28/07/2019

17º Domingo do Tempo Comum

"No Espírito clamamos: Abá, Pai!"

 

 

Jesus, com o coração transbordante de afeto e de ternura, ensina seus discípulos a rezarem. A oração é entrega confiante ao Pai, é perseverança no amor e na verdade do Reino. Fomos inseridos por Jesus na filiação divina, e por isso podemos chamar a Deus de Abá! Pai! Os humildes e os pobres sabem reconhecer a paternidade divina e agradecer ao Senhor que os escuta: "Naquele dia em que gritei, vós me escutastes". Na prece, caminhemos confiantes no Senhor.  

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

A oração é uma relação de confiança com Deus, reconhecendo-o como Senhor presente e que participa de nossa história. Jesus ensinou aos discípulos e, hoje, nos diz que viver na presença de Deus e assumir os fatos e acontecimentos, é rezar com autenticidade. Escutemos a Palavra.  

 

 

1ª Leitura - Gn 18,20-32

Leitura do Livro do Gênesis:

Naqueles dias, o Senhor disse a Abraão: "O clamor contra Sodoma e Gomorra cresceu, e agravou-se muito o seu pecado. Vou descer para verificar se as suas obras correspondem ou não ao clamor que chegou até mim".

Partindo dali, os homens dirigiram-se a Sodoma, enquanto Abraão ficou na presença do Senhor.

Então, aproximando-se, disse Abraão: "Vais realmente exterminar o justo com o ímpio? Se houvesse cinquenta justos na cidade, acaso irias exterminá-los? Não pouparias o lugar por causa dos cinquenta justos que ali vivem? Longe de ti agir assim fazendo morrer o justo com o ímpio, como se o justo fosse igual ao ímpio. Longe de ti! O juiz de toda a terra não faria justiça?"

O Senhor respondeu: "Se eu encontrasse em Sodoma cinquenta justos, pouparia por causa deles a cidade inteira".

Abraão prosseguiu dizendo: "Estou sendo atrevido em falar a meu Senhor, eu, que sou pó e cinza. Se dos cinquenta justos faltassem cinco, destruirias por causa dos cinco a cidade inteira?" O Senhor respondeu: "Não destruiria, se achasse ali quarenta e cinco justos".

Insistiu ainda Abraão e disse: "E se houvesse quarenta?"

Ele respondeu: "Por causa dos quarenta, não o faria".

Abraão tornou a insistir: "Não se irrite o meu Senhor, se ainda falo. E se houvesse apenas trinta justos?" Ele respondeu: "Também não o faria, se encontrasse trinta".

Tornou Abraão a insistir: "Já que me atrevi a falar a meu Senhor, e se houver vinte justos?"

Ele respondeu: "Não a iria destruir por causa dos vinte".

Abraão disse: "Que o meu Senhor não se irrite, se eu falar só mais uma vez: e se houvesse apenas dez?" Ele respondeu: "Por causa dos dez, não a destruiria".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 137

Naquele dia em que gritei, vós me escutastes, ó Senhor!

 

Ó Senhor, de coração eu vos dou graças, porque ouvistes as palavras dos meus lábios! Perante os vossos anjos vou cantar-vos e ante o vosso templo vou prostrar-me.

 

Eu agradeço vosso amor, vossa verdade, porque fizestes muito mais que prometestes; naquele dia em que gritei, vós me escutastes e aumentastes o vigor da minha alma.

 

Altíssimo é o Senhor, mas olha os pobres, e de longe reconhece os orgulhosos. Se no meio da desgraça eu caminhar, vós me fazeis tornar à vida novamente; quando os meus perseguidores me atacarem e com ira investirem contra mim, estendereis o vosso braço em meu auxílio e havereis de me salvar com vossa destra.

 

Completai em mim a obra começada; ó Senhor, vossa bondade é para sempre! Eu vos peço: não deixeis inacabada esta obra que fizeram vossas mãos! 

 

 

2ª Leitura - Cl 2,12-14

Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses:

Irmãos: Com Cristo fostes sepultados no batismo; com ele também fostes ressuscitados por meio da fé no poder de Deus, que ressuscitou a Cristo dentre os mortos. Ora, vós estáveis mortos por causa dos vossos pecados, e vossos corpos não tinham recebido a circuncisão, até que Deus vos trouxe para a vida, junto com Cristo, e a todos nós perdoou os pecados.

Existia contra nós uma conta a ser paga, mas ele a cancelou, apesar das obrigações legais, e a eliminou, pregando-a na cruz. 

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Lc 11,1-13

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Lucas:

Jesus estava rezando num certo lugar. Quando terminou, um de seus discípulos pediu-lhe: "Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos".

Jesus respondeu: "Quando rezardes, dizei: 'Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino. Dá-nos a cada dia o pão de que precisamos, e perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores; e não nos deixeis cair em tentação'".

E Jesus acrescentou: "Se um de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia noite e lhe disser: 'Amigo, empresta-me três pães, porque um amigo meu chegou de viagem e nada tenho para lhe oferecer', e se o outro responder lá de dentro: 'Não me incomodes! Já tranquei a porta, e meus filhos e e eu já estamos deitados; não me posso levantar para te dar os pães'; eu vos declaro: mesmo que o outro não se levante para dá-los porque é seu amigo, vai levantar-se ao menos por causa da impertinência dele e lhe dará quanto for necessário.

Portanto, eu vos digo: pedi e recebereis; procurai e encontrareis; batei e vos será aberto. Pois quem pede, recebe; quem procura, encontra; e, para quem bate, se abrirá.

Será que algum de vós, que é pai, se o filho lhe pedir um peixe, lhe dará uma cobra? Ou ainda, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!"

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

O fio condutor das leituras da celebração de hoje é a oração insistente. Jesus ensina que devemos ser perseverantes na oração. Essa insistência revela nossa confiança na ação libertadora de Deus em nossas vidas.

Na Primeira Leitura, Deus anuncia a Abraão que a maldade das cidades de Sodoma e Gomorra chegou a um nível insuportável e que ambas merecem um castigo vindo dos céus. Tal ameaça da parte de Deus deixou Abraão inquieto. Será que o Deus da justiça cometerá um ato tão violento no qual até os justos perecerão da mesma maneira que os injustos? Onde está a justiça de Deus para os justos?

Abraão resolve, então interceder pelos justos que habitam nas duas cidades. Começa um diálogo, que na verdade, é um teste para a paciência divina. Partindo da suposta existência de cinquenta justos, Abraão vai descendo o número até chegar a uma possível existência de dez justos. Deus acolhe com paciência a insistência de Abraão. A resposta de Deus é definitiva: enquanto houver justos numa cidade, não haverá destruição. A presença de um único justo impede qualquer castigo da parte de Deus.

No Evangelho, Jesus nos ensina a rezar. Ele elabora um pequeno salmo, reunindo frases simples e diretas. A versão do Pai-Nosso que temos em Lucas é menor do que a versão que temos em Mateus, a que mais estamos acostumados a rezar. Na sua oração, Jesus mostra que devemos ter uma intimidade com Deus, chamando-o de Pai. Nossa oração deve ser feita de frases curtas, sem muito palavreado vazio. Queremos que o Nome de Deus seja reverenciado; que o Reino venha; que a sua vontade seja realizada; que nos seja garantido o pão necessário; que nossos pecados sejam perdoados; que sejamos misericordiosos com o próximo e que nunca abandonemos o caminho de Jesus. Tudo bem simples e direto.

Semelhantes a Abraão, saibamos insistir em nossos pedidos! Se sabemos atender bem aos pedidos de nossos filhos e de nossos amigos, quanto mais irá nos atender, em sua bondade, o Pai que está nos céus. A  oração insistente, perseverante e confiante agrada a nosso Senhor e Pai.

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters

Folheto litúrgico Deus Conosco - Ed.Santuário (28/07/2019)

 

 

Preces da Comunidade

Ó Senhor, Deus de bondade, a vós apresentamos nossas súplicas. Só em vós encontramos o alento que precisamos e a vida que desejamos. Escutai-nos.

 

1. Fazei com que vossa Igreja, conduzida por vosso Santo Espírito, seja fiel colaboradora de vosso Reino, nós vos suplicamos, Senhor.

- Ouvi, Senhor, o clamor de vossos filhos e filhas!

 

2. Despertai nossas Comunidades na prática orante, e que elas façam da vida uma oração autêntica, vivendo os valores de vosso Reino, nós vos suplicamos, Senhor.

- Ouvi, Senhor, o clamor de vossos filhos e filhas!

 

3. Educai os responsáveis de nossa sociedade na prática do bem e da justiça equitativa, para que não falte o pão na mesa das famílias e dos mais necessitados, nós vos suplicamos, Senhor.

- Ouvi, Senhor, o clamor de vossos filhos e filhas!

 

4. Libertai-nos de nossas contradições e fortalecei-nos na verdade de Cristo, nós vos suplicamos, Senhor.

- Ouvi, Senhor, o clamor de vossos filhos e filhas!

 

5. Outras intenções...

 

Ó Pai Nosso, todos os que recorrem a vós com sinceridade, alcançam vosso auxílio. Acolhei, pois, o que vos pedimos confiantes. Vós, que sois nosso Deus, e viveis e reinais para sempre.

- Amém.

 

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil