21/01/2018

3º Domingo do Tempo Comum

"Deixar tudo e partir com Ele!"

 

 

É impossível fugir do desígnio divino, como imaginou o profeta Jonas. Ele pôs-se a caminho e fez o que lhe pediu o Senhor. Agora é o próprio Cristo que nos fala: "Convertei-vos e crede no Evangelho". Ele também nos chama para anunciar sua Palavra de salvação: "Segui-me!" Acolher a palavra de Cristo é vincular-se à sua pessoa e jamais deixar de segui-lo, como os primeiros discípulos chamados. Nossa fé é numa pessoa, Jesus Cristo, e não numa teoria ou filosofia.

 

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

Acreditar e acolher a Palavra do Senhor, tanto na profecia de Jonas, quanto, e, principalmente, no Evangelho de Jesus, é a condição primeira, necessária e fundamental para nossa salvação. Como acolhemos e vivemos a Palavra do Senhor? 

 

 

1ª Leitura - Jn 3,1-5.10

Leitura da Profecia de Jonas:

A palavra do Senhor foi dirigida a Jonas, pela segunda vez: "Levanta-te e põe-te a caminho da grande cidade de Nínive e anuncia-lhe a mensagem que eu te vou confiar".

Jonas pôs-se a caminho de Nínive, conforme a ordem do Senhor. Ora, Nínive era uma cidade muito grande; eram necessários três dias para ser atravessada.

Jonas entrou na cidade, percorrendo o caminho de um dia; pregava ao povo, dizendo: "Ainda quarenta dias, e Nínive será destruída".

Os ninivitas acreditaram em Deus; aceitaram fazer jejum, e vestiram sacos, desde o superior ao inferior.

Vendo Deus as suas obras de conversão e que os ninivitas se afastavam do mau caminho, compadeceu-se e suspendeu o mal que tinha ameaçado fazer-lhes, e não o fez.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 24

Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, vossa verdade me oriente e me conduza!

 

Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, e fazei-me conhecer a vossa estrada! Vossa verdade me oriente e me conduza, porque sois o Deus da minha salvação.

 

Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão que são eternas! De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!

 

O Senhor é piedade e retidão, e reconduz ao bom caminho os pecadores. Ele dirige os humildes na justiça, e aos pobres ele ensina o seu caminho.

 

 

2ª Leitura - 1Cor 7,29-31

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios:

Eu digo, irmãos: o tempo está abreviado. Então que, doravante, os que têm mulher vivam como se não tivessem mulher; e os que choram, como se não chorassem, e os que estão alegres, como se não estivessem alegres; e os que fazem compras, como se não possuíssem coisa alguma; e os que usam do mundo, como se dele não estivessem gozando. Pois a figura deste mundo passa.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mc 1,14-20

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Marcos:

Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galileia, pregando o Evangelho de Deus e dizendo: "O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!"

E, passando à beira do mar da Galileia, Jesus viu Simão e André, seu irmão, que lançavam a rede ao mar, pois eram pescadores.

Jesus lhes disse: "Segui-me e eu farei de vós pescadores de homens".

E eles, deixando imediatamente as redes, seguiram a Jesus.

Caminhando mais um pouco, viu também Tiago e João, filhos de Zebedeu. Estavam na barca, consertando as redes; e logo os chamou. Eles deixaram seu pai Zebedeu na barca com os empregados, e partiram, seguindo Jesus.

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

O evangelho deste domingo narra o início da vida pública de Jesus. Depois de um longo tempo em silêncio, preparando-se para sua missão, Jesus sai de Nazaré e vai até o Jordão, onde João Batista fazia sua pregação e batizava as pessoas que buscavam novos rumos para sua vida. No momento em que Jesus é batizado, acontece nele uma profunda experiência de Deus que o faz descobrir com clareza sua missão. Mas Jesus só começa sua pregação "depois que João foi preso". O rei Herodes, em sua arrogância, pensava poder prender e calar a Palavra de Deus! Para Jesus, a prisão de João Batista foi um sinal de Deus de que ele devia começar sua missão e, assim, dar continuidade à missão de João. O poder de Deus é mais forte que o poder de Herodes. Jesus resume sua pregação em quatro frases: "Esgotou-se o prazo! O Reino de Deus está próximo! Mudem de vida! Acreditem nesta Boa Notícia!" São pedidos simples, mas que, quando assumidos, promovem uma profunda transformação na vida das pessoas.

A primeira leitura deste domingo quer nos ajudar a perceber o Reino. No livro de Jonas, o profeta é enviado a Nínive, a grande cidade. Sua pregação, como a pregação de João e de Jesus, também é de conversão e de mudança radical de vida. Diante da conversão da cidade, Deus mostra sua misericórdia e não executa o castigo previsto. O momento que vivemos pede rumos novos para cada um de nós. Como ser fiel à Palavra nestes tempos de opressão e marginalização? Como o Salmo deste domingo, também nós devemos pedir a Deus: Mostra-me teus caminhos, Senhor, e guia-me na tua verdade!

Atento aos fatos de sua época, Jesus descobre neles a presença do Reino e, por seu modo de pregar e agir, ele revela essa presença escondida do Reino no meio do povo pobre e excluído. Jesus acolhe os doentes, os fracos, os desanimados. Também nós devemos buscar os sinais do Reino de Deus que estão acontecendo hoje no meio de nós. São esses sinais do Reino que pedem de nós uma radical conversão e uma fé firme no Evangelho de Jesus, fazendo uma opção pastoral pelos fracos e excluídos de nossa época.

A Palavra de Jesus vai atingindo pessoas como André, Simão, Tiago e João. Neles a Palavra vai produzindo efeito e eles vão mudando seu modo de viver. Rompem com a vida que levavam e abandonam parentes, barcos, trabalhos e amigos. Começam a caminhar com Jesus. O efeito da Palavra é despertar em nós a missão, levando-nos a "caminhar na estrada de Jesus". 

Francisco Orofino e Frei Carlos Mesters  

Este texto faz parte do folheto litúrgico deste domingo - Deus Conosco - Ed. Santuário.

 

 

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil