04/08/2019

18º Domingo do Tempo Comum

Vocação Sacerdotal

"Tornar-se rico diante de Deus!"

 

 

Vivemos em nossas realidades hoje uma subversão de valores. Onde colocamos nossa esperança? De que vale o esforço cotidiano e as preocupações se estivermos vazios da graça de Deus que nos atrai ao necessário e ao eterno? Busquemos o Senhor e encontremos nele nosso refúgio. Valorizemos nossos bens servindo nossos irmãos, sem confiar nas posses correndo o risco da idolatria. Deixemos o que é velho para viver a novidade que é Cristo e seu ensinamento. Rezemos hoje pelas vocações Sacerdotais. 

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

Deus é o Senhor da nossa vida e de nossos bens, por isso, se colocarmos nosso coração no que é eterno, se esvai a vaidade terrena e permanece o bem celeste. Nossa segurança só é verdadeira quando nos entregamos confiantes nas mãos do Senhor que, por Jesus Cristo, nos renova, nos liberta, e nos permite refugiar-nos nele.  

 

 

1ª Leitura - Ecl 1,2;2,21-23

Leitura do Livro do Eclesiastes:

"Vaidade das vaidades, diz o Eclesiastes, vaidade das vaidades! Tudo é vaidade". Por exemplo: um homem que trabalhou com inteligência, competência e sucesso, vê-se obrigado a deixar tudo em herança a outro que em nada colaborou. Também isso é vaidade e grande desgraça.

De fato, que resta ao homem de todos os trabalhos e preocupações que o desgastam debaixo do sol? Toda a sua vida é sofrimento, sua ocupação, um tormento. Nem mesmo de noite repousa o seu coração. Também isso é vaidade.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 89

Vós fostes, ó Senhor, um refúgio para nós.

 

Vós fazeis voltar ao pó todo mortal, quando dizeis: "Voltai ao pó, filhos de Adão!" Pois mil anos para vós são como ontem, qual vigília de uma noite que passou.

 

Eles passam como o sono da manhã, são iguais à erva verde pelos campos: de manhã ela floresce vicejante, mas à tarde é cortada e logo seca.

 

Ensinai-nos a contar os nossos dias, e dai ao nosso coração sabedoria! Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis? Tende piedade e compaixão de vossos servos!

 

Saciai-nos de manhã com vosso amor, e exultaremos de alegria todo o dia! Que a bondade do Senhor e nosso Deus repouse sobre nós e nos conduza! Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho. 

 

 

2ª Leitura - Cl 3,1-5.9-11

Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses:

Irmãos: Se ressuscitastes com Cristo, esforçai-vos por alcançar as coisas do alto, onde está Cristo, sentado à direita de Deus; aspirai às coisas celestes e não às coisas terrestres. Pois vós morrestes, e a vossa vida está escondida, com Cristo, em Deus. Quando Cristo, vossa vida, aparecer em seu triunfo, então vós aparecereis também com ele, revestidos de glória.

Portanto, fazei morrer o que em vós pertence à terra: imoralidade, impureza, paixão, maus desejos e a cobiça, que é idolatria.

Não mintais uns aos outros. Já vos despojastes do homem velho e da sua maneira de agir e vos revestistes do homem novo, que se renova segundo a imagem do seu Criador, em ordem ao conhecimento.

Aí não se faz distinção entre grego e judeu, circunciso e incircunciso, inculto, selvagem, escravo e livre, mas Cristo é tudo em todos. 

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Lc 12,13-21

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Lucas:

Naquele tempo, alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: "Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo".

Jesus respondeu: "Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?"

E disse-lhes: "Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens".

E contou-lhes uma parábola: "A terra de um homem rico deu uma grande colheita. Ele pensava consigo mesmo: 'O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita'.

Então resolveu: 'Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!'

Mas Deus lhe disse: 'Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?' Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Existe um fio condutor entre as leituras da celebração de hoje. Tudo pode ser resumido nesta frase de Jesus: a vida humana não depende dos bens acumulados (Lc 12,15). A Primeira Leitura, tirada do livro do Eclesiastes, lembra que a vida é passageira. Não devemos nos iludir, acumulando coisas e bens que não poderemos desfrutar. Para que deixar-se guiar pela ganância e pela cobiça?

Nessa mesma linha vai o Salmo de meditação. O salmista constata a brevidade e a fragilidade da vida humana diante da grandeza da criação de Deus. Diante da exuberante natureza, a vida humana não passa de um sopro, ilusório e passageiro: o máximo, oitenta anos! O que torna essa vida humana mais curta, mesquinha e inútil, é que a maior parte do tempo nós passamos acumulando bens e riquezas, vivendo entre erros e culpas, mergulhando na triste realidade do pecado da ganância e do egoísmo. Uma vida assim, corrompida pelo dinheiro, nada pode diante da justiça divina.

No Evangelho de hoje, Jesus  é convidado a ser juiz numa disputa entre irmãos pelos bens deixados pelo pai deles. Jesus não aceita a provocação. Não quer ser juiz nesse assunto. E faz um alerta: cuidado com a cobiça e a ganância! Acumular riquezas não garante segurança nem nesta vida. Para esclarecer seu ensinamento, Jesus conta, então, a parábola do homem rico.

Na parábola aparece um homem que, como bom administrador, conseguiu acumular uma grande riqueza. Animado com seu sucesso, ele planeja aumentar seu patrimônio, ampliar seus celeiros e ficar cada vez mais rico. Mas toda aquela riqueza não consegue impedir sua morte prematura e inesperada. Justamente quando ele pensava que poderia viver em segurança, na tranquilidade da riqueza acumulada, a morte chegou! Mergulhado em suas preocupações materiais, iludido pela segurança dada pelo dinheiro, acabou por perder seu bem mais precioso: a vida!

O próprio Jesus nos dá a chave para entender a mensagem da parábola: "assim acontece com quem junta tesouros para si mesmo e não é rico para Deus" (Lc 12,21).

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters

Folheto litúrgico Deus Conosco - Ed.Santuário (04/08/2019)

 

 

Preces da Comunidade

Senhor Deus, tudo recebemos de vossa bondade. Ouvi, pois, vosso povo que deseja livrar-se da ganância que gera desigualdades, e vos suplica:

- Senhor, renovai-nos com vosso amor e bondade!

 

1. Senhor, sois nosso Pai; que nossos bens não nos despertem para o desejo de poder, mas estejam a serviço dos nossos irmãos. Nós vos pedimos.

- Senhor, renovai-nos com vosso amor e bondade!

 

2. Sempre estais, Senhor, ao nosso lado; saciai-nos a cada dia com vosso amor de Pai para não sermos gananciosos e, assim, oprimir nossos irmãos. Nós vos pedimos.

- Senhor, renovai-nos com vosso amor e bondade!

 

3. Caminhamos, Senhor, em vossa luz; que os cristãos busquem sempre as realidades do céu e testemunhem na terra a alegria da salvação que Cristo nos trouxe. Nós vos pedimos.

- Senhor, renovai-nos com vosso amor e bondade!

 

4. Senhor, vós que nunca nos abandonais; fazei com que os presbíteros sejam homens cheios de vossa graça e distribuam com fidelidade os tesouros da Palavra e da Eucaristia. Nós vos pedimos.

- Senhor, renovai-nos com vosso amor e bondade!

 

5. Outras intenções...

 

Senhor Deus, diante da riqueza de vossa graça e bondade, somos pobres e necessitados. Ouvi nossos pedidos e ajudai-nos a colocar nossa confiança em vós, nosso maior tesouro. Por Cristo, nosso Senhor.

- Amém.

 

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil