03/02/2019

4º Domingo do Tempo Comum

"Anunciou a verdadeira libertação!"

 

 

Jesus anunciou com clareza sua missão na sinagoga de Nazaré. Mas o povo de Nazaré, que dizia conhecê-lo, como também sua família, o rejeitou ao extremo, querendo até matá-lo. Jesus passou no meio deles, foi embora, e afirmou: "Nenhum profeta é bem recebido em sua pátria". A nós cabe ouvir e acolher com amor a Palavra, deixando-a tocar profundamente nossa existência para nos transformar. A verdade de Cristo nos abre para o futuro, pois só nele nos realizaremos plenamente.  

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

O profeta relata sua vocação como desígnio divino e Jesus sofre a rejeição de seus contemporâneos. Trata-se, pois, de nos perguntar como assumimos nossa vocação batismal, e qual o peso do Evangelho em nossa vida.  

 

 

1ª Leitura - Jr 1,4-5.17-19

Leitura do Livro do Profeta Jeremias:

Nos dias de Josias, rei de Judá, foi-me dirigida a palavra do Senhor, dizendo: "Antes de formar-te no ventre materno, eu te conheci; antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das nações. Vamos, põe a roupa e o cinto, levanta-te e comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer: não tenhas medo, senão eu te farei tremer na presença deles.

Com efeito, eu te transformarei hoje numa cidade fortificada, numa coluna de ferro, num muro de bronze contra todo o mundo, frente aos reis de Judá e seus príncipes, aos sacerdotes e ao povo da terra; eles farão guerra contra ti, mas não prevalecerão, porque eu estou contigo para defender-te", diz o Senhor.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 70

Minha boca anunciará todos os dias vossas graças incontáveis, ó Senhor. 

 

Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor: que eu não seja envergonhado para sempre! Porque sois justo, defendei-me e libertai-me! Escutai a minha voz, vinde salvar-me!

 

Sede uma rocha protetora para mim, um abrigo bem seguro que me salve! Porque sois a minha força e meu amparo, o meu refúgio, proteção e segurança! Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio.

 

Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, em vós confio desde a minha juventude! Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, desde o seio maternal, o meu amparo.

 

Minha boca anunciará todos os dias vossa justiça e vossas graças incontáveis. Vós me ensinastes desde a minha juventude, e até hoje canto as vossas maravilhas. 

 

 

2ª Leitura - 1Cor 12,31-13,13

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios:

Irmãos: Aspirai aos dons mais elevados. Eu vou ainda mostrar-vos um caminho incomparavelmente superior. Se eu falasse todas as línguas, as dos homens e as dos anjos, mas não tivesse caridade, eu seria como um bronze que soa ou um címbalo que retine.

Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, mas se não tivesse caridade, eu não seria nada.

Se eu gastasse todos os meus bens para sustento dos pobres, se entregasse o meu corpo às chamas, mas não tivesse caridade, isso de nada me serviria.

A caridade é paciente, é benigna; não é invejosa, não é vaidosa, não se ensoberbece; não faz nada de inconveniente, não é interesseira, não se encoleriza, não guarda rancor; não se alegra com a iniquidade, mas se regozija com a verdade. Suporta tudo, crê tudo, espera tudo, desculpa tudo.

A caridade não acabará nunca. As profecias desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência desaparecerá. Com efeito, o nosso conhecimento é limitado e a nossa profecia é imperfeita. Mas quando vier o que é perfeito, desaparecerá o que é imperfeito.

Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando me tornei adulto, rejeitei o que era próprio de criança.

Agora nós vemos num espelho, confusamente, mas, então, veremos face a face. Agora, conheço apenas de modo imperfeito, mas, então, conhecerei como sou conhecido.

Atualmente permanecem estas três coisas: fé, esperança, caridade. Mas a maior delas é a caridade.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Lc 4,21-30

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Lucas:

Naquele tempo, estando Jesus na sinagoga, começou a dizer: "Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir".

Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. E diziam: "Não é este o filho de José?"

Jesus, porém, disse: "Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum".

E acrescentou: "Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria.

De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia.

E no tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio".

Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até ao alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

O fio condutor das leituras de hoje é o binômio Palavra e Missão. A Primeira Leitura narra o chamado do profeta Jeremias. Jeremias está convencido de que, desde o seio materno, tinha a missão de trabalhar com a Palavra. Essa missão acabou sendo para ele um destino doloroso do qual não podia escapar. Jeremias descobriu que só pode trabalhar com a Palavra quem se deixa trabalhar por ela. Foi assim que, entre muitos lamentos, ele assumiu sua difícil missão enfrentando resistências e incompreensões.

O mesmo aconteceu com Jesus. Ao terminar a leitura do livro de Isaías, Jesus atualiza o texto da Escritura e o liga com a vida dizendo: "Hoje se cumpriu esta Escritura!" Essa sua maneira de ligar a Palavra com a vida do povo provocou uma mistura de descrédito e escândalo. Muitos o rejeitaram e já não queriam mais saber de suas mensagens.

É que Jesus mostrava como a Palavra convocava as pessoas para gestos concretos. Ele falava em acolher os pobres, os doentes, os possessos, os oprimidos. A Palavra exige compromisso com essas pessoas tão queridas por Deus. Mas o povo de Nazaré não aceita a proposta de Jesus. Por isso, Jesus tem o mesmo destino de Jeremias: quando a Palavra de Deus exige a inclusão dos oprimidos e excluídos, o próprio profeta passa a ser um excluído.

Jesus tenta ajudar a Comunidade a superar o escândalo, recordando duas histórias bem conhecidas, uma de Elias e outra de Eliseu. As atitudes desses dois profetas são duras críticas ao fechamento do povo. Elias foi enviado para ajudar uma viúva estrangeira, e Eliseu para curar um general estrangeiro. Jesus quer que o povo supere seus limites de raça e de cultura. A Palavra de Deus é dirigida a todos, sem distinção. As leituras deste domingo trazem uma mensagem cheia de fervor missionário.

Podemos concluir rezando o Salmo de Meditação (Sl 70/71) ou a linda poesia sobre o amor, que Paulo escreveu para animar a comunidade dos Coríntios a crescer na unidade. O amor é mesmo um caminho que ultrapassa todos os outros e cria a fraternidade universal. É o caminho de Jesus. 

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters

Folheto litúrgico Deus Conosco - Ed.Santuário (03/02/2019)

 

 

Oração da Comunidade

Ó Deus, nosso Pai, vós que chamastes colaboradores para vosso Reino, e nos enviastes vosso Filho para nossa redenção, confirmai-nos em vosso amor e ouvi compassivo nossos rogos.

 

1. Fortalecei na profecia da esperança vossa Igreja, e que o anúncio do Evangelho alcance a vida dos homens e das mulheres de agora, nós vos pedimos.

- No vosso amor, Senhor, guiai-nos com fervor!

 

2. Dai vossa força divina todos os dias àqueles que lutam em favor da vida e da dignidade dos pobres, dos sofredores e abandonados, nós vos pedimos.

- No vosso amor, Senhor, guiai-nos com fervor!

 

3. Fortalecei a juventude, que ela abrace com firmeza seus ideais e seja capaz de infundir no mundo um novo vigor de paz e de harmonia, nós vos pedimos.

- No vosso amor, Senhor, guiai-nos com fervor!

 

4. Fazei-nos fortes na fé, alegres na esperança, fervorosos no espírito e fiéis colaboradores de vosso Reino, nós vos pedimos.

- No vosso amor, Senhor, guiai-nos com fervor!

 

5. Outras intenções...

 

Senhor Deus, que a certeza de vosso amor para conosco nos fortaleça na luta da vida e no crescimento da santidade. Vós, que sois nosso Deus e viveis e reinais para sempre.

- Amém.

 

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil