essa ligação entre riqueza e poder lança muita gente na corrupção e no roubo. A mensagem deste domingo propõe uma outra atitude: aprender a viver dentro de nossos limites humanos, com humildade e modéstia.

A Primeira Leitura, tirada do livro do Eclesiástico, ressalta a importância da modéstia, da humildade e da caridade. Somos convidados a ver de maneira simples, controlando as ambições, generosos para com as pessoas que necessitam de nossos gestos de amor e de fraternidade. É viver na sabedoria dos simples e humildes, sem se deixar corromper pelos apelos do consumismo. Essa sabedoria de vida vence a soberba dos poderosos.

O Salmo de Meditação é uma ação de graças que recorda a presença de Deus caminhando com seu povo ao longo da história. Nessa caminhada, Deus se coloca ao lado dos pobres e indefesos, dos simples e oprimidos.

No Evangelho, Jesus está num banquete, na casa de um fariseu. Ele percebe que as pessoas convidadas lutam pelos primeiros lugares. Todos querem ser notados pelo dono da festa e brigam para se destacar dos demais. Naquela sociedade, uma posição privilegiada era sinal de honra e poder. Através de uma parábola, Jesus ensina que a verdadeira honra para uma pessoa está na demonstração de humildade, sem lutar para aparecer diante dos outros. A pessoa vale aquilo que ela é diante de Deus, e nada mais. E Jesus conclui: quem se eleva será humilhado e quem se humilha será exaltado (Lc 14,11).

Depois, Jesus se dirige ao anfitrião que tinha convidado os demais. Naquela sociedade, dar um banquete era uma forma de troca mútua entre pessoas ricas. O anfitrião convidava gente de sua própria categoria, esperando futura retribuição. Jesus ensina que a verdadeira caridade se traduz em gestos gratuitos. O amor não pode reduzir-se a um comércio de trocas e permutas, mas deve expressar-se em gestos de caridade na total generosidade. A verdadeira felicidade está em ajudar pessoas que não têm como retribuir.

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters

Folheto litúrgico Deus Conosco - Ed.Santuário (01/09/2019)

 

 

Preces da Comunidade

Irmãos e irmãs, tantas são nossas necessidades e nada podemos realizar sem o auxílio de Deus. Elevemos, com confiança, ao Pai, fonte de todo bem e toda graça, nossas súplicas.

 

1. Inspirai, Senhor, nosso Papa, nossos bispos e todos os outros ministros e ministras de vossa Igreja, para que se dediquem com humildade no anúncio da vossa Palavra, nós vos suplicamos.

- Ouvi, Senhor, nossa oração!

 

2. Iluminai, Senhor, todas as Comunidades, grupos e famílias que se reúnem para ler e refletir sobre vossa Palavra, ensinando-lhes a proclamar com a própria vida a mensagem que de vós recebem, nós vos suplicamos.

- Ouvi, Senhor, nossa oração!

 

3. Acompanhai, Senhor, e dai coragem a todos aqueles que se dedicam na promoção do bem, servindo-vos nos mais necessitados e sofredores deste mundo, nós vos suplicamos.

- Ouvi, Senhor, nossa oração!

 

4. Tirai, Senhor, do nosso coração toda pretensão de reconhecimento e de engrandecimento, ajudando-nos a descobrir na vida humilde nossa verdadeira alegria, nós vos suplicamos.

- Ouvi, Senhor, nossa oração!

 

5. Outras intenções...

 

Bom Deus, vós conheceis profundamente nossa vida e sabeis quais são nossas necessidades. Dai-nos a paciência e a coragem necessárias para resistirmos às provações que encontramos em nossa jornada. Isso vos pedimos por Cristo, nosso Senhor.

- Amém.

 

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil