20/05/2018

Solenidade de Pentecostes

"Como me enviastes, eu os envio!"

 

 

A solenidade de Pentecostes, a vinda do Espírito Santo sobre os Apóstolos e Nossa Senhora, é a conclusão triunfal do mistério pascal de Cristo. Ele sofreu, mas venceu a morte e ressuscitou. O Espírito é o Amor que nos santifica e nos vivifica. Esse amor se manifesta na paciência, na benignidade, na bondade, fidelidade e mansidão. Somos chamados para viver segundo o Espírito de Cristo ressuscitado. Eis nossa alegria: caminhar com Cristo no Espírito de seu amor vivo e ressuscitado.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

A Palavra do Senhor é como a chuva sobre a terra: derrama sobre nós seu amor misericordioso e nos transborda de sua misericórdia. É o Espírito de Cristo ressuscitado que nos encaminha na verdade divina, nos santifica e nos vivifica. Ele faz novas todas as coisas. 

 

 

1ª Leitura - At 2,1-11

Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um barulho como se fosse uma forte ventania, que encheu a casa onde eles se encontravam. Então apareceram línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito os inspirava. Moravam em Jerusalém judeus devotos, de todas as nações do mundo. Quando ouviram o barulho, juntou-se a multidão, e todos ficaram confusos, pois cada um ouvia os discípulos falar em sua própria língua.

Cheios de espanto e admiração, diziam: "Esses homens que estão falando não são todos galileus? Como é que nós os escutamos na nossa própria língua? Nós que somos partos, medos e elamitas, habitantes da Mesopotâmia, da Judeia e da Capadócia, do Ponto e da Ásia, da Frígia e da Panfília, do Egito e da parte da Líbia próxima de Cirene, também romanos que aqui residem; judeus e prosélitos, cretenses e árabes, todos nós os escutamos anunciarem as maravilhas de Deus na nossa própria língua!"

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 103

Enviai o vosso Espírito, Senhor, e da terra toda a face renovai!

 

Bendize, ó minha alma, ao Senhor! Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande! Quão numerosas, ó Senhor, são vossas obras! Encheu-se a terra com as vossas criaturas!

 

Se tirais o seu respiro, elas perecem e voltam para o pó de onde vieram. Enviais o vosso espírito e renascem e da terra toda a face renovais.

 

Que a glória do Senhor perdure sempre, e alegre-se o Senhor em suas obras! Hoje seja-lhe agradável o meu canto, pois o Senhor é a minha grande alegria!

 

 

2ª Leitura - 1Cor 12,3b-7.12-13

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios:

Irmãos: Ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, a não ser no Espírito Santo. Há diversidade de dons, mas um mesmo é o Espírito. Há diversidade de ministérios, mas um mesmo é o Senhor. Há diferentes atividades, mas um mesmo Deus que realiza todas as coisas em todos.

A cada um é dada a manifestação do Espírito em vista do bem comum. Como o corpo é um, embora tenha muitos membros, e como todos os membros do corpo, embora sejam muitos, formam um só corpo, assim também acontece com Cristo.

De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito, para formarmos um único corpo, e todos nós bebemos de um único Espírito.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Sequência

Espírito de Deus, enviai dos céus um raio de luz!

Vinde, Pai dos pobres, dai aos corações vossos sete dons.

Consolo que acalma, hóspede da alma, doce alívio, vinde!

No labor descanso, na aflição remanso, no calor aragem.

Enchei, luz bendita, chama que crepita, o íntimo de nós!

Sem a luz que acode, nada o homem pode, nenhum bem há nele.

Ao sujo lavai, ao seco regai, curai o doente.

Dobrai o que é duro, guiai no escuro, o frio aquecei.

Dai à vossa Igreja, que espera e deseja, vossos sete dons.

Dai em prêmio ao forte uma santa morte, alegria eterna. Amém.

 

 

 

Evangelho - Jo 20,19-23

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por João:

Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: "A paz esteja convosco". Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. Novamente, Jesus disse: "A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio". E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: "Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Não sabiam o que esperar

Assim estavam os discípulos na tarde daquele dia, cheios de incertezas e surpresas. Trancados e medrosos, de repente, viram Jesus entre eles. "A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, também eu vos envio" (Jo 20). Não lhes cobrava a fuga, nem sua demora em crer. Como se nada tivesse acontecido, confiava neles e tinha coragem de os enviar como continuadores de sua própria missão. "E eles ficaram cheios de alegria".

 

Como se fossem criados de novo

Tudo estava recomeçando. Como na Criação, veio sobre eles o sopro de Deus (Gn 2,7): "Depois dessas palavras, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo". Tudo começou a ganhar novo sentido, tantas coisas ouvidas tornavam-se claras. Estavam prontos para as estradas do mundo.

 

Hoje somos nós os enviados

Cada um de seu jeito, com sua missão pessoal. "Os dons são diferentes, mas o Espírito é o mesmo. Os serviços são diversos, mas o Senhor é o mesmo. As atividades são distintas, mas é o mesmo Deus que realiza tudo em todos. A cada um é dada a manifestação do Espírito para a utilidade de todos" (1Cor 12,4-7).

Poderosos pela presença viva de Jesus, iluminados e impulsionados pelo Espírito, o Sopro de vida da Trindade, vamos para a missão que nos confia. Cada um de nós, no serviço que nos foi confiado, com os dons que recebemos, podemos e devemos ser salvadores, anunciadores da misericórdia e da verdade que libertam do pecado.

Os primeiros enviados de Jesus tiveram a coragem de abandonar seu ambiente de vida e suas tradições. Não foi fácil. Mas, levados pelo Espírito, aos poucos o conseguiram, e com linguagens novas souberam encontrar respostas para novas perguntas. Temos de enfrentar o mesmo desafio num mundo diferente, não para conservar o passado, mas para garantir o futuro. As palavras dele continuam as mesmas: "A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, também eu vos envio".

 

Pe. Flávio Cavalca de Castro, C.Ss.R. 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil