15/04/2018

3º Domingo da Páscoa

"Vós sereis minhas testemunhas!"

 

 

A vida nova em Cristo, surgida em sua ressurreição, reaviva nosso pobre coração humano e abre nossos olhos para vermos além do sofrimento da cruz e caminharmos à luz da Páscoa. Na convivência fraterna e na Comunidade percebemos os sinais da presença do Ressuscitado, nos gestos de amor e de solidariedade. Ele nos chama, como aos Apóstolos, para sermos testemunhas hoje de sua ressurreição, nele superando nossos medos e inseguranças.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

A Palavra nos revela o sentido dos fatos e acontecimentos e o cumprimento do desígnio da salvação. Acontecimento e Palavra estão intimamente inseparáveis e nos mostram a raiz profunda da fé cristã. Escutemos como quem busca a vida e a ressurreição.  

 

 

1ª Leitura - At 3,13-15.17-19

Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Naqueles dias, Pedro se dirigiu ao povo, dizendo: "O Deus de Abraão, de Isaac, de Jacó, o Deus de nossos antepassados glorificou o seu servo Jesus. Vós o entregastes e o rejeitastes diante de Pilatos, que estava decidido a soltá-lo. Vós rejeitastes o Santo e o Justo, e pedistes a libertação para um assassino. Vós matastes o autor da vida, mas Deus o ressuscitou dos mortos, e disso nós somos testemunhas.

E agora, meus irmãos, eu sei que vós agistes por ignorância, assim como vossos chefes. Deus, porém, cumpriu desse modo o que havia anunciado pela boca de todos os profetas: que o seu Cristo haveria de sofrer. Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos, para que vossos pecados sejam perdoados".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 4

Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face!

 

Quando eu chamo, respondei-me, ó meu Deus, minha justiça! Vós, que soubestes aliviar-me nos momentos de aflição, atendei-me por piedade e escutai minha oração!

 

Compreendei que nosso Deus faz maravilhas por seu servo, e que o Senhor me ouvirá quando lhe faço a minha prece!

 

Muitos há que se perguntam: "Quem nos dá felicidade?" Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face!

 

Eu tranquilo vou deitar-me e na paz logo adormeço, pois só vós, ó Senhor Deus, dais segurança à minha vida!

 

 

2ª Leitura - 1Jo 2,1-5a

Leitura da Primeira Carta de São João:

Meus filhinhos, escrevo isto para que não pequeis. No entanto, se alguém pecar, temos junto do Pai um Defensor: Jesus Cristo, o Justo. Ele é a vítima de expiação pelos nossos pecados, e não só pelos nossos, mas também pelos pecados do mundo inteiro.

Para saber que o conhecemos, vejamos se guardamos os seus mandamentos. Quem diz: "Eu conheço a Deus", mas não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e a verdade não está nele. Naquele, porém, que guarda a sua palavra, o amor de Deus é plenamente realizado.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Lc 24,35-48

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Lucas:

Naquele tempo, os dois discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão. Ainda estavam falando, quando o próprio Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: "A paz esteja convosco!" Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma. Mas Jesus disse: "Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração? Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne, nem ossos, como estais vendo que eu tenho".

E, dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés.

Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: "Tendes aqui alguma coisa para comer?" Deram-lhe um pedaço de peixe assado. Ele o tomou e comeu diante deles.

Depois disse-lhes: "São estas as coisas que vos falei quando ainda estava convosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos".

Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras, e lhes disse: "Assim está escrito: 'O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia, e no seu nome serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém' Vós sereis testemunhas de tudo isso".

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

O Evangelho de hoje nos alerta que não podemos, como os Apóstolos, fugir da realidade do Cristo, escondendo-nos num ufanismo triunfante ou num dolorismo covarde. Não podemos transformar o acontecimento da salvação, que passa pela Cruz, num evento absurdo em que a paixão é uma maldição e os sofrimentos, uma abominação. Jesus aparece no meio dos seus Apóstolos e os faz rememorar a sua paixão, não mais como um inferno, mas como uma paz e uma bênção: "A paz esteja convosco!" O Ressuscitado se mostra sob o aspecto de um desconhecido para indicar que, doravante, o Cristo será reencontrado nos traços de homens e mulheres: "Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo!", pois não existem sobre a terra outras mãos e outros pés que os de homens e mulheres, de todos os tempos e lugares.

A Comunidade eclesial tem que proclamar, praticar e testemunhar o que Jesus viveu pela denúncia profética, que anima os espíritos na coragem do Ressuscitado. Sempre lhe pedimos provas, mas somos nós que as devemos dar. Nós somos as provas: "Vós sereis minhas testemunhas" (At 1,8 conf. Lc 24,48). Devemos nos deixar conduzir pelo Espírito para anunciar "no tempo certo ou não" (2Tm 4,2) o amor fraterno como uma comunhão de mistérios, um encantamento de ternuras que faz os que se amam olharem, não mais um para o outro, mas todos na mesma direção.

Caso não possamos encontrar o Cristo pela oração, devemos sair de casa e dos nossos outros "espaços sagrados" e logo o encontraremos nas ruas, nas esquinas, nos becos, sob a aparência de um homem ou de uma mulher que passa ou que nos estende a mão. Podemos ter um reencontro sem cessar com o Ressuscitado: basta olhar, com os olhos do coração, nossos semelhantes. Meditemos os dizeres de S. João Crisóstomo: "O altar vivo e humano construído em cada rua e em cada encruzilhada é mais sagrado que o altar de pedra, pois sobre este o Cristo é oferecido, mas o primeiro é o próprio Cristo".

Pe. Paulo Botas, mts 

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco -

Ed. Santuário.

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil