02/02/2020

Apresentação do Senhor

 

 

Cristo é nossa salvação. Nele encontramos a vida sempre. Maria e José compreenderam o mistério do Pai, que em seu amor nos entregou Jesus, seu único Filho. Maria, mesmo com a dura profecia de Simeão, permaneceu em pé, como também no alto do Calvário, pois sabia quem era aquele Menino que acalentava em seus braços. Como Maria e José, sejamos cumpridores dos desígnios divinos.  

  

 

Exortação

Irmãos e irmãs, há quarenta dias celebrávamos com alegria o Natal do Senhor. E hoje chegou o dia em que Jesus foi apresentado ao Templo por Maria e José. Conformava-se assim à Lei do Antigo Testamento, mas na realidade vinha ao encontro do seu povo fiel. Impulsionados pelo Espírito Santo, o velho Simeão e a profetisa Ana foram também ao Templo. Iluminados pelo mesmo Espírito, reconheceram o seu Senhor naquela criança e o anunciaram com júbilo.

Também nós, reunidos pelo Espírito Santo, vamos nos dirigir à casa de Deus (ao altar), ao encontro de Cristo. Nós o encontraremos e reconheceremos na fração do pão, enquanto esperamos a sua vinda na glória.

 

 

Bênção das velas

Oremos: Ó Deus, luz verdadeira, fonte e princípio da luz eterna, fazei brilhar no coração de vossos fiéis a luz que não se extingue, para que, iluminados por estas velas no vosso templo santo, cheguemos ao esplendor da vossa glória. Por Cristo, nosso Senhor.

 

- Vamos em paz, ao encontro do Senhor.

 

 

Antífona da Procissão

- Uma luz que brilhará para os gentios e para a glória de Israel, o vosso povo.

- Uma luz que brilhará para os gentios e para a glória de Israel, o vosso povo.

- Deixai, agora, vosso servo ir em paz, conforme prometestes, ó Senhor.

- Pois meus olhos viram vossa salvação.

- Que preparastes ante a face das nações.

 

 

Antífona (Sl 47,10-11)

Recebemos, ó Deus, a vossa misericórdia no meio de vosso templo. Vosso louvor se estende, como o vosso nome, até os confins da terra; toda a justiça se encontra em vossas mãos.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

Maria, que ouviu a dura profecia de Simeão, sabia que seu Filho era a Aliança eterna do Pai com a humanidade. Por isso, aceitou o desígnio divino e permaneceu fiel.  

 

 

1ª Leitura - Ml 3,1-4

Leitura da Profecia de Malaquias:

Assim diz o Senhor: Eis que envio meu anjo, e ele há de preparar o caminho para mim; logo chegará ao seu templo o Dominador, que tentais encontrar, e o anjo da aliança, que desejais. Ei-lo que vem, diz o Senhor dos exércitos; e quem poderá fazer-lhe frente, no dia de sua chegada? E quem poderá resistir-lhe, quando ele aparecer?

Ele é como o fogo da forja e como a barrela dos lavadeiros; e estará a postos, como para fazer derreter e purificar a prata: assim ele purificará os filhos de Levi e os refinará como ouro e como prata, e eles poderão assim fazer oferendas justas ao Senhor. Será então aceitável ao Senhor a oblação de Judá e de Jerusalém, como nos primeiros tempos e nos anos antigos.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 23

O Rei da glória é o Senhor onipotente!

 

"Ó portas, levantai vossos frontões! Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, a fim de que o Rei da glória possa entrar!"

 

Dizei-nos: "Quem é este Rei da glória?" "É o Senhor, o valoroso, o onipotente, o Senhor, o poderoso nas batalhas!"

 

"Ó portas, levantai vossos frontões! Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, a fim de que o Rei da glória possa entrar!"

 

Dizei-nos: "Quem é este Rei da glória?" "O Rei da glória é o Senhor onipotente, o Rei da glória é o Senhor Deus do universo". 

 

 

2ª Leitura - Hb 2,14-18

Leitura da Carta aos Hebreus:

Irmãos, visto que os filhos têm em comum a carne e o sangue, também Jesus participou da mesma condição, para assim destruir, com a sua morte, aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo, e libertar os que, por medo da morte, estavam a vida toda sujeita à escravidão. Pois, afinal, não veio ocupar-se com os anjos, mas com a descendência de Abraão.

Por isso devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos, para se tornar um sumo-sacerdote misericordioso e digno de confiança nas coisas referentes a Deus, a fim de expiar os pecados do povo. Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Lc 2,22-40

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Lucas:

Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor. Conforme está escrito na lei do Senhor: "Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor".

Foram também oferecer o sacrifício — um par de rolas ou dois pombinhos — como está ordenado na Lei do Senhor. Em Jerusalém, havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso, e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor. Movido pelo Espírito, Simeão veio ao Templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a Lei ordenava, Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus: "Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; porque meus olhos viram a tua salvação, que preparaste diante de todos os povos: luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel". O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: "Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te transpassará a alma".

Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. Depois ficara viúva, e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do Templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. Depois de cumprirem tudo, conforme a Lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

Embora já estejamos em plena vivência do Tempo Comum, a festa que hoje celebramos  nos reconduz ao contexto natalino. São passados exatamente quarenta dias do Natal, e hoje vivenciamos a sua conclusão solene recordando a Apresentação do Senhor no Templo.

Ao longo da história, o povo de Israel alimentou a esperança da vinda do Messias, como Deus tinha prometido. Diante dessa promessa, muitas expectativas foram criadas a respeito da identidade desse Messias. A liturgia da palavra de hoje apresenta a fidelidade de Deus que cumpre a promessa, indo muito além das expectativas do povo de Israel: o Messias enviado, Jesus Cristo, não terá sua missão restrita a Israel, mas é a luz das nações.

Na Primeira Leitura, o profeta Malaquias afirma a vinda do Senhor, precedida por um mensageiro, para purificar o seu povo. A primeira dimensão a necessitar da presença purificadora do Messias é a própria religião: aquela instituição que deveria ser do povo de seu Deus foi a que os distanciou. Por isso, é no Templo que começará o processo de purificação que é, na verdade, o restabelecimento da comunicação entre Deus e a humanidade.

A Segunda Leitura, em sintonia com o Evangelho, mostra a grande surpresa: o Messias esperado não é um ser extraordinário, mas um de nós. Deus quis que ele se fizesse em tudo semelhante a nós, para que experimentando nossas dores, aplicasse a sua infinita misericórdia. Veio ele sujeito à lei, inserido concretamente na história, como membro de uma família observante dos costumes da época, como evidencia o Evangelho: "Maria e José levaram Jesus a Jerusalém a fim de apresentá-lo ao Senhor" (cf. Lc 2,22). Implicitamente, o evangelista diz que a purificação do povo estava começando pela religião, conforme o anúncio profético da Primeira Leitura.

Ao invés de trazer o fogo destruidor, o Messias trouxe luz para iluminar todas as nações. Somente quem é sensível aos desígnios de Deus é capaz de reconhecer e acolher essa novidade, como Simeão e Ana. Cada cristão e cristã é chamado(a) a ser também portador dessa luz única, que ilumina todas as nações sem distinção.

Pe. Francisco Cornélio Freire Rodrigues

Diocese de Mossoró - RN

Folheto litúrgico Deus Conosco - Ed.Santuário (02/02/2020)

 

 

Preces da Comunidade

A vós, ó Pai Santo, elevamos nosso coração em prece, pedimos por nossas necessidades, e invocamos vossa misericórdia, dizendo:

- Senhor, Deus da Luz, iluminai-nos!

 

1. Fortalecei a ação missionária de vossa Igreja, para que o Evangelho chegue ao coração dos povos, da cultura, da sociedade e em nossa vida, nós vos clamamos confiantes.

- Senhor, Deus da Luz, iluminai-nos!

 

2. Fazei com que sejamos acolhedores uns dos outros e de vossa Palavra, para que cumpramos em nós vossa divina vontade, como a cumpriu Maria, nós vos clamamos confiantes.

- Senhor, Deus da Luz, iluminai-nos!

 

3. Rompei em nós e na sociedade, os laços da dominação e da escravidão, para que sejamos um povo de libertados e comprometidos com a dignidade humana, nós vos clamamos confiantes.

- Senhor, Deus da Luz, iluminai-nos!

 

4. Dai-nos a graça de compreender o mistério de vosso amor, para vivê-lo com generosidade, a exemplo de Maria e de José, nós vos clamamos confiantes.

- Senhor, Deus da Luz, iluminai-nos!

 

5. Outras intenções...

 

Subam até vós, ó Deus, nossa súplica e nosso louvor, pois nos destes vosso Filho amado, que veio para nos salvar, e convosco vive e reina pelos séculos sem fim.

- Amém

 

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil