03/06/2018

9º Domingo do Tempo Comum

"O Filho do Homem é Senhor do sábado!"

 

 

Deus fez a Aliança de amor com toda a humanidade por meio de seu Filho Jesus Cristo. Seu amor não escandaliza, mas, sim, liberta e dá a vida. Também sabemos de nossa fragilidade e como carregamos tesouros em "vasos de barro". Cristo, porém, permanece entre nós e nos faz contemplar a vida com mais firmeza e decisão. Deixemos, pois, que o Cristo seja o Senhor em nosso tempo e em nossa história. Ele é Senhor do sábado e de todos os dias.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

O Senhor nos chama à santidade. Seguir seus mandamentos e viver o Evangelho é trilhar o caminho que nos liberta, nos dá a vida e a redenção. O Senhor nos ensina que a vida está em primeiro lugar, e nada, nem mesmo uma lei religiosa, pode sobrepor-se ao direito de viver.  

 

 

1ª Leitura - Dt 5,12-15

Leitura do Livro do Deuteronômio:

Assim fala o Senhor: "Guarda o dia de sábado, para o santificares, como o Senhor teu Deus te mandou.

Trabalharás seis dias e neles farás todas as tuas obras.

O sétimo dia é o do sábado, o dia do descanso dedicado ao Senhor teu Deus. Não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu boi, nem teu jumento, nem algum de teus animais, nem o estrangeiro que vive em tuas cidades, para que assim teu escravo e tua escrava repousem da mesma forma que tu.

Lembra-te de que foste escravo no Egito e que de lá o Senhor teu Deus te fez sair com mão forte e braço estendido. É por isso que o Senhor teu Deus te mandou guardar o sábado".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 80

Exultai no Senhor, a nossa força!

 

Cantai salmos, tocai tamborim, harpa e lira suaves tocai! Na lua nova soai a trombeta, na lua cheia, na festa solene!

 

Porque isso é costume em Jacó, um preceito do Deus de Israel; uma lei que foi dada a José, quando o povo saiu do Egito.

 

Eis que ouço uma voz que não conheço: "Aliviei as tuas costas de seu fardo, cestos pesados eu tirei de tuas mãos. Na angústia a mim clamaste, e te salvei.

 

Em teu meio não exista um deus estranho nem adores a um deus desconhecido! Porque eu sou o teu Deus e teu Senhor, que da terra do Egito te arranquei".

 

 

2ª Leitura - 2Cor 4,6-11

Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios:

Irmãos: Deus, que disse: "Do meio das trevas brilhe a luz", é o mesmo que fez brilhar a sua luz em nossos corações, para tornar claro o conhecimento da sua glória na face de Cristo.

Ora, trazemos esse tesouro em vasos de barro, para que todos reconheçam que este poder extraordinário vem de Deus e não de nós.

Somos afligidos de todos os lados, mas não vencidos pela angústia; postos entre os maiores apuros, mas sem perder a esperança; perseguidos, mas não desamparados; derrubados, mas não aniquilados; por toda parte e sempre levamos em nós mesmos os sofrimentos mortais de Jesus, para que também a vida de Jesus seja manifestada em nossos corpos.

De fato, nós, os vivos, somos continuamente entregues à morte, por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus seja manifestada em nossa natureza mortal.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mc 2,23-3,6

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Marcos:

Jesus estava passando por uns campos de trigo, em dia de sábado. Seus discípulos começaram a arrancar espigas, enquanto caminhavam. Então os fariseus disseram a Jesus: "Olha! Por que eles fazem em dia de sábado o que não é permitido?"

Jesus lhes disse: "Por acaso, nunca lestes o que Davi e seus companheiros fizeram quando passaram necessidade e tiveram fome? Como ele entrou na casa de Deus, no tempo em que Abiatar era sumo sacerdote, comeu os pães oferecidos a Deus, e os deu também aos seus companheiros? No entanto, só aos sacerdotes é permitido comer esses pães".

E acrescentou: "O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado. Portanto, o Filho do Homem é Senhor também do sábado".

Jesus entrou de novo na sinagoga. Havia ali um homem com a mão seca. Alguns o observavam para ver se haveria de curar em dia de sábado, para poderem acusá-lo. Jesus disse ao homem da mão seca: "Levanta-te e fica aqui no meio!" E perguntou-lhes: "É permitido no sábado fazer o bem ou fazer o mal? Salvar uma vida ou deixá-la morrer?" Mas eles nada disseram. Jesus, então, olhou ao seu redor, cheio de ira e tristeza, porque eram duros de coração; e disse ao homem: "Estende a mão". Ele a estendeu e a mão ficou curada. Ao saírem, os fariseus, com os partidários de Herodes, imediatamente tramaram, contra Jesus, a maneira como haveriam de matá-lo.

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

O fio condutor da celebração de hoje é a memória do Êxodo. O Salmo 80 (81) canta a ação libertadora de Deus. Deus responde ao grito angustiado do povo escravizado no Egito. Lá os israelitas trabalhavam na construção civil, construindo os prédios para o faraó, sete dias em seguida, da manhã até a noite, sem descanso. A ação de Deus é libertadora. Ninguém pode explorar o trabalho de outra pessoa. O trabalho deve ser um instrumento de dignidade humana.

Conforme a leitura do Deuteronômio, a memória da libertação se concretiza na lei do sábado.Todo ser humano tem o direito ao descanso, um dia para se refazer, conviver e celebrar. Todos têm o direito de serem livres e gozar do resultado de seus trabalhos. A origem da lei do sábado é fazer a memória da ação libertadora de Deus. Deus não quer o culto de escravos, mas quer todos em liberdade, celebrando a vida.

Ora, no tempo de Jesus, a doutrina dos escribas transformou a lei do sábado num rito vazio, num instrumento de opressão. O sábado não existia mais para celebrar a liberdade da pessoa; ela é quem devia se adaptar às exigências rituais daquele dia. Manipulando a lei de Deus, os escribas passaram a usar o sábado como um instrumento de dominação religiosa. O sábado não era mais usado para a santificação das pessoas, mas para a dominação. Jesus se revolta contra esta manipulação. Com seus gestos proféticos, Jesus age no sábado curando os doentes. Seus adversários vão tentar acusá-lo diante do povo, dizendo que se Jesus não obedece ao sábado, está indo contra a lei e a vontade de Deus.

Com muita coragem e segurança, Jesus ensina que a vontade de Deus é libertar as pessoas de todas as opressões. Principalmente, a opressão feita em nome de Deus. O  verdadeiro culto a Deus é fazer o bem ao outro, inclusive no dia sagrado . É agindo dessa forma que Jesus pode dizer: "O Filho do Homem é senhor do sábado". Jesus veio nos libertar do jugo da lei. Toda lei religiosa que oprime, não pode vir de Deus. Porque a ação de Deus, como diz o Salmo, é atender ao grito do oprimido: "Gritaste para mim e eu te libertei". Jesus é a resposta de Deus ao grito dos oprimidos, provocado pela lei religiosa opressiva daquele tempo. 

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil