02/09/2018

Ano do Laicato: "Sal da terra e Luz do mundo" (Mt 5,13-14)

22º Domingo do Tempo Comum

"Sede praticantes da Palavra!"

 

 

A Palavra do Senhor nos chama para colocar nosso ouvido no coração de Deus e escutá-lo com atenta docilidade. Se há dificuldades grandes no mundo, perguntemo-nos: somos ouvintes ou praticantes da Palavra? A Palavra é portadora de sabedoria divina que nos capacita para superar o mal do mundo e faz a vida ter sentido. Nesta Eucaristia, deixemo-nos tocar pelos ensinamentos de Jesus.  

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

A verdadeira religião nasce da vivência da Palavra de Deus. Quem se deixa guiar por Jesus Cristo supera os costumes e tradições que escravizam e matam. A fé verdadeira muda as atitudes do coração. Acolhamos a Palavra da verdade que nos liberta. 

 

 

1ª Leitura - Dt 4,1-2.6-8

Leitura do Livro do Deuteronômio:

Moisés falou ao povo, dizendo: "Agora, Israel, ouve as leis e os decretos que eu vos ensino a cumprir, para que, fazendo-o, vivais e entreis na posse da terra prometida pelo Senhor Deus de vossos pais.

Nada acrescenteis, nada tireis à palavra que vos digo, mas guardai os mandamentos do Senhor, vosso Deus, que vos prescrevo.

Vós os guardareis, pois, e os poreis em prática, porque neles está vossa sabedoria e inteligência perante os povos, para que, ouvindo todas estas leis, digam: 'Na verdade, é sábia e inteligente esta grande nação!'

Pois, qual é a grande nação cujos deuses lhe são tão próximos, como o Senhor nosso Deus, sempre que o invocamos? E que nação haverá tão grande que tenha leis e decretos tão justos, como esta lei que hoje vos ponho diante dos olhos?"

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 14

Senhor, quem morará em vossa casa e no vosso monte santo habitará?

 

É aquele que caminha sem pecado e pratica a justiça fielmente; que pensa a verdade no seu íntimo e não solta em calúnias sua língua.

 

Que em nada prejudica o seu irmão, nem cobre de insultos seu vizinho; que não dá valor algum ao homem ímpio, mas honra os que respeitam o Senhor.

 

Não empresta o seu dinheiro com usura, nem se deixa subornar contra o inocente. Jamais vacilará quem vive assim! 

 

 

2ª Leitura - Tg 1,17-18.21b-22.27

Leitura da Carta de São Tiago:

Irmãos bem-amados: Todo dom precioso e toda dádiva perfeita vêm do alto; descem do Pai das luzes, no qual não há mudança nem sombra de variação. De livre vontade ele nos gerou, pela Palavra da verdade, a fim de sermos como que as primícias de suas criaturas.

Recebei com humildade a Palavra que em vós foi implantada, e que é capaz de salvar as vossas almas.

Todavia, sede praticantes da Palavra e não meros ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Com efeito, a religião pura e sem mancha diante de Deus Pai é esta: assistir os órfãos e as viúvas em suas tribulações e não se deixar contaminar pelo mundo. 

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mc 7,1-8.14-15.21-23

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Marcos:

Naquele tempo, os fariseus e alguns mestres da Lei vieram de Jerusalém e se reuniram em torno de Jesus. Eles viam que alguns dos seus discípulos comiam o pão com as mãos impuras, isto é, sem as terem lavado. Com efeito, os fariseus e todos os judeus só comem depois de lavar bem as mãos, seguindo a tradição recebida dos antigos. Ao voltar da praça, eles não comem sem tomar banho. E seguem muitos outros costumes que receberam por tradição: a maneira certa de lavar copos, jarras e vasilhas de cobre.

Os fariseus e os mestres da Lei perguntaram então a Jesus: "Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, mas comem o pão sem lavar as mãos?"

Jesus respondeu: "Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas, como está escrito: 'Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim. De nada adianta o culto que me prestam, pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos'. Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens".

Em seguida, Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: "Escutai, todos, e compreendei: o que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. Todas estas coisas más saem de dentro, e são elas que tornam impuro o homem".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

As leituras de hoje nos oferecem uma orientação sobre a observância da Lei de Deus. Na época de Jesus, a religião oficial, mantida e defendida pelos sacerdotes, escribas e fariseus acentuava a observância das antigas tradições. Entre as obrigações dessa Tradição estava a participação das pessoas nos cultos celebrados no templo de Jerusalém ou nas sinagogas espalhadas pelas cidades do país. O objetivo dessa prática religiosa era manter viva no povo a esperança da realização das promessas na vinda do Reino de Deus.

Com o tempo, essa religião oficial foi se reduzindo à observância das rigorosas regras de pureza, gerando uma série de leis e normas que deveriam ser praticadas sem discussão. Tais imposições tornaram a religião um peso, que fazia o povo sofrer. Jesus condenou essas práticas religiosas, acusando as autoridades de reduzirem a religião a rituais vazios e sem vida, que mantinham o povo numa prisão em nome de Deus. As autoridades religiosas, escribas e fariseus, estavam mais preocupadas com o rigor litúrgico do que com a vivência do perdão, da caridade e da misericórdia. Esqueceram, como diz o Livro do Deuteronômio na Primeira Leitura, que observar a Lei de Deus implica na vivência prática dos mandamentos.

Ao reduzir a religião a uma preocupação com a pureza ritual, os fariseus ameaçavam o povo com a exclusão e a marginalização. A impureza ameaçava de todos os lados. O pecado e o mal estavam presentes nas atividades mais simples e cotidianas das pessoas como, por exemplo, lavar as mãos. O povo, em vez de sentir-se bem diante de Deus, passou a viver com a consciência pesada, pois não conseguia observar os rigores da Lei. Era uma prática religiosa que não permitia que as pessoas entrassem no Reino, nem alcançassem a liberdade dos filhos de Deus.

Na Segunda Leitura, a Carta de Tiago chama a atenção para a verdadeira religião trazida e proposta por Jesus. A essência da vida cristã é acolher a Palavra de Jesus transmitida no Evangelho e colocá-la em prática. Nossa fé não se resume a exuberantes liturgias, nem em doutrinas rígidas. Regras, muitas vezes, bem decoradas, mas nem sempre assumidas. Nossa fé cristã está centrada no mandamento do amor. Essa fé traz um compromisso que exige atitudes firmes e concretas, com consequências práticas para nossa vida de cada dia.

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

 

Oração da Comunidade

A Palavra de Deus é portadora de sabedoria e de solidariedade. Tornai-nos corajosos e fecundos, Senhor, na vivência da vossa Palavra e no testemunho de solidariedade com os necessitados. Confiantes, nós vos pedimos:

Fazei-nos, Senhor, instrumentos de vossa Palavra!

 

1. Fazei, Senhor, que vossa Igreja se abra sempre mais ao vosso amor misericordioso e se torne, entre os povos e nações, testemunha eloquente da Palavra libertadora de Jesus, nós vos pedimos:

Fazei-nos, Senhor, instrumentos de vossa Palavra!

 

2. Abençoai o Santo Padre e os Ministros de vossa Igreja, para que sejam pastores zelosos, cuidando com misericórdia do rebanho que lhes foi confiado, nós vos pedimos:

Fazei-nos, Senhor, instrumentos de vossa Palavra!

 

3. Confortai, Senhor, os doentes e a todos que experimentam a solidão e o abandono, que eles encontrem em nossas Comunidades acolhida e abrigo, conforto e amor, nós vos pedimos:

Fazei-nos, Senhor, instrumentos de vossa Palavra!

 

4. Amparai aqueles que em sua fragilidade e pobreza são marginalizados e excluídos, para que encontrem a solidariedade e a caridade dos cristãos, nós vos pedimos:

Fazei-nos, Senhor, instrumentos de vossa Palavra!

 

5. Outras intenções...

 

Deus de bondade, infundi em nosso coração sentimentos profundos de fé e de esperança, atendei nossos rogos e socorrei-nos em nossas necessidades. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém.

 

 

Oração do Laicato

Ó Trindade Santíssima, amor pleno e eterno, que estabelecestes a Igreja como vossa "imagem terrena": Nós vos agradecemos pelos dons e carismas, vocações, ministérios e serviços que todos os membros de vosso povo realizam como "Igreja em saída", para o bem comum, a missão evangelizadora e a transformação social, em vista de vosso Reino.

Nós vos louvamos pela presença e organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil, sujeitos eclesiais, testemunhas de fé, santidade e ação transformadora.

Nós vos pedimos que todos os batizados atuem como sal da terra e luz do mundo: na família e no trabalho, na política e na economia, nas ciências e nas artes, na educação, na cultura e nos meios de comunicação; na cidade, no campo e em todo o planeta, nossa "casa comum".

Nós vos rogamos que todos contribuam para que os cristãos leigos e leigas compreendam sua vocação e identidade, espiritualidade e missão, e atuem de forma organizada na Igreja e na sociedade, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres.

Isto vos suplicamos pela intercessão da Sagrada Família, Jesus, Maria e José, modelos para todos os cristãos. Amém.

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil