01/07/2018

Solenidade de São Pedro e São Paulo Apóstolos

"Unidos pela coroa do martírio!"

 

 

Cristo deseja que seu Evangelho seja plenamente anunciado e chegue a todos os povos. Porém, sua Palavra é revolucionária: incomoda, propõe justiça, fraternidade, e não aceita a iniquidade, nem injustiças. Os anunciadores do Evangelho de ontem e de hoje enfrentam adversidades e, às vezes, são até perseguidos. Mas a fé em Cristo não os deixa desanimar. E Deus os protege e dá-lhes o necessário para que permaneçam firmes e fiéis. Celebremos, pois, com fervor os Apóstolos Pedro e Paulo, colunas da Igreja de Cristo.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

A Palavra é fonte de vida e de salvação, e vem nos ensinar a professar a mesma fé de Pedro: "Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo". Em nossa vida cristã e de Comunidade sejamos, pois, testemunhas da verdade de Cristo, como Paulo a testemunhou.  

 

 

1ª Leitura - At 12,1-11

Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Naqueles dias, o rei Herodes prendeu alguns membros da Igreja, para torturá-los. Mandou matar à espada Tiago, irmão de João. E, vendo que isso agradava aos judeus, mandou também prender a Pedro. Eram os dias dos Pães ázimos.

Depois de prender Pedro, Herodes colocou-o na prisão, guardado por quatro grupos de soldados, com quatro soldados cada um. Herodes tinha a intenção de apresentá-lo ao povo, depois da festa da Páscoa. Enquanto Pedro era mantido na prisão, a Igreja rezava continuamente a Deus por ele.

Herodes estava para apresentá-lo. Naquela mesma noite, Pedro dormia entre dois soldados, preso com duas correntes; e os guardas vigiavam a porta da prisão.

Eis que apareceu o anjo do Senhor e uma luz iluminou a cela. O anjo tocou o ombro de Pedro, acordou-o e disse: "Levanta-te depressa!" As correntes caíram-lhe das mãos. O anjo continuou: "Coloca o cinto e calça tuas sandálias!" Pedro obedeceu e o anjo lhe disse: "Põe tua capa e vem comigo!" Pedro acompanhou-o, e não sabia que era realidade o que estava acontecendo por meio do anjo, pois pensava que aquilo era uma visão. Depois de passarem pela primeira e segunda guarda, chegaram ao portão de ferro que dava para a cidade. O portão abriu-se sozinho. Eles saíram, caminharam por uma rua e logo depois o anjo o deixou. Então Pedro caiu em si e disse: "Agora sei, de fato, que o Senhor enviou o seu anjo para me libertar do poder de Herodes e de tudo o que o povo judeu esperava!"

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 33

De todos os temores me livrou o Senhor Deus.

 

Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, seu louvor estará sempre em minha boca. Minha alma se gloria no Senhor; que ouçam os humildes e se alegrem!

 

Comigo engrandecei ao Senhor Deus, exaltemos todos juntos o seu nome! Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu, e de todos os temores me livrou.

 

Contemplai a sua face e alegrai-vos, e vosso rosto não se cubra de vergonha! Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido, e o Senhor o libertou de toda angústia.

 

O anjo do Senhor vem acampar ao redor dos que o temem, e os salva. Provai e vede quão suave é o Senhor! Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!

 

 

2ª Leitura - 2Tm 4,6-8.17-18

Leitura da Segunda Carta de São Paulo a Timóteo:

Caríssimo, quanto a mim, eu já estou para ser derramado em sacrifício; aproxima-se o momento de minha partida. Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé. Agora está reservada para mim a coroa da justiça, que o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que esperam com amor a sua manifestação gloriosa.

Mas o Senhor esteve a meu lado e me deu forças, ele fez com que a mensagem fosse anunciada por mim integralmente, e ouvida por todas as nações; e eu fui libertado da boca do leão. O Senhor me libertará de todo mal e me salvará para o seu Reino celeste. A ele a glória, pelos séculos dos séculos! Amém.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mt 16,13-19

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Mateus:

Naquele tempo, Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: "Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?" Eles responderam: "Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas".

Então Jesus lhes perguntou: "E vós, quem dizeis que eu sou?"

Simão Pedro respondeu: "Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo".

Respondendo, Jesus lhe disse: "Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Unidos pela coroa do martírio!

Celebrar São Pedro e São Paulo traz uma alegria muito grande. Com eles louvamos a Deus que fez maravilhas na evangelização desses apóstolos.

 

Escolhidos por Jesus

A Palavra nos ensina que esses dois apóstolos tinham uma consciência muito clara dessa escolha que o Cristo fez deles: "Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja" (Mt 16,18). Paulo afirma: "...Aquele que me separou desde o ventre materno e me chamou por sua graça se dignou revelar-me seu Filho para que eu o pregasse entre os pagãos"... (Gl 1,15-16). É uma missão de evangelizar e de conduzir o rebanho de Cristo.

Mesmo em meio aos sofrimentos, perseguições e prisões têm a certeza da presença do Senhor: "O Senhor esteve ao meu lado e me deu força, Ele fez com que a mensagem fosse anunciada integralmente por todas as nações; e eu fui libertado da boca do leão" (1Tm 4,17). Pedro diz após ser libertado da prisão: "Agora sei que, de fato, o Senhor enviou o seu anjo para me libertar do poder de Herodes" (At 12,11).

 

Testemunhas da Palavra

A pregação de Pedro começa quando afirma: "Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo". Esta profissão de fé foi-lhe revelada pelo Pai (Mt 16,17). Paulo insiste: "Combati o bom combate, completei a carreira e guardei a fé" (1Tm 4,7). Essa fé sustentou a pregação. Os dois apóstolos são uma pregação viva que se desenvolve em anúncio da Palavra. A força de sua proclamação da fé em Jesus era suficiente para conduzir à conversão. Diante da difícil conjunção entre os cristãos vindos do paganismo e os cristãos vindos do judaísmo, souberam assumir as diferenças e conduzir a Igreja na unidade da fé. Paulo lutou fortemente para defender os direitos da fé dos gentios, pois era um mandato de Cristo.

 

Testemunho de unidade o sangue

Pregaram mais em sua morte que em sua vida, pois foram capazes de demonstrar a união e ir até o fim em sua missão, unidos na diversidade. Rezamos no prefácio: "Pedro, o primeiro a proclamar a fé, fundou a Igreja primitiva sobre a herança de Israel. Paulo, mestre e doutor das nações, anunciou-lhes o Evangelho da Salvação". Ensinam que a diversidade na fé é enriquecedora. Temos medo da diversidade. Mas os dois, continuamos na oração, "por diferentes meios congregaram a única família de Cristo e, unidos pela coroa do martírio, recebem hoje igual veneração". Sua vida e sangue derramado são semente de cristãos e de unidade. Não podemos ter medo das diferenças.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R. 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil