29/04/2018

5º Domingo da Páscoa

"Eu sou a videira, vós os ramos!"

 

 

O Senhor nos chama para o relacionamento fiel a Ele: "Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim e eu nele, esse produz muito fruto". Cristo nos chama para estarmos vinculados nele, na sua pessoa, na sua vida, vivendo como nos ensinou a viver. Na comunhão com Ele produz-se frutos em abundância. Nele a Comunidade cristã se solidifica, cresce e amadurece em sua verdade. Assim os "ramos" permanecerão com vida e darão os frutos verdadeiros do Reino.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

A Palavra nos conduz ao encontro com o Senhor, desperta-nos para a capacidade de amar do jeito que Cristo nos amou. Sua Palavra nos mostra o que somos: "Eu sou a videira e vós sois os ramos". Na fé, eis a verdade que devemos acolher e viver.   

 

 

1ª Leitura - At 9,26-31

Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Naqueles dias, Saulo chegou a Jerusalém e procurava juntar-se aos discípulos. Mas todos tinham medo dele, pois não acreditavam que ele fosse discípulo. Então Barnabé tomou Saulo consigo, levou-o aos apóstolos e contou-lhes como Saulo tinha visto o Senhor no caminho, como o Senhor lhe havia falado e como Saulo havia pregado, em nome de Jesus, publicamente, na cidade de Damasco.

Daí em diante, Saulo permaneceu com eles em Jerusalém e pregava com firmeza em nome do Senhor. Falava também e discutia com os judeus de língua grega, mas eles procuravam matá-lo. Quando ficaram sabendo disso, os irmãos levaram Saulo para Cesareia, e daí o mandaram para Tarso.

A Igreja, porém, vivia em paz em toda a Judeia, Galileia e Samaria. Ela consolidava-se e progredia no temor do Senhor e crescia em número com a ajuda do Espírito Santo.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 21

Senhor, sois meu louvor em meio à grande assembleia!

 

Sois meu louvor em meio à grande assembleia; cumpro meus votos ante aqueles que vos temem! Vossos pobres vão comer e saciar-se, e os que procuram o Senhor o louvarão: "Seus corações tenham a vida para sempre!"

 

Lembrem-se disso os confins de toda a terra, para que voltem ao Senhor e se convertam, e se prostrem, adorando, diante dele todos os povos e as famílias das nações. Somente a ele adorarão os poderosos, e os que voltam para o pó o louvarão.

 

Para ele há de viver a minha alma, toda a minha descendência há de servi-lo; às futuras gerações anunciará o poder e a justiça do Senhor; ao povo novo, que há de vir, ela dirá: "Eis a obra que o Senhor realizou!"

 

 

2ª Leitura - 1Jo 3,18-24

Leitura da Primeira Carta de São João:

Filhinhos, não amemos só com palavras e de boca, mas com ações e de verdade! Aí está o critério para saber que somos da verdade e para sossegar diante dele o nosso coração, pois, se o nosso coração nos acusa, Deus é maior que o nosso coração e conhece todas as coisas.

Caríssimos, se o nosso coração não nos acusa, temos confiança diante de Deus. E qualquer coisa que pedimos recebemos dele, porque guardamos os seus mandamentos e fazemos o que é do seu agrado.

Este é o seu mandamento: que creiamos no nome do seu Filho, Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, de acordo com o mandamento que ele nos deu.

Quem guarda os seus mandamentos permanece com Deus e Deus permanece com ele. Que ele permanece conosco, sabemo-lo pelo Espírito que ele nos deu.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Jo 15,1-8

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por João:

Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos: "Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que em mim não dá fruto ele o corta; e todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda. Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei.

Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Quem não permanecer em mim, será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados. Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será dado. Nisto meu Pai é glorificado: que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Os textos de hoje nos revelam que é impossível haver amor sozinho. O livro de Atos nos mostra Saulo procurando se juntar aos discípulos, em Jerusalém. À medida que as Comunidades nascentes praticavam o amor fraterno, elas se consolidavam e se expandiam, animadas pelo Espírito, como ramos de uma videira. O evangelista nos assegura que, pelo amor fraterno, estamos e estaremos enraizados no Ressuscitado que nos traz a perseverança e a força, e nos faz criar raízes e aprofundar vínculos. Jesus criou laços definitivos porque nos seduziu e nos fez mudar de caminho; e nós nos deixamos seduzir (Jr 20,7).

A exigência e a condição evangélica de permanecermos unidos à videira é que nos empenhemos em produzir frutos de amor e de justiça (Is 5,1-7) para que não nos tornemos ramos secos: "Eu te plantava como uma vinha excelente, toda de cepas legítimas. Como tornaste para mim ramos degenerados de uma vinha bastarda e de frutos intragáveis?" (Jr 2,21). Os ramos são cortados ou podados; quem decide é o Pai e nisto se revela a sua Justiça.

Quando nos tornamos uma maioria indolente e tíbia, o Pai nos poda para nos tornarmos uma minoria decidida e construtiva. Somente o Pai pode calcular se um pequeno número de ramos podado poderá produzir mais frutos do que um grande número de ramos acomodados e quase infecundos. A vinha para Jesus é uma Comunidade em expansão e não um cenáculo fechado; nem um gueto, nem um grupelho clerical protegido do mundo por uma couraça de normas e leis. O ramo deve ser podado para aprender a dizer não aos nossos interesses e vantagens, e praticar, durante toda a travessia, o desapego da própria vida.

O mistério da pobreza evangélica consiste em não ter nada para si e a considerar as coisas como sendo sempre dons de Deus, que Ele nos dá quando quer e nos tira quando também quer. O ramo que não dá fruto é como aquele que só come do pão, mas não o reparte com ninguém. A este está vaticinado que "seu amor [será] uma cama vazia numa varanda do céu" (Capinam).

Pe. Paulo Botas, mts 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil