26/01/2020

3º Domingo do Tempo Comum

 

 

A Palavra nos revela a salvação que Deus preparou para seu povo: Jesus! Ele é o centro da Sagrada Escritura, e chama para o seguir. Os Doze primeiros ouviram o Senhor, e o seguiram fielmente. Eles foram escolhidos e depois chamados para viverem vinculados no Cristo Senhor. Vivendo com Jesus, formam uma Comunidade, como nós, agora. Porém, ainda precisamos responder com mais ardor e prontidão. Qual é nosso espírito missionário hoje? 

  

 

Liturgia da Palavra - Deus nos fala

A luz da libertação para o povo escravizado, predita pelo profeta, realizou-se em Jesus, a Luz verdadeira. Ele chamou os Doze primeiros para que fossem com Ele o povo novo, da nova Aliança.  

 

 

1ª Leitura - Is 8,23b-9,3

Leitura do Livro do Profeta Isaías:

No tempo passado o Senhor humilhou a terra de Zabulon e a terra de Neftali; mas recentemente cobriu de glória o caminho do mar, do além-Jordão e da Galileia das nações.

O povo que andava na escuridão viu uma grande luz; para os que habitavam nas sombras da morte, uma luz resplandeceu.

Fizeste crescer a alegria, e aumentaste a felicidade; todos se regozijam em tua presença como alegres ceifeiros na colheita, ou como exaltados guerreiros ao dividirem os despojos. Pois o jugo que oprimia o povo — a carga sobre os ombros, o orgulho dos fiscais — tu os abateste como na jornada de Madiã.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Salmo Responsorial - Sl 26

O Senhor é minha luz e salvação. O Senhor é a proteção da minha vida.

 

O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu terei medo? O Senhor é a proteção da minha vida; perante quem eu tremerei?

 

Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, e é só isto que eu desejo: habitar no santuário do Senhor por toda a minha vida; saborear a suavidade do Senhor e contemplá-lo no seu templo.

 

Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver na terra dos viventes. Espera no Senhor e tem coragem, espera no Senhor! 

 

 

2ª Leitura - 1Cor 1,10-13.17

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios:

Irmãos, eu vos exorto, pelo nome do Senhor nosso, Jesus Cristo, a que sejais todos concordes uns com os outros e não admitais divisões entre vós. Pelo contrário, sede bem unidos e concordes no pensar e no falar.

Com efeito, pessoas da família de Cloé informaram-me a vosso respeito, meus irmãos, que está havendo contendas entre vós.

Digo isso, porque cada um de vós afirma: "Eu sou de Paulo"; ou: "Eu sou de Apolo"; ou: "Eu sou de Cefas"; ou: "Eu sou de Cristo!"

Será que Cristo está dividido? Acaso Paulo é que foi crucificado por amor de vós? Ou é no nome de Paulo que fostes batizados?

De fato, Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar a boa nova da salvação, sem me valer dos recursos da oratória, para não privar a cruz de Cristo da sua força própria.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus!

 

 

Evangelho - Mt 4,12-23

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por Mateus:

Ao saber que João tinha sido preso, Jesus voltou para a Galileia. Deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia, no território de Zabulon e Neftali, para se cumprir o que foi dito pelo profeta Isaías: "Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, região do outro lado do rio Jordão, Galileia dos pagãos! O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz, e para os que viviam na região escura da morte brilhou uma luz". Daí em diante Jesus começou a pregar dizendo: "Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo".

Quando Jesus andava à beira do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Estavam lançando a rede ao mar, pois eram pescadores. Jesus disse a eles: "Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens". Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram. Caminhando um pouco mais, Jesus viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Estavam na barca com seu pai Zebedeu consertando as redes. Jesus os chamou. Eles imediatamente deixaram a barca e o pai, e o seguiram. Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo. 

- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Reflexão

A missão de Jesus não se inicia no deserto como a de João, o Batista; nem em Jerusalém, a capital religiosa e o centro do poder político e econômico. A missão de Jesus se inicia na Galileia onde residiam numerosos pagãos. A fase decisiva da história da salvação se inicia numa região que os judeus desprezavam e consideravam sombria. Sobre este país, uma luz se ergue e brilha para que seja comunicada a todos os homens e mulheres de todos os tempos e lugares do mundo. O Verbo não se esconde de ninguém e o paradoxo cristão se revela na desproporção infinita que existe entre o que somos e a missão que nos é confiada: uma missão cumulada com a misericórdia e o amor do Cristo. Na medida em que nos abandonamos à força de Deus somos cumulados de bênçãos para que cumpramos seu desígnio e esse desígnio é o próprio Deus presente no mundo.

A sabedoria do Cristo é o abandono a Deus, pois quem nos envia nunca nos deixará sozinhos, uma vez que seu Espírito habita em nossos corações. A nossa vida não é somente nossa, mas é a própria vida do Cristo presente hoje, como outrora, na sua condição terrena de humildade e pobreza. Paulo exclamava: "Não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim" (Gl 2,20). Jesus nos testemunha que a humildade de sua vida não o impediu de realizar a salvação do mundo. Ao contrário, foi precisamente na sua fraqueza que pôde realizar a obra que lhe foi confiada, pois "a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens" (1 Cor 1,25).

Não devemos nos escandalizar: o Cristo está presente na nossa humildade e pobreza e são essas que se tornam os instrumentos escolhidos por Deus para continuar a missão de Jesus. Devemos nos converter em "povo que andava na escuridão e viu uma grande luz" para que nos transformemos, de uma vez por todas, nestes inumeráveis grãos de trigo que, reunidos, fermentados e sovados, tornam-se um só pão que será, por todos os séculos, o Pão da Vida. 

Pe. Paulo Botas, mts

Folheto litúrgico Deus Conosco - Ed.Santuário (26/01/2020)

 

 

Preces da Comunidade

Ao Senhor, Deus de misericórdia, elevemos o coração em prece suplicante, pois Ele nos acolhe em seu amor e nos dá seu auxílio divino.

 

1. Confirmai a missão de vossa Igreja, e que ela saiba responder às dúvidas e interrogações dos homens e mulheres de nosso tempo, nós vos rogamos, Senhor.

- Fazei-nos, Senhor, perseverantes em vosso amor!

 

2. Fortalecei os Ministros de vossa Igreja, e que eles sejam compassivos, solidários e acolhedores dos pobres e mais abandonados, nós vos rogamos, Senhor.

- Fazei-nos, Senhor, perseverantes em vosso amor!

 

3. Infundi em nossa existência vossa luz, para que sejamos transformados na verdade de vosso amor, nós vos rogamos, Senhor.

- Fazei-nos, Senhor, perseverantes em vosso amor!

 

4. Abri nossos olhos para a realidade que nos cerca, e que saibamos descobrir nos sinais dos tempos, vossa santa vontade, nós vos rogamos, Senhor.

- Fazei-nos, Senhor, perseverantes em vosso amor!

 

5. Outras intenções...

 

Pai de bondade, iluminados por vossa graça, nós vos louvamos agradecidos, e esperamos alcançar o que vos pedimos confiantes. Por Cristo, nosso Senhor.

- Amém.

 

*   *   *

 

   

 

© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil