01/08/2021

Vocação dos Ministérios Ordenados

18º Domingo do Tempo Comum

 

 

 

Meu Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me.

Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais.

(Sl 69,2.6)

 

 

Nossa vocação batismal consiste em viver do jeito de Jesus de Nazaré. Acolhê-lo implica em deixar o homem velho e assumir as atitudes do homem novo. Aquele que acolhe Jesus como o "pão", o alimento do dia a dia, é uma nova pessoa. Que nosso encontro com Jesus, Pão da Vida, provoque em nós uma mudança radical, desperte-nos para novas atitudes, atitudes transformadoras. Sejamos homens e mulheres renovados pela graça e cheios de ardor missionário. 

  

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

Deus escuta nosso clamor e vem ao nosso encontro, sua presença nos transforma e nos sustenta com seu amor misericordioso.  

 

 

1ª Leitura - Êx 16,2-4.12-15

Leitura do Livro do Êxodo:

Naqueles dias, a comunidade dos filhos de Israel pôs-se a murmurar contra Moisés e Aarão, no deserto, dizendo: "Quem dera que tivéssemos morrido pela mão do Senhor no Egito, quando nos sentávamos junto às panelas de carne e comíamos pão com fartura! Por que nos trouxestes a este deserto para matar de fome a toda esta gente?"

O Senhor disse a Moisés: "Eis que farei chover para vós o pão do céu. O povo sairá diariamente e só recolherá a porção de cada dia, a fim de que eu o ponha à prova, para ver se anda ou não na minha lei. Eu ouvi as murmurações dos filhos de Israel. Dize-lhes, pois: 'Ao anoitecer, comereis carne, e pela manhã vos fartareis de pão. Assim sabereis que eu sou o Senhor, vosso Deus'".

Com efeito, à tarde, veio um bando de codornizes e cobriu o acampamento; e, pela manhã, formou-se uma camada de orvalho ao redor do acampamento.

Quando se evaporou o orvalho que caíra, apareceu na superfície do deserto uma coisa miúda, em forma de grãos, fina como a geada sobre a terra.

Vendo aquilo, os filhos de Israel disseram entre si: "Que é isto?" Porque não sabiam o que era. Moisés respondeu-lhes: "Isto é o pão que o Senhor vos deu como alimento".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 77

O Senhor deu a comer o pão do céu.

 

Tudo aquilo que ouvimos e aprendemos, e transmitiram para nós os nossos pais, não haveremos de ocultar a nossos filhos, mas à nova geração nós contaremos: as grandezas do Senhor e seu poder.

 

Ordenou, então, às nuvens lá dos céus, e as comportas das alturas fez abrir; fez chover-lhes o maná e alimentou-os, e lhes deu para comer o pão do céu.

 

O homem se nutriu do pão dos anjos, e mandou-lhes alimento em abundância; conduziu-os para a Terra Prometida, para o Monte que seu braço conquistou.  

 

 

2ª Leitura - Ef 4,17.20-24

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios:

Irmãos: Eis, pois, o que eu digo e atesto no Senhor: não continueis a viver como vivem os pagãos, cuja inteligência os leva para o nada.

Quanto a vós, não é assim que aprendestes de Cristo, se ao menos foi bem ele que ouvistes falar, e se é ele que vos foi ensinado, em conformidade com a verdade que está em Jesus.

Renunciando à vossa existência passada, despojai-vos do homem velho, que se corrompe sob o efeito das paixões enganadoras, e renovai o vosso espírito e a vossa mentalidade. Revesti o homem novo, criado à imagem de Deus, em verdadeira justiça e santidade. 

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Jo 6,24-35

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por João:

Naquele tempo, quando a multidão viu que Jesus não estava ali, nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum. Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe: "Rabi, quando chegaste aqui?"

Jesus respondeu: "Em verdade, em verdade, eu vos digo: estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do Homem vos dará. Pois este é quem o Pai marcou com seu selo".

Então perguntaram: "Que devemos fazer para realizar aos obras de Deus?"

Jesus respondeu: "A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou".

Eles perguntaram: "Que sinal realizas, para que possamos ver e crer em ti? Que obra fazes? Nossos pais comeram o maná no deserto, como está na Escritura: 'Pão do céu deu-lhes a comer'".

Jesus respondeu: "Em verdade, em verdade vos digo, não foi Moisés quem vos deu o pão que veio do céu. É meu Pai que vos dá o verdadeiro pão do céu. Pois o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo".

Então pediram: "Senhor, dá-nos sempre desse pão". Jesus lhes disse: "Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Nele terminam a fome e a sede de vida!

Dentre os favores concedidos por Deus ao povo de Israel, ao longo da história, um dos mais marcantes foi o dom do maná, como alimento e sustento necessário na longa caminhada de quarenta anos pelo deserto. A Primeira Leitura de hoje mostra como esse alimento foi concedido. Por causa da fome, o povo estava disposto até mesmo a renunciar à própria liberdade e retornar à condição de escravo no Egito para ter novamente alimento com fartura. Por isso, houve murmúrio contra Moisés. Como resposta, Deus concedeu o dom do maná, o pão necessário de cada dia, enquanto o povo não chegava à terra prometida para trabalhar e produzir o próprio alimento.

Da certeza de que Deus provê o alimento necessário para o seu povo, a Bíblia passa a usar a fome e a sede como imagens da necessidade de Deus na vida das pessoas. É uma forma catequética de afirmar que Deus é essencial e, portanto, o ser humano não pode viver sem Ele. Muitas incompreensões surgiram nesse sentido, fazendo inclusive o povo esquecer a origem divina do maná, atribuindo-o a Moisés. Jesus, no Evangelho, corrige esse erro: o pão comido pelos antepassados no deserto não foi dado por Moisés, mas pelo próprio Deus; porém, o maná era um alimento de efeito passageiro, quem o comia sentia fome de novo.

Jesus sabia que a multidão que o cercava, ainda maravilhada com o sinal da multiplicação dos pães (Evangelho do domingo passado), estava se esforçando em vão, buscando novamente um alimento de efeito passageiro, quando Deus já tinha dado um "alimento que permanece para a vida eterna" (Jo 6,27): Ele mesmo, "o pão da vida" (Jo 6,35a). Todos têm acesso a esse pão, ele é gratuito, abundante e portador de vida. Basta ter fé para recebê-lo. Seus efeitos são perenes, não mata a fome e sede por apenas algumas horas, como o maná.

Jesus assegura que quem o recebe como alimento nunca mais terá fome, e quem nele crê, nunca mais terá sede (Jo 6,32b). Com essa certeza, confirma-se a mensagem da Segunda Leitura: a passagem do velho ao novo; quem se deixa alimentar e saciar por Jesus se torna uma nova pessoa. É essa passagem que queremos fazer, e só é possível se acolhermos Jesus e sua mensagem como alimento verdadeiro para a nossa vida.

Rezemos hoje pelas vocações aos ministérios ordenados, especialmente por todos os sacerdotes que nos proporcionam a graça de receber semanalmente o alimento que faz terminar a nossa fome e sede de vida: a Eucaristia.     

Pe. Francisco Cornélio Freire Rodrigues - Diocese de Mossoró-RN

Deus Conosco Semanário Litúrgico - Ed.Santuário (01/08/2021)

 

 

Preces da Comunidade

Confiantes no Senhor, nosso Deus, que nos alimenta com seu amor e nos fortalece com sua graça para transformar o mundo, peçamos com fé:

- Ouvi, Senhor, nosso clamor!

 

1. Sustentai o Santo Padre, os bispos, os padres e os diáconos em seu serviço ministerial a fim de que possam levar a todos o Pão da Palavra e da Eucaristia, nós vos pedimos, confiantes.

- Ouvi, Senhor, nosso clamor!

 

2. Despertai em cada um de nós o desejo de compreender vosso chamado e que todos possamos viver nossa vocação e missão na Igreja e no mundo, nós vos pedimos, confiantes.

- Ouvi, Senhor, nosso clamor!

 

3. Fazei nascer, Senhor, nas famílias e Comunidades, novas vocações para os ministérios ordenados, e que sejam generosas na caridade e no ardor missionário, nós vos pedimos, confiantes.

- Ouvi, Senhor, nosso clamor!

 

4. Conservai na alegria e no esforço missionário os cristãos leigos, e que eles sejam sal, fermento e luz no mundo, nós vos pedimos, confiantes.

- Ouvi, Senhor, nosso clamor!

 

5. Outras intenções...

 

Senhor Deus, reconhecemos vosso infinito amor para conosco, vosso povo, e vos bendizemos pelos incontáveis benefícios de vossa misericórdia. Por Cristo, vosso Filho e Senhor nosso.

- Amém.  

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil